Everton Krabbe: Processamento de frango de corte

remove_red_eye 757 forum 9 bar_chart Estatísticas share
"Curtidas" do Influencers: Marlon Nangi dos Santos
Compartilhar :
close
As informações de vídeo
Ver mais
23 de Setembro de 2019
Comentários muito pertinentes, quanto à elevação do percentual de condenações atualmente nos abatedouros de aves e o MAPA resistindo em não considerar os métodos utilizados nos EUA e na Europa, no processamento das carcaças durante e após a evisceração. Em um momento em que competimos com grandes produtores e exportadores de carne de frango, no mercado mundial, onde centavos por quilos produzido, são extremamente significativos, no resultado financeiro das empresas avicolas.
Responder
Fabio G. Nunes Fabio G. Nunes
Administrador Web
23 de Setembro de 2019
Acho pertinente examinar-se os critérios e práticas de condenação (que contam com o agravante de serem desuniformes Brasil à fora) a fim de que ao preservar a integridade física e sanitária do produto, NÃO NECESSÁRIAMENTE afete a competitividade das empresas. Mais ainda, a condenação total ou parcial além do necessário para garantir a idoneidade do produto, SIGNIFICA DESPERDICIO DE ALIMENTOS (e recursos naturais), algo inaceitável num mundo de 800 milhões de famintos (e de recursos naturais cada vez mais exíguos).
Já o uso de coadjuvantes químicos, como se faz nos Estados Unidos, requer uma abordagem mais detalhada e muito, muitíssimo cuidadosa:
- O Brasil, tal qual a UE, trata a sua cadeia de produção de aves dentro da visão holística “do campo ao prato”, o que nos leva a trabalhar, PREVENTIVAMENTE, em todas as fases da cadeia, AUMENTANDO a proteção ao alimento enquanto reduzimos as muitas ameaças à sua inocuidade paulatinamente. Nos Estados Unidos, ainda prevalece a abordagem de resolver tudo no abatedouro, por isso a inumerável quantidade de duchas, banhos e soluções químicas usadas no tratamento de carcaças para impedir a presença de patógenos;
- Segundo, e O MAIS IMPORTANTE - tratar quimicamente as carcaças, como faz os Estados Unidos, é um sacrilégio aos olhos da EU, ainda um grande mercado para o Brasil. Há mais de 20 anos os EUA foram proibidos de exportar de frango à UE quando esta proibiu o uso de hipercloração nos frigoríficos. Os EUA se negaram a aceitar a exigência e foram alijados do mercado! Desde então nem uma asa de frango americano entrou no mercado da EU!
Mais ainda! Quem anda lendo sobre o Brexit e as conversas de acordo comercial com os EUA se a saída da EU for sem acordo, já deve ter visto que o Reino Unido NÃO QUER FRANGO AMERICANO e pela mesma razão. Está o maior auê por lá com relação ao assunto, com as empresas, associações e o ministro pressionando o governo a dizer NÃO ao frango americano!
Se o Brasil resolver partir para esta tecnologia estará, de vez, sepultando suas chances de retomar, com a força de outrora, o mercado da EU, por dar, de bandeja, aos países-membros tudo o que eles precisam para nos ver pelas costas para sempre - um motivo REAL para condenar nossos produtos!
Responder
Paulo Martins Paulo Martins
Diretor Técnico e Comercial BioCamp Laboratorios
26 de Setembro de 2019
Fabio G. Nunes Muito oportuna suas ponderações. Elas vão ao encontro da velha máxima "No mercado internacional não trabalham freiras". Ainda que novas tecnologias de desinfecção devam ser pesquisadas - de forma acadêmica ou pela indústria - a aplicação das mesmas, ainda que eficientes e até mesmo aprovadas pelo MAPA, tem que ser, ANTES DE IMPLEMENTADAS, DISCUTIDAS claramente com nossos clientes. Na minha opinião, produzir frangos, e desinfetar a carcaça no final, QUALQUER AVICULTURA MEDIANA O FAZ. Será que não estaríamos matando nossa galinha de ovo de ouro?
Responder
Fabio G. Nunes Fabio G. Nunes
Administrador Web
26 de Setembro de 2019
Obrigado pelos comentários e endosso de meu ponto de vista. Você está certo! O nosso GRANDE e INCOMPARÁVEL diferencial tecnologico no MUNDO AVICOLA é o de produzir um produto avicola INOCUO, reconhecido e aceito em 160 países de rigida legislação sanitária - EU, Japão e Oriente Médio, para mencionar apenas alguns - usando APENAS AGUA POTÁVEL. Ninguém mais o faz! Abandonar isto, será um tiro nos pés....
Responder
26 de Setembro de 2019
Dr. Everton Krabbe
Boa sua fala e compartilho de parte dela. Pergunto aos que questionam a higienização: Os EUA, como grande mercado produtor e exportador que são, se prejudicam demasiadamente em não exportar para a UE? Um estudo econômico ajudaria solucionar essas questões junto ao Mapa e mercado local.
Mas, para mim não tocaste em um ponto de condenações pelo Mapa, referente as miopatias e que me preocupa muito. Sabemos parte da etiopatogenia relacionada e por enquanto uma caixa preta a ser resolvida na produção de frangos... Abraço
Responder
Vincenzo Mastrogiacomo Vincenzo Mastrogiacomo
ENGENHEIRO QUIMICO
28 de Setembro de 2019
Nossa opiniao e que o BRASIL continue produzindo frango da mesma maneira que e aceito em mais de 160 paises . Penso QUE O MINISTERIO DA AGRICULTURA deve cada vez mais rever os criterios de condenaçao e unificando os metodos de analises e aproveitamento .
O uso de produtos quimicos tambem deve ser verificado e usado dentro das normas normais e que nao afetem a saude humana .
A saude dos frangos tem de ser cuidada no campo , na genetica , no manejo , na alimentaçao e nao dentro da fabrica .. ,no abatedouro que e um processo de preparo e apresentaçao da carne a ser consumida .
Devemos cuidar dos pontos criticos no abate com todo os cuidados de regulagem das maquinas principalmente na evisceraçao onde se ocasiona o maior ponto de condenaçao .
Responder
30 de Setembro de 2019
CONCORDO COM O SEU COMENTÁRIO É ASSIM MESMO TEM QUE TER QUALIDADE.
Responder
14 de Outubro de 2019
Caros colegas, vou dar um exemplo prático do que estamos falando a respeito de condenas excessivas sem base em critérios científicos. Uma aluna minha, Fernando do Prado, acabou de defender seu mestrado na UFRGS com um trabalho que mostra que Miopatia Dorsal Cranial (MDC) , além de não apresentar nenhum agente microbiano na lesão (como as demais , inclusive), é REVERTIDA VISUALMENTE após o processamento industrial (congelamento e descongelamento), mesmo no grau mais elevado. Este fenômeno num frango griller que ao ser condenado, é perdido completamente, pode ter um significado econômico de muita amplitude.
Responder
Fabio G. Nunes Fabio G. Nunes
Administrador Web
14 de Outubro de 2019
Prezada Andrea, sua preocupação é a mesma de todos os que trabalham nesta industria. Usa-se o melhor do conhecimento profissional aliado às melhores materias-primas, praticas de manejo, sanidade e ambiencia para produzir o frango mais competitivo do mundo. Porém, ao chegar ao abatedouro, esta ave, prestes a ser convertida em alimento para o mundo, é condenada sem que se usem critérios técnico-cientificos para tal, um fato corriqueiro nesta atividade, e um verdadeiro "Calcanhar de Aquiles" da pujante avicultura brasileira. Pena não conseguir postar aqui uma foto da linha do DIF em um abatedouro do Brasil, tirada em junto de 2019, mostrando o descalabro destas condenações por miopatia peitoral.
Responder
Deseja opinar nesta discussão sobre: Everton Krabbe: Processamento de frango de corte?
Engormix se reserva o direito de apagar e/ou modificar os comentários. Veja mais detalhes
Comentar
 
   | 
Copyright © 1999-2019 Engormix - All Rights Reserved