Parâmetros que afetam o desenvolvimento embrionário de pintos de corte

Publicado: 25/10/2013
Autor/s. :
Sumário

Objetivou-se avaliar o efeito da idade da matriz pesada e do tempo de estocagem dos ovos sobre as características de incubação e desenvolvimento embrionário de pintos de corte. Foi utilizado um delineamento inteiramente casualizado em esquema fatorial 3x3, com três idades de matrizes (33, 43 e 61 semanas) e três períodos de estocagem dos ovos (24, 72 e 120 horas). Foram incubados 900 ovos férteis de matrizes pesadas Cobb® 500. Aos 6, 13, 17 e 21 dias de incubação foram retirados 10 ovos de cada tratamento e registrados o peso do ovo, o peso do embrião, a mortalidade embrionária e a eclodibilidade. Houve efeito (p ≤ 0,05) da idade da matriz e do tempo de estocagem dos ovos sobre a mortalidade embrionária e a eclodibilidade, ocorrendo aumento na mortalidade e diminuição na eclodibilidade, proporcionalmente ao aumento da idade da matriz e do tempo de estocagem. Comprovou-se que a idade da matriz influencia as taxas de mortalidade dos ovos férteis, sendo este fator mais afetado quando os ovos são submetidos a um período mais longo de estocagem. Ovos provenientes de matrizes mais jovens e tempo de estocagem reduzido proporcionaram maiores taxas de eclodibilidade. O período de estocagem influenciou tanto a mortalidade dos embriões, quanto a eclodibilidade dos ovos férteis.

PALAVRAS-CHAVE: embrião, incubação, mortalidade, ovos férteis.

 

INTRODUÇÃO

Ovos férteis provenientes de matrizes pesadas apresentam variação de peso, tamanho, qualidade de casca e relação entre o peso da gema e o peso do ovo durante o ciclo produtivo, alterando o rendimento na incubação (VIEIRA & MORAN, 2001; ROSA et al., 2002; ROCHA, et al., 2008). Matrizes jovens têm ovos menores, apresentando menor quantidade de poros na casca, membrana e cutícula mais espessas, albúmen mais viscoso e menor fonte de nutrientes, além da redução da perda de umidade e das trocas gasosas o que contribui para a eclosão de pintos menores (BRAKE et al., 1997; SANTOS et al., 2009).

Tais fatores em associação à menor disponibilidade de nutrientes para o embrião, devido à baixa capacidade das aves jovens de transferir lipídios para a gema do ovo, podem comprometer a viabilidade embrionária nos estádios iniciais de desenvolvimento e reduzir a taxa de eclosão (BENTON & BRAKE, 1996; ROCHA et al., 2008). A qualidade da casca é um importante fator para o bom rendimento na incubação e a qualidade do pinto, apesar do período de armazenamento e as condições também influenciarem na mortalidade dos embriões (ROCHA et al., 2008; SANTOS et al., 2009).

O presente estudo teve por objetivo avaliar o efeito da idade da matriz pesada e do tempo de estocagem dos ovos férteis sobre as características de incubação e o desenvolvimento embrionário.

 

METODOLOGIA

O experimento foi conduzido em um incubatório experimental, localizado no município de Dourados – MS. Foram utilizados 900 ovos incubáveis de matrizes pesadas da linhagem Cobb® 500. Os ovos foram armazenados a 15 °C com 70% de umidade relativa nos períodos de 24, 72 e 120 horas. O delineamento experimental utilizado foi inteiramente casualizado distribuído em arranjo fatorial 3x3 sendo ovos provenientes de três idades de matrizes pesadas (33, 43, 61 semanas) e três períodos de armazenamento (24, 72 e 120 horas).

Foi utilizada incubadora de múltiplo estágio, de marca CASP®, com capacidade de 1.400 ovos, regulada com termômetro de bulbo seco para 38 °C e umidade relativa de 65%. Todos os ovos foram pesados e identificados no início da incubação e distribuídos de forma aleatória nas bandejas dentro da incubadora. A viragem dos ovos foi realizada de forma automática no ângulo de 45º para ambos os lados a cada hora.

Aos 10 dias de incubação, utilizando o método de ovoscopia, foram removidos os ovos inférteis ou com embrião morto. Aos 18 dias de incubação, momento da transferência da incubadora para o nascedouro, os ovos foram novamente pesados, dispostos em bandejas, onde permaneceram por três dias.

As avaliações foram realizadas aos 6, 13, 17 e 21 dias de incubação. Foram coletados 10 ovos por tratamento sendo estes identificados, pesados e abertos. Os embriões foram sacrificados por deslocamento cervical e pesados em balança com precisão de 0,001g. Após a retirada dos pintos do nascedouro, os ovos remanescentes foram avaliados para a determinação da mortalidade embrionária.

A classificação utilizada para a mortalidade embrionária (ME) foi: ME(1): 0 a 7 dias; ME(2): 8 a 14 dias; ME(3): 15 a 18 dias e ME(4): 19 a 21 dias. O Total de Mortalidade Embrionária (TME) foi a soma das três mortalidades embrionárias para cada idade de matriz nos períodos de armazenamento. A eclodibilidade foi avaliada pela determinação do percentual de pintos viáveis nascidos.

Foi realizada a análise de variância com o auxílio do pacote estatístico GLM do programa SAS (1996). Quando identificadas diferenças estatísticas pela ANOVA entre os parâmetros avaliados (pesos dos ovos e dos embriões), as médias foram comparadas pelo teste de Tukey adotando-se significância para p ≤ 0,05. A mortalidade embrionária foi comparada pelo teste Qui Quadrado.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Houve efeito da idade da matriz e do tempo de estocagem dos ovos sobre mortalidade inicial ME(1), mortalidade final ME(4), TME e eclodibilidade (%) (p ≤ 0,05; Tabela 1). Analisando os resultados de ME(1) verificou-se que, em todas as idades das matrizes avaliadas (33, 43 e 61) o índice de mortalidade dos embriões no primeiro período de estocagem foi menor (p ≤ 0,05), e houve aumento da mortalidade proporcionalmente ao aumento do período de estocagem (p ≤ 0,05). Valores altos de mortalidade precoce (1 a 4 dias), quando o tempo de armazenamento de ovos foi prolongado, também foram encontrados por PEDROSO et al., (2006).

Não houve diferença entre as mortalidades intermediárias ME(2) e ME(3) (p > 0,05). Estes resultados indicam que a mortalidade embrionária entre o oitavo e o décimo oitavo dias de incubação podem não estar relacionados à idade da matriz e nem ao tempo de estocagem dos ovos férteis. Desta forma, alguns fatores conhecidos são levantados como hipóteses na tentativa de justificar estes efeitos, como, por exemplo, a umidade no interior da incubadora, a eventual contaminação e ainda, a nutrição das matrizes (PEDROSO et al., 2006).

O período de estocagem (24 h) não influenciou a mortalidade embrionária final ME(4) nas idades das matrizes (p > 0,05). No entanto, no segundo período de estocagem (72 h) observou-se que houve maior mortalidade embrionária (p ≤ 0,05) dos ovos provenientes de matrizes mais velhas (61 semanas). Este fato sugere que o aumento no período de estocagem pode influenciar os índices de mortalidade embrionária, em ovos de matrizes com idade igual ou superior a 61 semanas. A mortalidade embrionária em ovos provenientes de matrizes com idades de 33 e 43 semanas foi menor no segundo período de estocagem (p > 0,05). No terceiro período de estocagem observou-se maior mortalidade embrionária (p ≤ 0,05) nos ovos provenientes de matrizes mais velhas (61 semanas). A mortalidade embrionária nos segundo e o terceiro período de estocagem (72 e 120 h) não diferiram entre si (p > 0,05) em todas as idades das matrizes. Porém, foram maiores que os valores observados no primeiro período de estocagem, confirmando que o tempo de armazenamento influencia a mortalidade dos embriões (LARA et al., 2005; ALMEIDA et al., 2006). Segundo SILVA (2003); ROCHA et al. (2008) as principais causas de mortalidade final, principalmente entre o 18° ao 21 ° dia, estão relacionadas às condições do interior da máquina de incubação, como oscilações de temperatura de umidade na incubadora ou no nascedouro, manejo inadequado da transferência.

 

TABELA 1- Idade da matriz pesada e período de estocagem dos ovos férteis sobre a mortalidade embrionária e a eclodibilidade.

 

Houve efeito dos períodos de estocagem e das idades das matrizes na mortalidade embrionária total (TME; p ≤ 0,05). No primeiro período de armazenamento (24 h) foi possível observar que as matrizes mais velhas (61 semanas) apresentaram maior mortalidade embrionária total (p ≤ 0,05). No segundo e terceiro períodos de armazenamento (72 e 120 h) observou-se que ovos provenientes de matrizes com 61 semanas de idade apresentaram maior mortalidade embrionária total quando comparado com as matrizes de 33 e 43 semanas (p ≤ 0,05). Quando associado ao tempo de armazenamento dos ovos, a mortalidade embrionária total aumentou gradativamente com o aumento da idade das matrizes (p ≤ 0,05). A menor mortalidade embrionária foi observada para os ovos de matrizes com 33 semanas e com 24h de armazenamento, o que concorda com SCHMIDT et al., (2009).

A eclodibilidade (%) de ovos de matrizes com 33 semanas de idade foi semelhante (p > 0,05) no primeiro e no segundo período de armazenamento (24 e 72 h). A baixa eclodibilidade (%) está associada à qualidade inferior da casca dos ovos das matrizes mais velhas, fato já descrito na literatura (McDANIEL et al., 1979; CAMPOS, 2000; TONA et al., 2001; NAKAGE et al., 2002; ROSA et al., 2002; LOURENS et al., 2006; ROCHA et al., 2008).

Em todos os tempos de incubação avaliados (Tabela 2) houve efeito do período de estocagem sobre a variável peso do ovo. O peso do ovo diminuiu (p ≤ 0,05) com o aumento do período de estocagem para todos os tempos de incubação.

 

TABELA 2- Período de estocagem e tempo de incubação (dias) dos ovos férteis e o peso do ovo do embrião

 

O peso do embrião proveniente de ovos estocados 120 h, nos tempos de incubação de 6 e 21 dias foi diferente (p ≤ 0,05). Desta forma, é possível compreender que o peso dos embriões de 0 a 6 dias e de 17 a 21 dias sofre maior influência do maior período de estocagem (120 horas). Autores diversos (VIEIRA & MORAN, 2001; SANTOS, 2003; JOSEPH & MORAN Jr., 2005; TANURE et al., 2009) estudando este tema, encontraram que, perda de peso na incubação em ovos produzidos por matrizes velhas, pode ser justificada pela maior porosidade e menor espessura da casca. Com relação ao peso dos embriões, SANTOS et al., (2009) verificaram aumento no peso médio em função da idade da matriz durante o período de incubação. Segundo LARA et al., (2005); ALMEIDA et al., (2006) a idade da galinha é o principal fator que influencia o peso dos pintos.

Referente ao período de estocagem (24, 72 e 120 h) sobre o peso dos embriões nos diferentes tempos de incubação, observa-se que os embriões provenientes de ovos estocados por 72 horas apresentaram aumento de peso a partir do terceiro tempo de incubação (17 dias). Estes resultados estão associados a uma aceleração no desenvolvimento embrionário nos ovos férteis durante a fase de estocagem (FASENKO et al., 2001; CHRISTENSEN et al., 2003; PEDROSO et al., 2006).

 

CONCLUSÕES

O aumento da idade da matriz e do tempo de estocagem dos ovos férteis prejudicou os parâmetros de incubação.

 

REFERÊNCIAS

ALMEIDA, J. G.; DAHLKE, F.; MAIORKA, A.; FARIA FILHO, D. E.; OELKE, C.A. Efeito da idade da matriz no tempo de eclosão, tempo de permanência do neonato no nascedouro e o peso do pintainho. Archives of Veterinary Science, Curitiba, v.11, n.1, p.45-49, 2006.

BENTON, C. E.; BRAKE, J. The effect of broiler breeder age and lenght of egg storage on egg albumen during early incubation. Poultry Science, Champaign, v. 75, p.1069-1075, 1996.

BRAKE, J.; WALSH, T.J.; BENTON, C. E. Jr.; PETITTE, J.N.; MEIJERHOF, R.; PEÑALVA, G. Egg handling and storage. Poultry Science, Champaign, v.76, p. 144- 151,1997.

CAMPOS, E. J. Avicultura: Razões Fatos e divergências. Belo Horizonte: FEPMVZ, 2000, 311p.

CHRISTENSEN, V. L.; GRIMES, J. L.; WINELAND, M. J.; DAVIS, G. S. Accelerating embryonic growth during incubation following prolonged egg storage. 1. Embryonic livability. Poultry Science, Champaign, v.82, n.12, p.1863-1868, 2003.

FASENKO, G. M.; ROBINSON, F.E.; WHELAN, A. I.; KREMENIUK, K. M.; WALKER, J. A. Prestorage Incubation of Long-Term Stored Broiler Breeder Eggs:1. Effects on Hatchability. Poultry Science, Champaign, v.80, p.1406–1411, 2001.

JOSEPH, N. S.; MORAN Jr, E.T. Characteristics of eggs, embryos, and chicks from broiler breeder hens selected for growth or meat yield. The Journal of Applied Poultry Research, North Carolina, v. 14, p.275-280, 2005.

LARA, L. J. C.; BAIÃO, N.C.; CANÇADO, S. V.; TEXEIRA, J.L.; LÓPEZ, C. A. A.; DUARTE, F. D.; MICHALSKY, V. B. Influência do peso inicial sobre o desempenho e o rendimento de carcaça e cortes de frangos de corte. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, Belo Horizonte, v. 57, n.6, p.799-804, 2005.

LOURENS, A.; MOLENAAR, R, van den Brand H.; HEETKAMP, M.J.; MEIJERHOF, R.; KEMP, B. Effect of egg size on heat production and the transition of energy from egg to hatchling. Poultry Science, Champaign, v.85, p.770-776, 2006.

McDANIEL, G. R.; ROLAND, D.A.; COLEMAN, M. A. The effect of egg shell quality on hatchability and embryonic mortality. Poultry Science, Champaign, v.58, p.10-13, 1979.

NAKAGE, E. S.; CARDOZO, J. P.; PEREIRA, G. T.; QUEIROZ, A. S.; BOLELI, I. C. Efeito da forma física da ração sobre a porosidade, espessura da casca, perda de água e eclodibilidade em ovos de perdiz (Rhynchotus rufescens). Brazilian Journal of Poultry Science, Campinas, v.4, n.3, p.227-134, 2002.

PEDROSO, A. A.; CAFÉ, M. B.; L. N. S. M.; STRINGHINI, J. H.; CHAVES, L. S. Desenvolvimento embrionário e eclodibilidade de ovos de codornas armazenados por diferentes períodos e incubados em umidades e temperaturas distintas. Revista Brasileira de Zootecnia, Viçosa, v.35, n.6, p. 2344-2349, 2006.

ROCHA, J. S. R.; LARA, L. J. C.; BAIÃO, N. C.; CANÇADO, S. V.; BAIÃO, L. E. C, SILVA, T. R. Efeito da classificação dos ovos sobre o rendimento de incubação e os pesos do pinto e do saco vitelino. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, Belo Horizonte, v. 60, n.4, p.979-986, 2008.

ROSA, O. S. A.; GUIDONI, A. L.; LIMA, I. L.; BERCH, F. X. R. Influência da temperatura de incubação em ovos de matrizes de corte de diferentes idades e classificados por peso sobre os resultados de incubação. Revista Brasileira de Zootecnia, Viçosa, v. 31, v.2, p.1011-1016, 2002.

SANTOS, J. E. C.; GOMES, F. S. G.; BORGES, G. L. F. N.; SILVA, P. L. S.; CAMPOS, E. J.; FERNANDES, E. A.; GUIMARÃES, E. C. Efeito da linhagem e da idade das matrizes na perda de peso dos ovos e no peso embrionário durante a incubação artificial. Bioscience Journal, Uberlândia, v.25, n.1, p.163-169, 2009.

SAS. Statistical Analysis Systems User´s Guide: Stat. Version 6. 4th ed.Cary: SAS Institute; v.2, 1996.

SCHMIDT, G. S.; FIGUEIREDO, E. A. P.; SAATKAMP, M. G.; BOMM, E. R. Effect of Storage Period and Egg Weight on Embryo Development and Incubation Results. Brazilian Journal of Poultry Science, Campinas, v. 11, n.1, p. 01- 05, 2009.

SILVA, E. N. Doenças de transmissão vertical. In: Manejo da Incubação. 2 ed. Jaboticabal: FACTA, p.378-393, 2003.

TANURE, C. B. G. S.; CAFÉ, M. B.; LEANDRO, N. S. M.; BAIÃO, N. C.; STRINGHINI, J. H.; GOMES, N. A. Efeitos da idade da matriz leve e do período de armazenamento de ovos incubáveis no rendimento de incubação. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, Belo Horizonte, v.61, n.6, p.1391- 1396, 2009.

TONA, K.; BAMELIS, F.; COUCKE, W.; BRUGGEMAN, V.; DECUYPERE, E. Relationship between broiler breeder´s age and egg weight loss and embryonic mortality during incubation in large-scale condictions. Journal of Applied Poultry Research, Athens, v.10, p.221-227, 2001.

VIEIRA, S. L.; MORAN, J. R. E. T. Broiler yields using chicks hatched from eggs weight extremes and diverse strains. Journal of Applied Poultry Research, Athens, v.7, n.4, p.339- 346, 2001.

Esse artigo técnico foi publicado originalmente em ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, N.16; p. 1655.

 
Autor/s.
Engenheira pela Universidade Estadual de Campinas -UNICAMP-, SP, e mestre em Agriculture pela Cal Poly State University, concluiu PhD em Agricultural Engineering na Michigan State University, em 1980. É membro de academias e associações, sendo Diretora da FACTA-Fundação APINCO de Ciência e Tecnologia Avícola. Foi presidente da Associação Brasileira de Engenharia Agrícola-SBEA, da Asociación Latino Americana y del Caribe de Ingenieria Agricola - ALIA e da International Comission of Agricultural Engineering - CIGR.
 
remove_red_eye 906 forum 2 bar_chart Estatísticas share print
Compartilhar :
close
Ver todos os comentários
 
   | 
Copyright © 1999-2020 Engormix - All Rights Reserved