Explorar
Comunidades em Português
Anuncie na Engormix
LIPTOSA
Conteúdo patrocinado por:
LIPTOSA

Fitobióticos, chave na alimentação animal

Publicado: 17 de setembro de 2021
Por: Liptosa
Fitobióticos, chave na alimentação animal - Image 1
Com um mundo cada vez mais atento à saúde dos animais de abate, esses suplementos criados à base de substâncias de origem natural e vegetal são chamados a marcar um antes e um depois nos seus cuidados.
As novas gerações trazem consigo novos valores. Ao entrar no mercado econômico como consumidores com interesses próprios, as empresas devem se adaptar a uma série de requisitos para manter a sua relevância em um mercado com necessidades mutantes. Como nativos digitais e muito mais atentos aos problemas éticos da sociedade, as gerações mais jovens buscam, por exemplo, uma moda mais sustentável do que as gerações anteriores, um mercado disponível na internet ou, em termos de produtos alimentícios derivados de animais, que sejam seguros e de qualidade, com um maior compromisso com o meio ambiente e garantindo o bem-estar dos animais.
Na Espanha, por exemplo, o último estudo do Ministério da Agricultura, Pesca e Alimentação indica que “seis em cada dez consumidores de produtos orgânicos têm menos de 35 anos”. Um mercado que também cresce rapidamente, demonstrando a crescente preocupação das novas gerações por questões como a qualidade dos alimentos e dos produtos que consomem, entendido como: sustentabilidade, rastreabilidade, proximidade e economia circular.
Este novo panorama apresenta uma série de desafios para o agricultor que está levando ao setor a buscar ferramentas e alternativas que permitam, ao mesmo tempo, ser competitivo na produção animal sem perder desempenho e garantir sempre a qualidade do produto final por meio da reversão de processos como, por exemplo, o uso abusivo de antibióticos. Justamente por isso, as alternativas naturais aos antimicrobianos estão se tornando mais populares, variadas e específicas. E o reconhecimento de sua eficácia contra alternativas químicas, cada vez mais difundido.
Ao mesmo tempo, a manutenção da integridade intestinal dos animais por meio de bons cuidados está se tornando cada vez mais importante devido às repercussões que isso tem na saúde geral dos animais. Desde o nascimento do animal até o final de seu ciclo produtivo, a boa integridade intestinal favorece a máxima expressão de seu potencial de crescimento genético e um uso mais eficiente dos alimentos que ingere. Como afirma Liptosa: "Um estado estável onde o microbioma do trato intestinal atinge um equilíbrio simbiótico, tornará visível um melhor bem-estar e estado imunológico onde o desempenho pode se tornar ótimo." Esta área, portanto, apresenta-se como uma área chave para a busca de ferramentas alternativas e naturais, como o uso de fitobióticos.
QUE SÃO OS FITOBIÓTICOS?
O ser humano vem utilizando substâncias de origem vegetal na medicina desde praticamente a origem da agricultura no Neolítico, espalhando-se pelas diferentes culturas que surgiram pelo mundo e aplicando-se ao contexto natural de cada uma delas, da China ao Egito. Apesar de sua eficácia ser sustentada por milênios de resultados, a medicina moderna tem ajudado a demonstrar e explicar a eficácia desses princípios, desde a penicilina até a aspirina.
Dada a necessidade de encontrar alternativas ao uso de antibióticos, a medicina convencional vem sendo complementada em muitos aspectos pela medicina natural, e a aplicação de fitobióticos à Saúde Animal é um dos exemplos mais recentes.
Segundo Liptosa, os fitobióticos, cujo uso já é bastante difundido mas o início de implantação tem origem na aquicultura, “são substâncias de origem vegetal e natural com efeitos benéficos à saúde derivados de sua capacidade de modular as populações bacterianas que são utilizadas com o objetivo de melhorar o estado de saúde e alcançar uma melhoria nas taxas de produção”. Plantas medicinais, extratos vegetais e óleos essenciais destacam-se como os principais componentes da produção fitobiótica.
QUAIS SÃO AS PROPRIEDADES DOS FITOBIÓTICOS?
A busca por alternativas de antibióticos promotores de crescimento dá ênfase especial à pesquisa de produtos à base de plantas reconhecidos por sua alta capacidade tanto no controle do crescimento bacteriano, algo presente nos fitobióticos, quanto em outros componentes botânicos tradicionalmente reconhecidos por seus efeitos anti-sépticos, expectorantes, anti-inflamatórios, carminativos e eupépticos.
Conforme explica Liptosa, o mecanismo de ação dos extratos naturais e dos óleos vegetais ainda não é totalmente conhecido, algo comum quando se trata da medicina natural - muitas vezes se sabe que um extrato ou planta ajuda em algum aspecto da saúde, mas é ainda não se sabe por meio de qual mecanismo ela é alcançada. Nesse caso, explicam, “considera-se que um dos possíveis mecanismos de ação se deve à pressão exercida sobre a membrana celular, dando origem a desequilíbrios que comprometem o equilíbrio osmótico e que acabam com a lise da bactéria”.
Dentre os efeitos positivos dos extratos e óleos essenciais, encontramos sua atividade imunomoduladora, que atua regulando o sistema imunológico, aumentando ou diminuindo a produção de anticorpos. Além disso, juntamente com o efeito antioxidante e antiinflamatório das moléculas de origem botânica, ajudam a conter o desenvolvimento de possíveis doenças.
Outra das principais características dos óleos e extratos vegetais utilizados na produção de fitobióticos é o efeito sinérgico que eles criam, além uns dos outros, junto com outros ingredientes comumente utilizados na alimentação animal. Isso significa que a combinação de ativos não só os faz trabalhar individualmente, mas a ação conjunta consegue que sejam retroativamente potencializados em uma fórmula que, com algum humor, Liptosa define como “dois e dois às vezes não são quatro, mas seis”. Por exemplo, ao combinar alguns dos óleos essenciais com ácidos orgânicos, conseguimos aumentar a permeabilidade das membranas bacterianas, permitindo uma melhor penetração do ácido no interior da bactéria, o ácido orgânico dissocia-se dentro da célula bacteriana, desestabilizando as estruturas, incluindo o DNA bacteriano.
CHAVE NA INTEGRIDADE INTESTINAL
Como mencionamos anteriormente, a saúde, funcionalidade e integridade do trato gastrointestinal são fundamentais na produtividade dos animais, uma vez que funciona como a principal porta de entrada do sistema imunológico do animal. Portanto, além de ser a parte na qual ocorre a absorção e assimilação de nutrientes, também funciona como uma barreira protetora contra doenças bacterianas e virais em animais.
Para garantir o bem-estar dessa parte tão importante de seu corpo, o agricultor deve atender e cuidar de sua funcionalidade estrutural e bioquímica e, além disso, ter uma população microbiana equilibrada, algo que os fitobióticos podem ajudar. Na verdade, seu uso se deve principalmente ao efeito que exercem sobre a função intestinal, que, como explica Liptosa, “previne o aparecimento de disbiose, ajudando a manter o equilíbrio correto entre as populações bacterianas por meio de um efeito denominado competição exclusiva”.
“Tradicionalmente” - continuam -, “o equilíbrio da microbia patogênica e saprofítica tem sido mantido com a ajuda do uso de antibióticos”. No entanto, as exigências regulatórias dos países industrializados, como as implantadas pela União Européia, acompanhadas das demandas dos consumidores por alimentos com risco zero para a saúde, tornaram necessária a abertura de novas linhas de pesquisa. Os fitobióticos tornaram-se uma ferramenta essencial na nutrição animal nos últimos anos.
Existe um grande número de fatores que podem alterar a integridade do intestino. Entre eles, encontramos agentes infecciosos e não infecciosos, coccídios ou parasitas, mas também existem fatores não relacionados a organismos que podem ter efeitos negativos, como uma dieta inadequada ou uma apresentação inadequada dela, bem como o referido abuso de antibióticos. Todos eles, no caso de afetar um animal, afetarão uma menor absorção de nutrientes e um menor aproveitamento do alimento fornecido, uma vez que o organismo do animal alocará seus recursos nutricionais na forma de proteínas e energia para recuperar o equilíbrio na integridade intestinal. Os fitobióticos ajudam a prevenir situações como esta.
Como afirmado por Liptosa, “os efeitos positivos dos fitobióticos podem ser explicados pela ativação da ingestão de alimentos, auxiliam na secreção eficiente de enzimas digestivas, participam da modulação da microflora intestinal, influenciando ações na saúde do intestino e no desenvolvimento saudável e seguro do animal ”.
Além disso, outros efeitos positivos de alguns extratos de plantas são derivados de sua atividade em órgãos relacionados ao sistema digestivo. Por exemplo, alcachofra ou cardo leiteiro são usados para apoiar o fígado. Porém, o foco dos fitobióticos, como já mencionamos, é a integridade intestinal, cujo efeito sobre ela ajudará a reduzir a incidência de doenças digestivas, melhorar os parâmetros de produção e melhorar a taxa de conversão alimentar.
O QUE PODEMOS ESPERAR DO DESENVOLVIMENTO DOS FITOBIÓTICOS?
Além das demandas dos consumidores, os fitobióticos estão se tornando as alternativas pelas quais nutricionistas e agricultores apostam, depois que organizações como a União Européia impuseram restrições ao uso de antibióticos como promotores de crescimento - não seu uso como remédio para curar um animal doente. Parte importante do incentivo para seu uso, portanto, vem da legislação.
Eles também apontam que em 2010 e 2012 foram autorizadas como “rações complementares” várias preparações constituídas por misturas de óleos essenciais, extratos vegetais ou especiarias destinadas ao abate de animais. Este grupo de produtos é regulamentado, "A Agência Europeia de Segurança Alimentar publicou em 2010 um documento que serviria de guia para avaliar especificamente a segurança destes produtos em pedidos de autorização para a sua utilização como aditivos organoléticos ou zootécnicos na alimentação animal (FEEDAP, 2010)”.
Embora os parâmetros como a dose ótima de uso ou a eficácia e repetibilidade dos resultados, bem como sua segurança, rastreabilidade e estabilidade sejam regulados e garantidos, mais pesquisas serão, sem dúvida, necessárias para entender o mecanismo de ação dos fitobióticos. Além disso, com esta informação também será possível chegar a uma padronização dos sistemas de produção, o que será outro fator determinante para a harmonização de critérios.
No entanto, concluem da Liptosa, "o elevado potencial produtivo e sanitário deste grupo de produtos, na indústria de produção e alimentação animal, está demonstrado na crescente investigação de empresas privadas e centros de investigação", além dos resultados já demonstrados em animais que já fazem dieta nas quais os fitobióticos estão presentes.
Tópicos relacionados
Autores:
Jesús Megías Valencia
Siga
Junte-se para comentar.
Uma vez que se junte ao Engormix, você poderá participar de todos os conteúdos e fóruns.
* Dados obrigatórios
Quer comentar sobre outro tema? Crie uma nova publicação para dialogar com especialistas da comunidade.
Criar uma publicação
Junte-se à Engormix e faça parte da maior rede social agrícola do mundo.
Iniciar sessãoRegistre-se