O que todo pecuarista deve saber

Publicado: 30/10/2013
Autor/s. : Sergio Raposo de Medeiros, Engenheiro Agrônomo, pesquisador da Embrapa Gado de Corte.

Poucos assuntos irritam tanto o pecuarista como o envolvimento do boi no aquecimento global. Seu maior desejo seria alguém confirmar que o aquecimento global (AG) é a balela científica do século ou que o boi não tem nada a ver com isso. Iniciaremos este texto colocando esses assuntos em perspectiva. O AG tem sido intensamente estudado no mundo inteiro há ...

remove_red_eye 336 forum 3 bar_chart Estatísticas share print
Compartilhar :
close
30 de Outubro de 2013
Matéria de suma importância para o futuro da alimentação humana. A criação de incentivos fiscais para aumentar o confinamento e um modelo para o aproveitamento dos dejetos desse confinamento seria de muita valia pata um modelo sustentável.
Responder
Ivan Ledic Ivan Ledic
Doutor em Produção e Melhoramento Genético Animal
30 de Outubro de 2013
Gostaria de deixar uma contribuição, inclusive sobre as dúvidas se está realemnte ocorrendo aquecimento global .
GASES DE EFEITO ESTUFA E MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Em época na qual só se fala sobre aquecimento global, são raras as pessoas que não escutam todos os dias sobre o aumento da temperatura, efeito estufa, os desastres naturais e o parecer do Painel Intergovernamental de Mudança Climática (IPCC). O painel afirma que o aumento dos Gases de Efeito Estufa (GEE) está esquentando o planeta e muitas vezes a agricultura é apontada como a principal vilã quando o assunto diz respeito à emissão desses gases.
Várias teorias contrárias, entretanto, vêm surgindo desde a época de 1970, quando houve um suposto consenso científico sobre o resfriamento global. Estas se contrapõem ao que diz o IPCC. As diversas teorias falam de um novo período glacial que está por vir, provocado porque a mudança climática é cíclica e não impulsionada pelos GEE.

O recente aquecimento, segundo diversos cientistas, é causado parte pelo aumento do calor emitido pelo Sol (nossa maior fonte de energia e tem ciclos de 90 anos, tendo atingido o máximo no final da década de 60) e pelos oceanos (71% da superfície da terra) que são reservatórios de CO2 e de calor, sendo o regulador da temperatura terrestre (e as mensurações mostram que os mares estão perdendo calor nos últimos 70 anos).
Parte também deste propalado aumento da temperatura vem do fato de que muito desses termômetros que são usados para medir as temperaturas estão hoje em grandes cidades (ilhas de calor). Na década de 60 havia 14 mil estações medindo temperatura na terra. Hoje tem menos de 2 mil estações. E essas reduções foram feitas em locais de difícil acesso. Por exemplo, a Rússia fechou muitas estações na Sibéria, que tem zonas frias. E muitas estações foram fechadas nas zonas rurais, devido a dificuldades de mantê-las, sendo que nessas zonas registram temperaturas de 2 a 5 graus C mais baixas do que as temperaturas urbanas.
Quanto ao dióxido de carbono (CO2), seu fluxo natural (oceanos, vegetação e solo) é de 200 bilhões de toneladas e o homem responsável por apenas ínfimos 6 bilhões de toneladas. Assim o ser humano é muito pequenininho em comparação com as forças naturais. Basta dizer que 71% da superfície terrestre é coberta por oceanos e 29% são continentes. Dos 29% de continentes, 15% são terras geladas, outras de areia e desertos. Resta então ao homem apenas 14% para ele manipular. Desses 14%, metade é coberto por florestas naturais. O homem só opera, então, em 7% da superfície terrestre. Não é possível que nesses 7% ele vá mudar o globo todo.
Há 580 milhões de anos, o dióxido de carbono era de 120 mil partes por milhão devido às explosões vulcânicas, 350 vezes superiores ao nível atual, e, há cerca, de 438 milhões de anos era 16 vezes maior do que agora!
A concentração de CO2 na atmosfera começou a aumentar no final do século XVIII, quando ocorreu a revolução industrial, a qual demandou a utilização de grandes quantidades de carvão mineral e petróleo como fontes de energia. Desde então, a concentração de CO2 passou de 280 ppm (partes por milhão) no ano de 1750, para os 393 ppm atuais, representando um incremento de aproximadamente 30%. Este acréscimo na concentração de CO2 implica no aumento da capacidade da atmosfera em reter calor, mas não consequentemente da temperatura do planeta, pois houve decréscimos de temperatura também neste período. As emissões de CO2 continuam a crescer e, provavelmente, a concentração deste gás poder alcançar 550 ppm por volta do ano 2100.
Cabe salientar para não se confundir conservação ambiental com mudança climática. A conservação é uma necessidade da espécie humana. E o CO2 não tem nada a ver com mudança climática. Não confundir CO2 com poluição. Quanto mais CO2 na atmosfera, mais as plantas produzem por ser um composto essencial para realização da fotossíntese, mas a queima de combustíveis fósseis e carvão liberam monóxido de carbono (CO) e dióxido de enxofre (SO2) que causam problemas ambientais de poluição e chuva ácida.
O IPCC, não faz previsões. Ele faz projeções de cenários, afirmando que o aquecimento está causando degelo nos pólos, o que causaria uma elevação do nível do mar e com isso a inundação de grandes áreas costeiras. O aumento no nível dos mares é um mero exercício acadêmico, mas existem muitas outras causas geológicas, como o movimento de placas tectônicas, do que certamente as causadas pelo ser humano. O que está ocorrendo é interseção Lunar, que está em sua precessão máxima e a força gravitacional eleva o nível de água na latitude 40 graus N e 40 graus S. Isso causa o desnível entre os oceanos tropical e polar e ocorre aceleração das correntes marinhas do atlântico ao Ártico, com águas quentes penetrando abaixo das camadas de gelo que estão derretendo. Se considerarmos que 90% dos icebergs estão abaixo da água, esse degelo não aumentaria o volume dos oceanos e o que vemos são somente geleiras caindo.
No início deste ano, especialistas em clima do Instituto de Estudos Espaciais Goddard da Nasa revelaram que 2008 foi o ano mais frio do século no planeta, atingindo a temperatura média global de 14,3 graus C de acordo com a Organização Meteorológica Mundial (WMO). A pesquisa indica que o efeito de resfriamento associado com mudanças na refletividade e na evapotranspiração sobrepõe-se ao efeito de aquecimento causado pelo ciclo de carbono e pelo desmatamento.
O mais grave na nossa época é a deturpação dos dados da ciência com finalidades ideológicas, visando impor a nível planetário um sistema universalmente fracassado dominado pelo capitalismo para impedir o desenvolvimento dos países do terceiro mundo.
Na realidade, o resfriamento é pior que o aquecimento, porque quando a atmosfera fica fria ela tem menor capacidade de reter umidade e aí chove menos. Durante o período quente, os totais pluviométricos foram maiores, enquanto de 1946 a 1976 a chuva no Brasil como um todo ficou reduzida. Em nível mundial, principalmente acima do Equador, o resfriamento seria ainda mais drástico do que já é, porque a produção agrícola seria totalmente impraticável.
O aquecimento interessa aos nórdicos, porque assim suas terras seriam mais agricultáveis e nos trópicos haveria desertificação e aumento da pobreza. Na última reunião de 192 nações em Copenhague, na Dinamarca, os países nórdicos não apoiaram contribuir com a redução de emissão de GEE e penalizaram os países em desenvolvimento como sendo aqueles que estão aumentando esses gases, numa tentativa de frear o desenvolvimento dos países emergentes.
No neocolonialismo a dominação é pela tecnologia, pela economia e, agora, por um terrorismo climático, como estão fazendo com esse alarde sobre o aquecimento global. A população dos países pobres, à medida que crescesse, iria querer um nível de desenvolvimento humano mais adequado e iria concorrer pelos recursos naturais existentes, os quais os ‘gringos’ já não têm mais e querem que nós sejamos os responsáveis por tudo que eles não souberam manter.
Responder
Ivan Ledic Ivan Ledic
Doutor em Produção e Melhoramento Genético Animal
30 de Outubro de 2013
Agora, quanto à pecuária tenho um trabalho intitulado:Pecuária Acuada?

Apesar das controvérsias quanto ao aquecimento ou resfriamento global devemos ter sempre o cuidado de preservar a natureza e seus recursos naturais, e reduzir ao máximo os focos poluentes, principalmente nos grandes centros urbanos e industriais.
Assim, a pecuária tem pela frente um desafio tão grande quanto a própria necessidade de mitigação de carbono para conter os impactos do provável aquecimento global: fazer com que a ciência supere as suposições em relação à quantidade e ao impacto de suas emissões.
No mundo, se fala que as emissões de gás metano (CH4) pela fermentação entérica de ruminantes contribuem com 22% (70 a 100 milhões de toneladas/ano) de todo o gás produzido pela humanidade. Por sua vez, 46%, ou 0,218 milhões de toneladas, do óxido nitroso (N2O) são emitidos pelas fezes e urina do gado bovino como também pelos fertilizantes nitrogenados, resultando ainda que 9% das emissões (172 milhões de toneladas/ano) de gás carbônico equivalente (CO2) ocorre devido à aração e gradagem das pastagens.
Particularmente acredito que essas informações são um exagero, porque essas pressuposições são baseadas em estudos e análises obtidos em ambientes fechados. Assim, com base nisso se extrapola essas informações para todos os bovinos, como se na natureza isso não fosse alterado por ações e reações com o meio ambiente. Talvez seja mais uma forma dos nórdicos tentarem imputar culpa aos países do terceiro mundo (que possui maior volume de bovino que eles) pela emissão de GEE na atmosfera. Na realidade, nossos animais vivem na natureza, enquanto os acima do equador têm de ficar confinados em ambientes fechados por longo período do inverno rigoroso – aí sim, os gases ficam acumulados nesses locais e não são dispersos imediatamente no meio ambiente, podendo ter ação direta na atmosfera.

Demorou, porém, estudos atuais demonstram que a pecuária nos trópicos poderá dar ao setor o papel de herói – e não de vilão – no combate à emissão de GEE.
Os países da faixa tropical dispõem de uma grande vantagem comparativa sobre nações agrícolas temperadas: sem inverno rigoroso, a pastagem faz fotossíntese o ano todo, retirando gás carbônico da atmosfera e acumulando matéria orgânica no solo. A agropecuária bem praticada tem potencial significativo de redução de emissões de GEE.

A captação de carbono pelos solos agrícolas é uma forma de mitigação para diminuição das emissões do setor. Este tema tem se tornado um assunto bastante sensível na medida em que os países adotam metas de redução de emissões, e o mercado começa a demandar produtos com baixas emissões de GEE nos seus ciclos de produção.
Dessa forma, as ações em áreas agrícolas que colaborem para evitar emissões ou que captem GEE poderiam gerar créditos de carbono, ajudando a financiar tais ações. Pelas atuais regras vigentes no Protocolo de Kyoto, apenas reflorestamentos são contemplados como práticas passíveis de receberem tais créditos na temática de uso e mudança do solo. Mas vale destacar que o mercado voluntário de créditos de carbono, além de ser mais importante para reflorestamento, já começa a contemplar créditos advindos de práticas agrícolas.
Para reduzir os impactos ambientais da pecuária se sugere ações de melhoramento genético, como o desenvolvimento de raças com melhor conversão alimentar, pois quanto mais peso o animal ganha e quanto mais produz leite com menor ingestão de alimento, mais eficiente é a produção e menor a emissão de GEE. Mas, os melhores avanços na redução do impacto ambiental virão da melhoria da alimentação e da eficiência do manejo do rebanho em pastagens e no sistema silvopastoril.
Só com a recuperação de pastagens degradadas projeta-se uma economia anual de 104,5 milhões de toneladas de CO2-eq, que deixariam de contribuir para agravar o efeito estufa. Ao recuperar um pasto degradado pelo uso contínuo, pelas intempéries e pelo pisoteio do gado, o pecuarista aumenta a quantidade de matéria orgânica no solo e assim obtém um saldo positivo de carbono fixado na forma de biomassa.
Cálculos realizados a partir de dados estimados para um sistema agrossilvipastoril, com 250 árvores/ha, mostram que seriam necessárias 13 árvores no segundo ano de crescimento para mitigar o equivalente de carbono emitido por um boi em crescimento. Se as árvores estivessem no terceiro ou quarto ano de crescimento, seriam necessárias, respectivamente, 6 ou 4 árvores para zerar o impacto da criação de um boi sobre o ambiente.
Com 8 anos de crescimento, apenas 2 árvores seriam suficientes para fazer o mesmo papel. Dessa forma, se um produtor decidisse plantar 250 árvores por hectare, estas poderiam neutralizar a emissão de equivalente de carbono de no mínimo 2 bois quando estas árvores estivessem com apenas 1 ano de crescimento, ou até 153 bois quando elas estivessem com mais de 10 anos de idade.

Outros dados sugerem que, quando bem manejadas, as pastagens podem sequestrar e fixar 66% do carbono produzido pela pecuária, com menor emissão de N2O.
A tendência de mercados para produtos ambientalmente adequados abre uma oportunidade para produção intensiva de leite a pasto com sistema de arborização, como estratégia capaz de contribuir para redução dos GEE, fator que pode compor elementos de marketing ambiental e atender o Protocolo de Kyoto no conceito de mecanismo de desenvolvimento limpo na busca de alternativas para redução dos problemas referentes às mudanças climáticas e desenvolvimento sustentável.
Sistemas de produção sustentados em animais mestiços ou zebu, mais simples e adequados à realidade vigente, têm condições de produzir resultados economicamente mais competitivos. Iniciativas de grande escala, de sistemas de produção a pasto com vacas mestiças e Zebu, já mostraram que a intensificação da produção pode ser atingida, no entanto em sistemas modulares de pastoreio circunscritos à sala de ordenha.
Evidentemente que outras questões, como, em particular, a alimentação dos animais - o maior item do custo de produção do leite - são relevantes no processo produtivo e precisam de atendimento e ajustes no sentido de aumentar a produção por área.
Todavia se realmente estiver ocorrendo aumento da temperatura terrestre, nós também teremos a solução para atender aos países do Hemisfério Norte com animais adaptados. Dessa forma passaremos de importadores para exportadores de material genético e abastecer o mundo com vacas produtivas e adequadas a sistemas mais rústicos.
Responder
1
print
(336)
(3)
Engormix se reserva o direito de apagar e/ou modificar os comentários. Veja mais detalhes
Comentar
Criar nova discussão :
Se essa discussão não abrange temas de interesse ou levanta novas questões, você pode criar uma outra discussão.
Consultar um profissional em particular:
Se você tem um problema específico, você pode executar uma consulta em particular a um profissional em nossa comunidade.
 
Copyright © 1999-2021 Engormix - All Rights Reserved