Hemograma Suínos Leucócitos

Uso do hemograma em suínos

Publicado: 27/06/2012
Autor/s. : Luiz Eduardo Ristow.

INTRODUÇÃO

O hemograma é o exame de sangue mais importante devido à sua praticidade, economia e utilidade. Sendo o sangue responsável pela homeostasia do organismo e o hemograma um exame geral do animal, o hemograma oferece informações que podem ser utilizadas como ferramenta pelo veterinário para, em associação a outros sinais e exames, realizar a busca diagnóstica.

Assim sendo, o hemograma deve ser solicitado por várias razões, entre elas em um procedimento de triagem para avaliar a saúde dos animais e do rebanho, na busca do diagnóstico ou prognóstico, e ainda para verificar a habilidade corporal às infecções e para monitoramento do progresso de certas doenças. O histórico, o exame de rebanho e outros testes laboratoriais são essenciais para a interpretação dos dados hematológicos que serão objetos de investigação.


COMO COLETAR

1- Veia Cava Anterior: deve ser feita do lado direito do animal devido a menor inervação do nervo vago inserindo a agulha no final do leito jugular;

2- Veia jugular: a agulha é inserida na veia jugular do lado direito;

Figura 1 – Médoto de contenção.

 

CUIDADOS COM O MATERIAL

Uma colheita e acondicionamento adequados devem seguir rigidamente os métodos preconizados pela técnica, bem como estarem condizentes com o procedimento do laboratório que irá processar o material. Mesmo com a diversidade de amostras a serem colhidas, algumas regras básicas são comuns a todas. A mais importante delas talvez seja aadequada identificação da amostra, tanto junto ao frasco ou embalagem do material, como na ficha de solicitação do exame (enviada juntamente com o material). O material deve ser remetido sob refrigeração e o mais rápido possível.

A identificação da amostra deve ser feita de modo a não se destacar ou sair durante o acondicionamento, principalmente quando a amostra estiver sob refrigeração ou com cubos de gelo em caixa de isopor. O número do animal deve ser claro, escrito em letras nítidas, se possível com a data de colheita.


SÉRIE VERMELHA

O hemograma completo inclui todos os testes laboratoriais utilizados para examinar as células contidas no sangue periférico.

As células são classificadas como eritrócitos (células vermelhas - RBC), leucócitos (células brancas - WBC) e plaquetas. Sua contagem é realizada pelo método automatizado, sendo a contagem diferencial de leucócitos e a descrição morfológica feitos mediante exame microscópico do esfregaço sanguíneo por profissionais capacitados em análises clínicas veterinárias.

hematócrito (HT ou HTC) refere-se à percentagem ocupada pelos glóbulos vermelhos ou hemácias no volume total de sangue. Caso o valor seja inferior à média, significa que existe pouca quantidade de glóbulos vermelhos circulantes. Podem ser obtidas alterações falsas como a diminuição do HTC devido a excesso de EDTA, amostras velhas sem refrigeração ou refrigeradas por longos períodos. Caso o HTC apresente valor superior à média, significa que existe uma quantidade maior de glóbulos vermelhos para o volume de sangue, podendo ser falsamente aumentado quando o animal se encontra desidratado ou a colheita do sangue tiver sido realizada sob situação de excitação ou stress.

Os eritrócitos ou hemácias servem como veículos de transporte mediante a aquisição de oxigênio no pulmão, carreando o O2 para as células desprovidas de oxigênio, trocando e carreando o dióxido de carbono de volta aos pulmões para liberação via expiração. Ahemoglobina é o principal componente dos eritrócitos e é responsável pelo transporte de oxigênio e dióxido de carbono. Esse ciclo é continuo e repetido por toda a vida do eritrócito. Os eritrócitos são descritos pelo seu tamanho, formato e grau de palidez central.

Figura 2: Hemácia, um trombócito e um leucócito. Fonte: Wikipedia.



SÉRIE BRANCA

As células brancas são menos numerosas que os eritrócitos e realizam suas funções predominantemente nos tecidos. O número total circulante reflete o equilíbrio entre o fornecimento e a demanda, variando entre as espécies. Há uma discreta variação de acordo com a idade, mas a contagem total mantém-se normal.

A contagem diferencial de leucócitos pode ser apresentada em números relativos (%) e/ou absolutos (número por microlitro). A interpretação deve ser baseada, de preferência nos números absolutos, principalmente nos casos em que a contagem global se apresentar elevada ou muito baixa.

Os leucócitos são classificados em granulócitos (neutrófilos, eosinófilos e basófilos) e agranulócitos (linfócitos e monócitos).

Neutrófilos: Representam uma das principais linhas de defesa do organismo, principalmente por bactérias. Encontra-se em maior porcentagem na contagem global total. Possuem a função básica de fagocitose e morte de microrganismos. Subdividem-se em dois tipos: adultos (maduros, segmentados), caracterizados por possuírem núcleos lobulados e bastonetes (imaturos, não segmentados). A média de vida desse grupo celular é de 9 dias.

Linfócitos: Ocupam o segundo lugar em número na corrente sanguínea. São componentes fundamentais do sistema imune. Possuem particularidade de recircular e preservar a capacidade de mitose. São constituídos por subpopulações distintas quanto às suas funções. Linfócitos B (produtores de anticorpos) e linfócitos T, que possuem função de regular as respostas imunes aos antígenos protéicos e servir como células efetoras para eliminação de microrganismos intracelulares.

Eosinófilos: Constituem cerca de 2% da contagem total. Sua produção encontra-se aumentada nas infecções parasitárias. Participa também na resposta aguda inflamatória.

Monócitos: Desempenham papel importante na defesa contra microrganismos intracelulares como fungos, vírus e algumas bactérias. Atuam também na formação da resposta imune por atuarem como células apresentadoras de antígenos. São importantes também no processo inflamatório por secretarem substâncias biologicamente ativas e serem responsáveis pela remoção e processamento de células senescentes e debris, filtração de bactérias e toxinas do sangue portal. Os monócitos após entrarem na circulação permanecem no máximo 24 horas e migram para tecidos nos quais se diferenciam em macrófagos.

Basófilos: Tal grupo celular assemelha-se aos grandes mastócitos. Liberam heparina, impedindo a coagulação sanguínea assim como aceleram a remoção de partículas de gordura do sangue. Constitui a classe menos numerosa de leucócitos e não são frequentemente observados.


O HEMOGRAMA + LEUCOGRAMA SÃO IMPORTANTES PARA DETECTAR:

Anemias como: anemias ferropriva em animais jovens (má aplicação de ferro ou mesmo produtos de baixa qualidade); anemia em adultos (PCV2-Circovírus lesa tecidos renais que produzem eritropoietina, estimulante da medula a produzir hemácias), além das tradicionais verminoses que ainda ocorrem em suínos em sistema criados em instalações que utilizam cama, lâmina d'agua; etc.

Leucopenia é importante para detecção de infecções virais, como tem havido muito em leitões com Influenza ou mesmo outras viroses.

A Leucocitose já aparece confirmando casos de infecções bacterianas (primarias ou mesmo secundarias).

Como se trata de saúde de população, SEMPRE recomendamos realizar uma amostragem adequada. O número de amostras deve ser correto para ter validade, boa interpretação dos resultados e perfeita implantação de medidas corretivas e preventivas, isto porque um número baixo de amostras pode levar a resultados de pouco valor diagnóstico e epidemiológico.

De um modo prático, recomendamos que sejam remetidas 5-10 amostras de animais doentes e 5-10 amostras de animais ao caso para monitoria do estado de saúde do lote.

 
remove_red_eye 1101 forum 1 bar_chart Estatísticas share print
Compartilhar :
close
Ver todos os comentários
 
   | 
Copyright © 1999-2020 Engormix - All Rights Reserved