Epidemologia das verminoses.

Publicado o: 17/01/2012
Autor/s. : Dr. Joseir Monteiro

INTRODUÇÃO: Os efeitos dos nematódeos sobre os bovinos dependem da espécie e do grau de infecção, o qual, por sua vez, depende de diversos fatores, tais como as condições climáticas, solo, vegetação, tipo de exploração raça, idade do animal e o tipo de pastagem. Quando maciças, as infecç...

remove_red_eye 5777 forum 13 bar_chart Estatísticas share print
Compartilhar :
close
Francisco A. Vieira Tedesco Francisco A. Vieira Tedesco
Médico Veterinário
17 de Janeiro de 2012


Bom dia, Dr. Joseir Monteiro.

Seguindo as condições da propriedade, o manejo das vermifugaçoes anuais,

é determinante para que o produtor tenha bons lucros. Quanto ao vermifugo, tenho bons resultados com a MICROSULES...

Responder
19 de Janeiro de 2012

Boa noite Dr. Monteiro,

Esse tema é muito interessante de ser abordado porque se o pecuarista seguir o esquema estratégico de controle dos nematodeos citado acima ele terá um bom resultado dentro do sistema de produção e consequentemente bons lucros

Abraço

MArcelo Rosa.

Responder
João E. Camila João E. Camila
Médico Veterinário
19 de Janeiro de 2012

Boa tarde Dr.


Qual principio ativo tem se mostrado mais eficaz frente a Cooperia spp., e Haemonchus spp.?

Abraço

João

Responder
19 de Janeiro de 2012


PREZADO JOÃO HENRIQUE

Um bom anti-helmíntico deve ser eficaz para uma ou várias espécies de parasitos e alem de atuar sobre as formas imaturas, deve possuir uma boa margem de segurança, de fácil aplicação e preço baixo. Em condições naturais, os animais são parasitados por várias espécies, indicando assim a conveniência do uso de droga de amplo aspéctro.
Nesse caso, eu aconselho os seguintes princípios ativos:
• Ivermectina
• Doramectina
• Moxidectin
Pertencente do grupo das LACTONAS MACROCÍCLICAS, onde estes são obtidos pela fermentação de fungos streptomyces avermitilis ou similares, por meio de potencialização do ácido gama amino butírico (GABA).

Qualquer dúvidas estarei á disposição.


Dr.Joseir Monteiro
LABORATÓRIO MICROSULES DO BRASIL

Responder
19 de Janeiro de 2012


Prezado João Henrique

Temos um produto no mercado, que é revolucionário no combate desses parasitas.

I V E R M I C + A D3 E (Ivermectina + vitaminas AD3E)

FÓRMULA:
Cada 100 ml contém:
Ivermectina ................... 1.1 g
Vitamina A palmitato .... 5.000.000 U.I.
Vitamina E acetato ........ 1.000 U.I.
Vitamina D3 ................... 40.000 U.I.
Excipientes q.s.p............ 100 ml

Informações comerciais
INDICAÇÕES
Endectocida injetável com vitaminas para Bovinos, Ovinos, Caprinos, Suínos e Equinos. Para o controle de Nematódeos gastrintestinais (adultos e L4) e pulmonares: Haemonchus contortus e placei, Ostertagia ostertagi e spp., , Trichostrongylus axei e spp., Cooperia oncophora, punctata, surnabada e spp., Oesophagostomum radiatum, Bunostomum phlebotomum; Dictyocaulus viviparus.
Piolhos sugadores: Linognathus vituli, Haematopinus eurysternus, Solenopotes capillatus.
Ácaros da sarna em bovinos e suínos: Psoroptes ovis, Sarcopetes scabiei var bovis.
Dermatobia hominis. (Ura, Berne ou Tórsalo)
Carrapato: Boophilus microplus, ajuda no controle cada 21 dias.
A associação de Ivermectina com vitaminas A,D3,E ajuda na manutenção basal e funcional do organismo animal, incorporando elementos necessários para isto, que geralmente não são equilibrados pelo dano parasitário.


Dr.Joseir Monteiro
LABORATÓRIO MICROSULES DO BRASIL

Responder
14 de Fevereiro de 2012

A verminosis são parasitas que causam lesões e desnutrição ao animal, podendo levar a morte e além perda de ordem económica. A incidência inicial parasitária não identificada dificulta o controle, muitas vezes precisa imunizar o rebanho inteiro. Saber o momento certo do controle é importante para evitar danos irreversível. O tratamento deve ser eficaz considerando a relação custo benefício. Quando fazer o controle preventivo é necessário analisar outras variáveis que interfere no resultado principalmente na escolha do medicamento mais adequado. Gostaria de saber qual o procedimento carreto neste caso tratando de uma ataviada económica.

Responder
14 de Fevereiro de 2012

Prezado Mário Furtado

Como já comentei no artigo, podemos afirmar que os fatores climáticos são os que determinam, geralmente, a estação na qual o parasitismo se apresenta como uma ameaça para a economia da produção, um método eficiente de vermifugações em gado de corte é o uso de um programa estratégico baseado nas variações sazonais de incidência de parasitos.
E é de supra importância medir a pressão de infestação por nematódeos nos animais, medindo assim a contaminação por larvas infectantes na pastagem.

Para o controle preventivo, temos que levar em consideração vários fatores importântes:

-Temperatura
-Umidade relativa
-Radiação solar
-Tipo de exploração
-Tipo de pastagem
-Faixa etária
-Raça
-Estado Nutricional
-Imunidade

Sendo que as infecções por vermes gastrintestinais em bovinos de corte criados extensivamente são mais graves a partir do desmame e durante a época seca do ano, enquanto as populações de larvas infectantes nas pastagens são mínimas durante esse período e maiores durante a estação chuvosa.

Portanto no período seco indica que há necessidade de se concentrar o tratamento anti-helmíntico durante esse período, quando as reinfestações são mínimas e o problema da verminose soma-se ao de nutrição.
Aconselho também, fazer um exame coprológico de uma amostragem do rebanho, onde esse seria um instrumento muito importante para a melhor escolha do princípio ativo a ser usado, caso isso não aconteça a dosificações estratégicas com anti-helmínticos de amplo aspecto de sua escolha, seria a melhor forma de controle preventivo.

Espero ter respondido a sua pergunta........
Qualquer coisa coloco-me a disposição para melhores esclarecimentos.


DR.JOSEIR MONTEIRO

Responder
16 de Fevereiro de 2012

O planejamento estratégico é otimo, mas ocorreu em anos passados não funcionar por causa da sazonalidade e também, locais com resistencia anti- helmintica, mormente Cooperia punctata e Haemonchus Contortus, para bovinos o H. placei , não podendo usar as lactonas macrociclicas devido a baixa eficacia, contornando com bombas a 3% para aceleração do processo de resistencia. Envolvendo também a resilencia e nutrição animal, e reforçando o refugio e seleções de nematodeos resistentes a multidrogas para gerações subsequentes.

Responder
28 de Março de 2012


PREZADO DR.RICARDO GOMES


Concordo com a vossa avaliação, e para reduzir o número de tratamentos anti-helmínticos nos animais evitando assim o agravamento de resistência é necessário levar em consideração os estudos epidemiológicos da região, utilizando os produtos somente em épocas e categorias de animais que necessitam.
A resistência parasitária aos produtos químicos é um grande problema para o qual ainda não temos uma solução e as perspectivas não muito animadoras.
Tecnicamente considera-se a probabilidade de resistência quando a eficácia de uma droga falha em alcançar 95% e esse é um fenômeno esperado quando se usa uma determinada droga, pois se inicia um processo de seleção dentro da população-alvo, ou seja, os parasitos que sobrevivem aos produtos antiparasitários transmitem essa capacidade para seus descendentes. O processo é gradativo e deve ser diagnosticado precocemente para prevenir prejuízos decorrentes da doença sub clínica.

Estádios de vida livre e parasitários não afetados por tratamentos quimioterápicos são descritos como refugia, ou seja, esses indivíduos escapam à exposição e consequentemente, à seleção por determinado agente químico.
Quando 30% a 75% dos nematoides encontram-se em refúgio, o desenvolvimento de resistência é significativamente reduzido.

A utilização de um único método de controle alternativo não tem se mostrado eficiente para dispensar o uso de anti-helmínticos em animais que necessitam ganhar peso e isso dificilmente vai acontecer.
Temos que pensar que: as maiorias das fazendas, não têm assistência técnica e os seus gerentes relutam em introduzir tecnologias de longo prazo, e dessa maneira podemos afirmar que a resistência dos parasitos vai continuar aumentando com o tempo.
Alguns sintomas clínicos como diarreia, anemia e perda de condição corporal associados com o parasitismo gastrintestinal podem não significar casos de resistência por não serem específicos. Isso ocorre geralmente devido à presença de agentes infecciosos, nutrição deficiente, deficiência de elementos minerais e intoxicações por plantas.
Outros fatores que contribuem para uma aparente falha de tratamento anti-helmíntico incluem a rápida reinfecção por causa das pastagens altamente contaminadas, presença de larvas hipobióticas ou em estádio de desenvolvimento que não são atingidas pelo quimioterápico, utilização de equipamento de aplicação defeituoso, subdosagem e/ou escolha de medicamento inadequado para o parasito que se deseja controlar.
Podemos dessa forma concluir que a combinação de vários métodos alternativos de controle, aliada aos produtos químicos tradicionais, seria uma forma aconselhável para o controle das resistências, porem teria que envolver o comprometimento e consciência dos pecuaristas e técnicos envolvidos.


Dr.Joseir Monteiro
LABORATÓRIO MICROSULES DO BRASIL LTDA

Responder
28 de Março de 2012

Concordo plenamente Dr. Joseir Monteiro, otima explanação. somente muito cuidado quando citar larvas hipobioticas para algumas das nossas regiões, mormente quando os experimentos não foram utilizados animais traçadores.

Responder
28 de Março de 2012

Muito bem lembrado Dr.Ricardo Alexandre, temos que nos atentar quanto as particularidades individuais de cada região.

Responder
10 de Outubro de 2012
Dr. Joseir Monteiro
Qual sua opinião na utilização de anti Helminticos em vacas leiteiras (secas ou em lactação ou prenhes) ?
Responder
14 de Outubro de 2012
Prezado Colega Ricardo Alexandre

O controle e tratamento se fazem necessário, mas exige conhecimentos da fisiologia momentânea dos animais, para serem feitas intervenções em momentos adequados para reduzirem ao máximo o impacto das parasitoses sobre os índices produtivos e zootécnicos dos animais.
A primeiramente deve-se estabelecer quais parasitos são importantes na propriedade, para que assim podemos buscar informações relacionadas à Biologia e as condições que favoreçam ou desfavoreçam a manifestação dos mesmos.
A partir dos três meses de idade, podemos estar atentos as verminose, as quais acometem os bovinos jovens, e até dois anos são muito sensíveis às verminoses e por isto devem receber atenção especial nesta fase, pois em que estão em fase desenvolvimento.
Sabemos que as larvas de vermes estão disseminadas nas pastagens, os animais sob pastejo normal estão continuamente se infectando.
Na época de temperatura fria que coincide com a seca as pastagens estão em seu pior momento com o capim com porte baixo e as larvas não tem como sobreviver de forma normal, então a maior população de vermes está dentro dos animais, sendo esta é a melhor época para se combater estes vermes.
Portanto se vermifugarmos os animais no inicio meio e fim da época seca, estaremos fazendo um excelente controle destes parasitas, de forma econômica e eficiente.
Usando vermífugos com maior poder residual, como as avermectinas, pode facilitar este controle estratégico, tendo um bom resultado em apenas duas vermifugações sendo uma no início e o outro fim de seca.
Vale apena lembrar que; deve-se respeitar a carência dos produtos, evitando assim a presença do resíduo no leite.




Dr.Joseir Monteiro
LABORATÓRIO MICROSULES DO BRASIL LTDA.
Responder
1
print
(5777)
(13)
Deseja opinar nesta discussão sobre: Epidemologia das verminoses.?
Engormix se reserva o direito de apagar e/ou modificar os comentários. Veja mais detalhes
Comentar
Criar nova discussão :
Se essa discussão não abrange temas de interesse ou levanta novas questões, você pode criar uma outra discussão.
Consultar um profissional em particular:
Se você tem um problema específico, você pode executar uma consulta em particular a um profissional em nossa comunidade.
 
   | 
Copyright © 1999-2019 Engormix - All Rights Reserved