Produção de forragem e valor nutricional de Hemarthria altissima cv. Flórida sobressemeada com ervilhaca e adubada com cama de aviário

Publicado o:
Autor/s. :
1943 0 Estatísticas print
Compartilhar :
Sumário

Este trabalho teve por objetivo avaliar a produção de forragem e o valor nutricional de Hemarthria altissima cv. Flórida, sobressemeada com ervilhaca (Vicia sativa sp.) e fertilizada com cinco doses (0; 2; 4; 8 e 12 t/ha) de cama de aviário, sob cortes. O experimento foi realizado em blocos casualizados com quatro repetições. Foram realizados quatro cortes de avaliação: dois durante o crescimento de verão e dois durante o crescimento do inverno. Foi determinada a produção de massa seca (MS), a proteína bruta (PB), a digestiblidade in vitro da matéria orgânica (DIVMO) e a fibra detergente neutro (FDN) nas lâminas foliares, bainhas+colmos e na planta inteira de H. altíssima e a produção de MS da ervilhaca. Houve efeito linear na produção total com aplicação das doses de cama de aviário, com valores de 8.139 kg/ha (testemunha), 8.887 kg/ha (2 t/ha), 8.927 kg/ha (4 t/ha), 10.520 kg/ha (8 t/ha) e 12.352 kg/ha (12 t/ha). Com o aumento das doses houve efeito positivo sobre o teor de proteína bruta da forragem e não foram observados efeitos sobre os teores de FDN e DIVMO. A massa seca de ervilhaca apresentou resultado inversamente proporcional ao aumento das doses de cama de aviário.

Palavras-chave: adubação orgânica, qualidade, pastagem perene

 

Introdução

Entre as opções de forrageiras perenes de verão para o Sul do Brasil, a espécie Hemarthria altissima cv. Flórida tem sido utilizada como uma importante alternativa de forragem para a alimentação animal, caracterizando-se pelo rápido estabelecimento e alto potencial forrageiro, com ênfase no período de primavera-verão (Flaresso et al., 2001, Hanisch & Meister, 2009). Sua manutenção, no entanto, depende da reposição de nutrientes, sem os quais não apresenta altos níveis de produtividade em matéria seca e reduz o período de produção (Fontanelli et al., 2009).

A aplicação de nutrientes ao solo está no centro da discussão sobre a manutenção das pastagens perenes de verão e envolve diferentes filosofias de uso e manejo do solo. Uma questão refere-se as quais as fontes de nutrientes que são mais adequadas para gerar a possibilidade do solo produzir maior mobilização de substâncias e energia e, dessa forma, sustentar produções mais adequadas. A diversidade de insumos atualmente disponíveis é um elemento facilitador. É provável que algumas fontes contenham um maior número de nutrientes, tenham uma capacidade de interagir mais harmonicamente no solo e por isso sejam mais adequadas. Assim, tem sido reforçado os papéis de fontes orgânicas, pós de rochas, calcários e fosfatos naturais, dentre os insumos disponíveis.

Segundo Vezzani & Mielniczuk (2009) os compostos orgânicos que entram no sistema interagem com os demais componentes e promovem a formação de estruturas numa hierarquia de tamanho e complexidades variáveis, contribuindo para a melhoria da qualidade do solo. Dos dejetos animais disponíveis para uso na agropecuária, a cama de aviário é um dos que concentram nutrientes em maior quantidade (Kiehl, 1985), sendo que sua apresentação, na forma sólida, facilmente aplicável na agropecuária o torna um dos insumos orgânicos de maior receptividade pelos agricultores. Seu uso na adubação de pastagens tem apresentado efeitos promissores em substituição e/ou complementação à adubação mineral (Lana et al., 2010). O efeito direto da adubação orgânica se deve à presença de todos os nutrientes essenciais ao desenvolvimento vegetal, normalmente em teores bem menores em relação aos fertilizantes minerais, mas que podem ser compensados pela utilização de maiores doses.

Associado à adubação das pastagens, uma estratégia para aumentar os índices de produtividade animal em sistemas baseados em pastagens cultivadas é o uso de consorciações, especialmente com a inclusão de leguminosas nos sistemas de criação. Vários trabalhos tem sido desenvolvidos no sentido de utilizar leguminosas anuais sobressemeadas em pastagens perenes, sendo que a ervilhaca (Vicia sativa sp.) tem se apresentado como uma espécie bem adaptada à essa estratégia (Ido et al., 2005; Crispim & Hanisch, 2009).

O presente estudo teve o objetivo de determinar a produção de forragem e o valor nutritivo de uma pastagem de Hemarthria altissima cv. Flórida, sobressemeada com ervilhaca (Vicia sativa sp.) em função da fertilização com cama de aviário.

 

Material e Métodos

O experimento foi conduzido em uma área já estabelecida com Hemarthria altissima cv. Flórida, desde 2008, localizada no município de Papanduva, SC (26º22’S e 50o16’W, altitude de 800 m e clima Cfb). Os dados de precipitação e temperaturas médias do período estão apresentados na Figura 1. O solo da área experimental foi classificado como um Latossolo Vermelho Distrófico típico, que apresentava na ocasião da implantação do experimento, na camada de 0-20 cm, as seguintes características: 560 g/kg de argila; pHágua= 5,1; P (Melich) = 11,4 mg/dm3; K= 252 mg/ dm3; M.O.= 4,7 dag/kg; Al= 1,1 cmolc/ dm3; Ca= 6,3 cmolc/ dm3; Mg= 3,4 cmolc/ dm3 e saturação de bases = 51,5%.

 

Figura 1 - Precipitação mensal e média das temperaturas mínimas e máximas de fevereiro a outubro de 2010, em Major Vieira, SC. Fonte: EPAGRI/CIRAM.

 

O delineamento experimental utilizado foi o de blocos ao acaso com cinco tratamentos e quatro repetições, em parcelas de 10 m2. Os cinco tratamentos foram compostos por doses de cama de aviário: 0; 2; 4; 8 e 12 t/ha, com a seguinte composição: M.S.= 85,5%; pH = 8,3; N= 30,4 g/kg; P= 14,8 g/kg; K= 23,1 g/kg; Ca= 39,5 g/kg. A cama de aviário foi aplicada em cobertura, em dezembro de 2009, após o pasto ter sido roçado a 10 cm de altura do solo e o material cortado ter sido removido das parcelas. A ervilhaca foi sobressemeada (30kg/ha) em 13/04/2010, após o rebaixamento da pastagem de hemarthria e permaneceu em crescimento por 90 dias. Foram realizados quatro cortes para avaliação em 10/02 e 29/03 (crescimento de verão) e em 13/07 e 06/10 (crescimento de inverno). A altura média da pastagem foi de 50cm nos cortes de verão e 30 cm no corte de outono/inverno, uma vez que o crescimento das forrageiras de verão é reduzido neste período. Para estimar a altura do pasto foi utilizada régua graduada em 10 pontos representativos de cada parcela.

A produção de massa seca do pasto em cada corte foi estimada por meio de coleta da forragem presente em 1m2 por parcela, coletado em posições aleatórias. Após cada corte, as plantas presentes no restante das parcelas também foram cortadas a 10 cm de altura, sendo o material retirado do experimento. O material amostrado foi dividido em duas sub-amostras, sendo uma com plantas inteiras de H. altissima e na outra sub-amostra foi realizada separação nos componentes: lâmina foliar (LF) e bainha + colmo (BC) de H. altissima cv. Flórida e planta inteira de ervilhaca. O material amostrado foi levado para secar em estufa a 60°C com circulação forçada de ar, até atingir massa constante, quando foram pesadas.

As sub-amostras secas foram homogeneizadas e formaram amostras compostas dos quatro cortes, para cada tratamento, as quais foram moídas e encaminhadas para análise dos teores de MS, proteína bruta (PB) e fibra em detergente neutro (FDN) realizadas segundo metodologia descrita por Silva & Queiroz (2002). A análise da digestibilidade in vitro da matéria orgânica (DIVMO) foi executada segundo Tilley & Terry (1963).

Os dados coletados foram submetidos à análise de variância e teste F com o auxílio do programa estatístico Sisvar. Quando constatados efeitos significativos dos tratamentos, foi realizada análise de regressão polinomial, sendo escolhidos os modelos que melhor se ajustaram ao fenômeno investigado. Utilizou-se o nível de 5% de probabilidade de erro.

 

Resultados e Discussão

Houve efeito linear do uso de cama de aviário sobre a produção de fitomassa total, de lâminas foliares e de colmos (Figura 2).

 

Figura 2 – Fitomassa seca (kg/ha) de planta inteira (¦), lâminas foliares (?) e colmos (?) de uma pastagem de Hemarthria altissima cv. Flórida, adubada com cama de aviário (somatória de quatro cortes)

 

A análise de variâncias detectou diferenças significativas para doses, datas de corte e para a interação entre doses e data de corte para produção de massa seca (Tabela 1). As maiores produções de H. altissima cv. Flórida foram observadas nos dois primeiros cortes, o que está de acordo com seu comportamento de gramínea perene de verão. Nesses dois cortes houve efeito positivo da adubação com cama de aviário sobre o pasto, nas duas maiores doses, que na média dos dois cortes promoveram um incremento na produção de MS total de 36% e 77%, respectivamente para a dose de 8 e 12t/ha, em relação à testemunha. Nos demais cortes não foram observadas diferenças significativas entre os tratamentos.

 

Tabela 1 – Produção de massa seca (kg/ha), em quatro datas de cortes, de uma pastagem de Hemarthria altissima cv. Flórida, adubada com cama de aviário e de uma pastagem de ervilhaca em 06 de outubro de 2010.

 

Uma das características importantes da espécie H. altissima é sua produção no período de outono, sendo que na região do Planalto Norte Catarinense seu crescimento cessa somente no período de baixas temperaturas do inverno, normalmente a partir de maio, permitindo dessa forma, que o período conhecido como “vazio forrageiro de outono” se atenue consideravelmente para a produção animal neste período. Com a sobressemeadura da ervilhaca esse resultado torna-se ainda mais importante, porque a leguminosa contribuiu para manter a qualidade da pastagem, uma vez que a gramínea tende a reduzir seu crescimento e aumentar os teores de fibra. Os resultados obtidos neste trabalho confirmam essa característica, uma vez que no corte do mês de julho ainda foi possível obter produção média de 1480 kg de MS/ha, sendo que a ervilhaca já se mostrava presente na área (Figura 3).

 

Figura 3. Composição da pastagem na área experimental no mês de julho com a presença da ervilhaca.

 

O efeito da aplicação de cama de aviário sobre a produção de MS de pastagens perenes de verão tem sido variável na literatura. Hanisch & Fonseca (2011) comparando o desempenho de sete forrageiras perenes de verão com duas fontes de adubação obtiveram produção de MS de 11.000 e 8.700kg/ha para H. altissima cv. Flórida, respectivamente com adubação mineral e cama de aviário, indicando menor resposta dessa gramínea à adubação orgânica. Lana et al (2010), por outro lado, avaliando efeito de doses de cama de aviário (3, 6 9 e 12t/ha) verificaram que para a espécie Brachiaria decumbens os efeitos da com aplicação de cama de frango foi similar à adubação mineral no período das águas.

Neste trabalho, só foi observado efeito da cama de aviário na produção de massa seca do pasto, nas doses acima de 4t/ha. Esse resultado pode estar relacionado, em parte, ao alto teor de matéria orgânica do solo (4,7%), que deve ter contribuído para o crescimento adequado do pasto, inclusive no tratamento testemunha, que em 235 dias de avaliação alcançou produção de MS total 8.139kg/ha, valor próximo ao obtido por Postiglione (2000) utilizando 300 kg/ha da fórmula 10-20-10 em solo com 2,3% de matéria orgânica.

O aumento da produção total com o aumento das doses de cama de aviário ocorreu de forma proporcional entre lâminas foliares (LF) e bainhas+colmos (BC) (Figura 1). A relação LF:BC não diferiu entre os tratamentos, permanecendo próxima a 1 para todos as doses. Esse resultado ressalta a característica fisiológica da H. altissima cv. Flórida de possuir colmos+bainhas relativamente espessos, embora sejam palatáveis e bastante consumidos pelos animais.

A produção de massa seca da ervilhaca foi afetada pelos tratamentos (P>0,012), sendo que a aplicação de 2 t/ha de cama de aviário resultou em maior produção de MS (1.350 kg/ha). O efeito da cama de aviário sobre a ervilhaca foi uma função quadrática negativa (Tabela 1), sendo que a maior dose prejudicou o desenvolvimento da ervilhaca, provavelmente em função do aumento do vigor da gramínea que competiu com a leguminosa.

O valor nutricional de H. altissima cv. Flórida foi afetado pelos tratamentos, ocorrendo variação nos teores de PB, com efeito quadrático sobre as lâminas foliares e linear na planta inteira (Tabela 2).

 

Tabela 2 – Teores de proteína bruta, FDN e digestibilidade de Hemarthria altissima cv. Flórida, adubada com cama de aviário (Média de 4 cortes).

 

O efeito observado nas folhas ocorreu nas doses mais altas e pode estar relacionado a um “consumo de luxo”, uma vez que acima de 8t/ha foram aplicados ao solo mais de 240kg de N/ha e os cortes para avaliação ocorreram em curto espaço de tempo. Esse aumento no teor de PB nas folhas pode estar relacionado à disponibilidade imediata de N, uma vez que com suprimentos elevados a proporção de N-solúvel eleva-se principalmente nas folhas, não significando necessariamente aumento no teor de proteínas, mas aumento no teor de N total (Lupinacci, 2003).

Os valores de PB para planta inteira variaram de 67 a 78g/kg, que podem ser considerados baixos, uma vez que valores abaixo de 70g/kg de PB, representam valores limitantes ao consumo animal. Postiglione (2000) também observou valores abaixo de 70g/kg para essa espécie e atribui esse resultado à característica fisiológica da espécie, com proporção relativamente alta de colmos. Nas lâminas foliares os teores de PB variaram de 102 a 124g/kg, respectivamente, para os tratamentos 4 e 8t/ha de cama de aviário e foram menores que os observado por Soares et al. (2009) que obtiveram valor médio de 160 g/kg de PB, em cinco cortes no período de setembro a abril. Não foram observados efeitos significativos dos tratamentos sobre os teores de DIVMO e FDN. Os valores de FDN observados nas lâminas foliares aproximam-se dos observados por Soares et al. (2009).

 

Conclusões

O uso de cama de aviário em H. altíssima cv. Flórida demonstrou ser uma estratégia eficiente de adubação no aumento da produção de forragem, sendo que em um solo de adequada fertilidade, o efeito foi observado com doses acima de 4 t/ha.

 

Literatura citada

1. CRISPIM, S. M. A., HANISCH, A. L. Efeito do uso de cinza de biomassa como fertilizante na produção e composição botânica de uma pastagem perene de Hemarthria altissima cv. Flórida sobressemeada com Vicia sativa sp. In: 46ª Reunião da Sociedade Brasileira de Zootecnia, 2009, Maringá. Anais...., 2009.

2. FLARESSO, J. A.; ALMEIDA, E. X. ; GROSS, C. D. Introdução e avaliação de gramíneas perenes de verão no Alto Vale do Itajaí, Santa Catarina. Pesquisa Agropecuária Gaúcha, v. 7, n. 1, p. 77-86, 2001.

3. FONTANELI, R.S.; FONTANELI, R.S.; MARIANI, F. et al. Gramíneas perenes de verão. In: FONTANELI, R.S. (Ed.) Forrageiras para Integração Lavoura-Pecuária-Floresta na região Sul-Brasileira. 1.ed. Passo Fundo, 2009. p. 199-238.

4. HANISCH, A. L.; MEISTER, L. A. Produção e qualidade da pastagem de Hemarthia altissima cv. Flórida em sistemas de produção de leite manejada com princípios agroecológicos. Revista Brasileira de Agroecologia, v.4, n.2, p.777-781, 2009.

5. HANISCH, A. L.; FONSECA, J. A. Características produtivas e qualitativas de sete forrageiras perenes de verão sob adubação orgânica e mineral. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento, v. 6, n. 4, p. 1-6, 2011.

6. IDO, O.T.; MORAES, A.; PISSAIA, A. et al. Composição botânica e qualidade de pastagem de azevém associada com Fabáceas de inverno sob pastejo contínuo, na região Sul do Paraná. Scientia Agraria, v.6, n.1-2, p.23-33, 2005.

7. KIEHL, E. J. Fertilizantes orgânicos. Piracicaba: Agronômica Ceres, 1985. 482p.

8. LANA, R.M.Q; ASSIS, D. F.; SILVA, A.A. et al. Alterações na produtividade e composição nutricional de uma pastagem após segundo ano de aplicação de diferentes doses de cama de frango. Bioscience Journal, v. 26, p. 249-256, 2010.

9. LUPINACCI, A.V. Lançamento de cultivares de plantas forrageiras uma visão crítica. In: SIMPÓSIO SOBRE MANEJO DA PASTAGEM, 20., 2003, Piracicaba. Anais. Piracicaba: Fealq, 2003, p.83-104.

10. POSTIGLIONI, S.R. Avaliação de sete gramíneas de estação quente para produção de carne nos Campos Gerais do Paraná. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 35, n. 3, p. 631-637, 2000.

11. SILVA. D.J., QUEIROZ, A.C. Análise de alimentos (Métodos químicos e biológicos). 3ª ed. Imprensa Universitária. Viçosa-MG. 2002. 235 p.

12. SOARES, A. B.; SARTOR, L. R.; ADAMI, P. F. et al. Influência da luminosidade no comportamento de onze espécies forrageiras perenes de verão. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 38, n. 3 p. 443-451, 2009.

13. TILLEY, J.M.A.; TERRY, R.A. A two stage technique for the “in vitro” digestion of forage crop. Journal of Britain Grassland Society, v.18, p.104-111, 1963.

14. VEZZANI, F. M.; MIELNICZUK, J. Uma visão sobre qualidade do solo. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v.33, n.4, p.743-755, 2009

 
Autor/s.
Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR, 1994) e mestrado em Zootecnia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS, 2002). Atualmente é pesquisadora da EPAGRI - Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina. Atua nas áreas de Zootecnia e Fitotecnia com ênfase em manejo de pastagens, sistemas silvipastoris, sistemas de produção agroecológicos e com pesquisa no uso de produtos alternativos para fertilização e correção de solos.
Deseja opinar nesta discussão sobre: Produção de forragem e valor nutricional de Hemarthria altissima cv. Flórida sobressemeada com ervilhaca e adubada com cama de aviário?
Engormix se reserva o direito de apagar e/ou modificar os comentários. Veja mais detalhes

Não serão publicados os comentários:

  • Com repetidos erros de ortografia.
  • Anúncios, Web sites ou endereços de e-mail.
  • Perguntas ou respostas irrelavantes para a discussão.
Dizer neste debate, temos de ser parte da Comunidade do Engormix
Comentar
 
   | 
Copyright © 1999-2017 Engormix - All Rights Reserved