Explorar
Comunidades em Português
Anuncie na Engormix
LIPTOSA
Conteúdo patrocinado por:
LIPTOSA

Influência dos microminerais na qualidade da casca

Publicado: 20 de janeiro de 2023
Por: Daniel Díaz
O ovo   é o alimento humano mais sensível, sendo o que requer o menor processo de transformação da fazenda para a mesa; e aquele commaior atividade biológica, sem ser submetido a processos de esterilização.  Dentro de todos os aspectos que englobam a qualidade do ovo, destaca-se como primordial, obter uma boa qualidade de cascara para preservar uma ótima qualidade interna. 
Os parâmetros de qualidade da casca:  resistência, porosidade, fragilidade e presença de malformações ou fissuras afetarão a qualidade interna do ovo, tanto física quanto microbiologicamente. 
Os valores médios na produção de ovos com danos ou malformações na cascara representam aproximadamente 6% da produção total de ovos e, em muitos casos,  essas quebras também aumentam a porcentagem de ovos sujos ou não comercializáveis.
A casca do ovo é formada por diferentes camadas que formam uma estrutura complexa, a formação dessas camadas ocorre no útero. O processo de calcificação da casca é o mais duradouro na formação do ovo, sendo aproximadamente 18 horas, terminando 1 hora antes da postura.
As diferentes camadas de dentro para fora são as membranas orgânicas, a camada mineral e a cutícula que cobre a parte superficial da casca do ovo.
INFLUÊNCIA DOS MICROMINERAIS NA QUALIDADE DA CICATRIZAÇÃO
As membranas orgânicas da casca são formadas por uma rede de fibras colágenas (tipo X), glicoproteínas e proteínas. Há uma membrana mais fina, que está localizada na membrana que envolve a  albumina, e uma membrana orgânica externa mais espessa contendo os núcleos orgânicos de concentração, sobre a qual a camada mineral é construída. Quando esses núcleos são dispersos e maiores devido a uma menor densidade de glicoproteínas, a casca formada terá maior porosidade e fragilidade. 
INFLUÊNCIA DOS MICROMINERAIS NA QUALIDADE DA CICATRIZAÇÃO
Na parte interna da camada mineral estão os cones mamários, que são o início da camada mineral. A parte mais espessa desta camada mineral é formada por cristais colunares de carbonato de cálcio precipitado. Garantir uma formação correta da estrutura, desde as membranas orgânicas até a formação da cristalização é essencial para obter uma boa dureza da casca. Todos os nutrientes necessários para a formação da casca devem ser administrados com a ração, e qualquer deficiência neles afetará a qualidade da casca.
Finalmente, a superfície externa da casca é envolvida com a cutícula, uma camada orgânica muito fina, que cobre os poros, controlando a permeabilidade dacasca para evitar a entrada de bactérias através dela (Muñoz et al., 2015). A cutícula contém proteínas (lisozima) e lipídios de forte atividade antimicrobiana. É por isso que o Regulamento Europeu não permite a lavagem de ovos, pois essa prática pode danificar e eliminar completamente essa camada de proteção. 
INFLUÊNCIA DOS MICROMINERAIS NA QUALIDADE DA CICATRIZAÇÃO
Em geral, a qualidade da cicatriza dependerá de fatores como a idade da ave, genética, condições ambientais (programa de iluminação, temperaturas, umidade ...) e nutrição.
Com o aumento da idade das aves, ocorrem mudanças perceptíveis nas características estruturais da casca (diminui a densidade da camada mamilar e a junção entre a membrana orgânica e mineral; aumenta o tamanho dos cristais de carbonato de cálcio; a espessura da cutícula é reduzida), o que afeta as propriedades mecânicas e a qualidade e integridade da casca. Condições ambientais como o estresse térmico reduzem a concentração de carbonato no sangue e  a atividade da anidrase carbônica, além de reduzir o consumo e, portanto, o fornecimento de nutrientes necessários. 
Em relação aos fatores nutricionais, os níveis de cálcio, fósforo e vitamina D3 são os mais relevantes, mas outros como a saúde intestinal ou melhor absorção de micronutrientes podem ter um grande impacto na formação da casca. Níveis ótimos de Ca, P, vitaminas e microminerais, como Mn, Zn e Cu, são elementos essenciais  para manter um bom estado imunológico nas aves, um armazenamento correto de cálcio no osso medular e manter um funcionamento correto do oviduto durante longos períodos de postura e para poder manter uma boa qualidade da casca. 
Os microminerais atuam fazendo parte ou ativando múltiplas enzimas relacionadas à formação da casca, ou interagem diretamente com a formação de cristais de cálcio durante a formação da casca, afetando assim a qualidade. Microminerais como Cu, Mn e Zn estão envolvidos na atividade de enzimas fundamentais, como a lisil-oxidase (Cu) e a fosfatase alcalina (Mn) para a formação de membranas, a glicosiltransferase (Mn) que intervém na formação dos núcleos nos quais os cristais de carbonato de cálcio são depositados, a anidrase carbônica (Zn) que catalisa a formação de carbônico para a deposição de cristais de cálcio na membrana externa.
Um nível correto e uma boa absorção de microminerais da alimentação de postura são muito importantes. O zinco é necessário para o sistema imunológico, mas é um fator co-enzimático na deposição de carbonato de cálcio, uma baixa absorção de zinco causa uma casca fraca. O manganês ativa as enzimas que formam a matriz orgânica; Uma estrutura pobre das  membranas internas fará com que a estrutura cristalina inorgânica de carbonato de cálcio seja defeituosa na casca.  O cobre faz parte das enzimas responsáveis pela qualidade e formação do colágeno, e a deficiência na assimilação do cobre está relacionada a defeitos na forma do ovo à medida que ele passa pelo oviduto e, como consequência, com problemas de qualidade da casca.
INFLUÊNCIA DOS MICROMINERAIS NA QUALIDADE DA CICATRIZAÇÃO
A baixa absorção de microminerais da dieta aumenta os problemas da casca, especialmente a fragilidade e também os defeitos de pigmentação. Portanto, uma absorção correta de Cu, Mn e Zn é necessária para uma formação correta da casca, e também em períodos de estresse térmico, uma maior contribuição de zinco é necessária para compensar a menor atividade da anidrase carbônica.  
INFLUÊNCIA DOS MICROMINERAIS NA QUALIDADE DA CICATRIZAÇÃO
A presença de antagonismos entre as diferentes fontes inorgânicas de minerais (macro e microminerais) pode causar uma perda em sua absorção, levando a um excesso na contribuição de minerais inorgânicos na ração para prevenir deficiências, o que pode agravar o problema.
A limitação na inclusão de alguns minerais não está relacionada à sua absorção pelo animal, portanto, para cobrir as necessidades dependerá da biodisponibilidade da fonte mineral. Os níveis máximos tolerados na UE para o zinco, o cobre e o manganês na alimentação de aves são, respetivamente, de 120 ppm, 25 ppm e 150 ppm.  O uso de fontes inorgânicas, dada a baixa absorção e reatividade com cálcio e fósforo, pode não ser suficiente na alimentação de aves de postura.
Vários ensaios relataram como as fontes minerais orgânicas têm um resultado melhor na estrutura de qualidade da casca do que as inorgânicas nos mesmos (e ainda mais baixos) níveis de inclusão mineral.
Os minerais inorgânicos podem se dissociar no papo, moela e trato intestinal, dando origem a ânions de maior reatividade e interagindo com outros nutrientes da dieta, como vitaminas, aminoácidos e outros minerais. Pelo contrário, os minerais orgânicos não são dissociados e a disponibilidade para o animal é maior, sem afetar a disponibilidade do restante dos nutrientes.
Os resultados obtidos por Qiu, et al 2019 em galinhas alimentadas com minerais orgânicos  obtiveram maior atividade enzimática, e uma melhor estrutura da casca, em comparação com galinhas que foram alimentadas com o mesmo nível de minerais na forma inorgânica, isso pode ser devido a uma maior biodisponibilidade dos minerais orgânicos.
Os resultados obtidos em galinhas poedeiras de 26 semanas de idade com 90% de postura, alimentadas com minerais Glyadd (cobre, zinco, manganês na forma de glicinato de Liptosa S.A.) melhoraram a espessura da casca em 3%, e a porcentagem de ovos rugosos ou deformados foi reduzida em relação ao grupo Controle. No caso de aves mais velhas com 59-63 semanas, as diferenças na espessura da casca foram maiores (Controle 0,333 mm vs Glyadd 0,352 mm).
Figura 1. Efeito da inclusão de Glyadd em galinhas poedeiras de 26 e 63 semanas sobre a espessura da casca
Figura 1. Efeito da inclusão de Glyadd em galinhas poedeiras de 26 e 63 semanas sobre a espessura da casca
Com o uso de minerais orgânicos Glyadd uma suplementação de glicina na dieta é obtida. A glicina não é um aminoácido essencial em mamíferos, mas no caso das aves é considerada semi-essencial, uma vez que o mecanismo de produção de ácido úrico (AI) é dependente da glicina, e em condições de baixos níveis de proteína ou quando formulada com proteína ideal, a inclusão extra de glicina na dieta pode contribuir para certas necessidades metabólicas (Baker 2009). 
 A glicina também atua como precursora da serina, precursora da hemoglobina (juntamente com a Fe);participa na formação de glutationa (GSH) para o metabolismo oxidativo,  creatina  (Cr) e  sais biliares  no metabolismo energéticoe na excreção de ácido úrico (UA).
A inclusão na dieta de 1% de glicina ou 1,6% de glicina + serinapode melhorar a ingestão de ração, o peso do ovo e a digestibilidade da gordura.   Em condições de estresse térmico ou climas tropicais, a redução do nível de proteína e da formulação baseada em aminoácidos seria importante para considerar os níveis de glicina e serina na fórmula.
Tópicos relacionados
Autores:
Daniel Diaz
LIPTOSA
Siga
Junte-se para comentar.
Uma vez que se junte ao Engormix, você poderá participar de todos os conteúdos e fóruns.
* Dados obrigatórios
Quer comentar sobre outro tema? Crie uma nova publicação para dialogar com especialistas da comunidade.
Criar uma publicação
Junte-se à Engormix e faça parte da maior rede social agrícola do mundo.
Iniciar sessãoRegistre-se