Engormix/Avicultura/Artigos técnicos

Nutrição e saúde intestinal de matrizes de frango de corte

Publicado: 15/12/2021
Autor/s. : Vitor Hugo Brandalize - Gerente Técnico - Cobb Vantress
As aves dependem de uma ótima saúde intestinal para digerir a ração com eficiência. No entanto, a própria composição da ração pode afetar direta e indiretamente a saúde intestinal. Por exemplo, contaminantes de rações, como micotoxinas, podem danificar diretamente o trato gastrointestinal. Alguns ingredientes da ração e mudanças na sua formulação podem impactar indiretamente a saúde intestinal, selecionando e enriquecendo o crescimento de espécies específicas de bactérias no intestino. Em alguns casos, essas mudanças podem fazer com que a população da microbiota se torne instável e leve a problemas de saúde intestinal.
Acesso à ração, formulação, digestibilidade, qualidade, processamento e aditivos são todos fatores importantes envolvidos na promoção e manutenção da saúde intestinal. O objetivo deste artigo é considerar alguns dos elementos nutricionais que são importantes para a saúde intestinal.
Acesso à ração
O principal objetivo do manejo após colocar os pintinhos na granja é conseguir o máximo de ingestão de água e ração possível para apoiar o crescimento e a saúde intestinal. O não cumprimento deste objetivo levará a problemas irreversíveis com o desempenho do lote impactando negativamente o crescimento, conversão alimentar, uniformidade do lote e saúde intestinal. Ao colocar os pintinhos na granja, certifique-se de que eles tenham fácil acesso a ração e água. Verifique-os para garantir que eles estão recebendo alimentação e água adequadas, examinando os papos. Para obter informações detalhadas sobre a colocação e manejo de pintinhos, consulte nosso Guia de Matrizes Cobb recém-atualizado (cobb-vantress.com/resources).
O acesso à ração e água é importante não apenas para o desenvolvimento do pintinho, mas para toda a vida do lote. A retirada da ração pode causar alterações composicionais na microbiota, afinamento dos intestinos e redução da altura das vilosidades. Ao contrário dos frangos que são alimentados ad libitum, os programas de alimentação de matrizes são projetados para controlar o peso corporal e promover a produção de ovos. Portanto, matrizes de frango de corte são geralmente alimentados uma vez por dia, mas alguns produtores usam planos alternativos de alimentação. As matrizes se aclimataram a esses programas de alimentação, aumentando o tempo de retenção da ração no trato gastrointestinal para que a quantidade máxima de nutrientes possa ser extraída da ração. No entanto, é importante alimentar as aves no mesmo horário do dia para evitar o estresse e manter a população da microbiota estável. Também é crucial garantir que o comedouro e o espaço de água estejam corretos com base na densidade de aves. Espaço incorreto de ração/água pode ser uma questão de saúde intestinal, desempenho de produção e bem-estar animal.
Formulação de Ração e Ingredientes
Em muitas regiões, as matrizes de frangos de corte são alimentadas com uma dieta à base de milho e farelo de soja. Outras regiões usam cereais (trigo, cevada) como alternativas ao milho. Da mesma forma, outras fontes de proteína além do farelo de soja podem ser usadas, incluindo tremoço, farelo de girassol, farelo de canola ou farelo de colza. Uma diferença notável entre esses ingredientes é a quantidade e os tipos de polissacarídeos não amiláceos (PNA) nesses ingredientes vegetais (Tabela 1).
Alguns consideram os PNAs anti-nutritivos por causa de seu impacto na viscosidade digestiva. No entanto, esses polissacarídeos complexos podem ser fermentados para sustentar uma comunidade microbiana saudável e produzir ácidos graxos que o frango pode usar como fonte de energia. Diferentes PNAs são fermentados seletivamente por diferentes bactérias e, portanto, o enriquecimento direcionado de espécies bacterianas pode ser realizado usando um PNA específico. Dadas as diferenças nos tipos de PNA nas dietas à base de milho e farelo de soja e trigo, surge a questão de qual dieta é melhor para a saúde intestinal. Infelizmente, existem muitas variáveis ?? envolvidas para responder à pergunta. Por exemplo, no trato digestivo, os PNAs são estruturalmente complexos e interagem com outros nutrientes e componentes digestivos tornando difícil determinar seus destinos. Outros fatores a serem considerados incluem o impacto do processamento nos ingredientes da ração e a variabilidade da qualidade (de milho ou trigo).
Os aditivos alimentares podem ser usados ??para promover a absorção de nutrientes (acidificantes), estender a vida útil (antioxidantes) e melhorar a digestibilidade (enzimas). Os acidificantes na ração reduzem o pH gastrointestinal, o que promove a absorção de cálcio e proteína e seleciona espécies bacterianas benéficas. Os antioxidantes podem ser usados ??para prevenir a rancificação da gordura, uma vez que a gordura rançosa no intestino demonstrou desafiar a estabilidade da microbiota e selecionar populações de “ E. coli “. Embora enzimas possam ser adicionadas para melhorar a digestibilidade, elas são usadas mais na produção de frangos de corte do que em matrizes pesadas. Em geral, é altamente recomendável testar qualquer aditivo para rações antes de torná-lo parte de seu programa nutricional.
Qualidade da Ração
A segurança da ração é um critério importante para a seleção de ingredientes. Os contaminantes na ração podem afetar a saúde intestinal, danificando diretamente os intestinos e/ou perturbando a microbiota. Para reduzir o risco de contaminação, as avaliações de controle de qualidade dos alimentos para animais com testes e auditorias são prudentes. Os perigos dos ingredientes podem ser classificados em 3 grupos principais: químicos, biológicos e físicos. Os perigos químicos incluem pesticidas, metais pesados, dioxinas, melamina e resíduos de antibióticos. Os pesticidas são monitorados principalmente em produtos de grãos, enquanto os metais pesados ??são problemas associados às fontes minerais. Os micróbios apresentam riscos biológicos que podem causar problemas de saúde e incluem bactérias, principalmente “ Salmonella “, bem como fungos, que podem produzir micotoxinas. O último grupo, riscos físicos, são contaminantes como plástico, vidro ou metal. Riscos físicos podem ser detectados com intervenções no processo (ímãs) e análises laboratoriais.
O processamento
Deve-se observar que o processamento de ingredientes crus podem impactar na qualidade da ração. Por exemplo, cozimento insuficiente ou excessivo da soja pode afetar a digestibilidade e a disponibilidade de proteínas. Dependendo das condições de processamento e armazenamento do milho, pode formar-se amido retrogradado, que é menos digerível. Conforme observado, os grãos mantidos em más condições de armazenamento podem ficar mofados, levando à contaminação por micotoxinas. As micotoxinas são estáveis ??ao calor, portanto, uma vez presentes, não podem ser removidas e os produtores estão limitados a usar adsorventes de micotoxinas.
A escolha da forma de ração (peletizada, triturada ou farelada) depende de vários fatores, como idade do lote e formulação da ração. Entre as formas de ração, o tamanho da partícula e a uniformidade são importantes em rações trituradas e fareladas, mas não tão significantes em rações peletizadas porque a ração peletizada é altamente processada. O tamanho das partículas para rações em fareladas e trituradas são considerações importantes para a idade, porque os pintinhos podem ter dificuldade em digerir partículas grandes, já que a moela e o trato intestinal não estão completamente desenvolvidos. A uniformidade do tamanho das partículas também é importante porque as aves mais velhas podem selecionar partículas maiores e deixar as finas. Ambos os casos podem causar problemas nutricionais, de saúde intestinal e de saúde em geral.
Com relação ao tamanho, as partículas pequenas fornecem maior área de superfície para que as enzimas digestivas e as secreções alcancem seu objetivo e são consideradas mais fáceis de digerir. Por outro lado, acredita-se que o tamanho de partícula grande estimule o desenvolvimento e a atividade da moela, e as partículas maiores são retidas por mais tempo no trato intestinal. Um tempo de retenção mais longo pode ajudar a liberar mais amido nos grãos de cereais, o que facilitará a fermentação bacteriana. Atualmente, um tamanho de partícula de 900 a 1100 µm é recomendado para uma digestibilidade ideal.
Conclusões
A ração, junto com seus ingredientes, devem ser avaliadas quanto à qualidade porque a ração tem um impacto maior na saúde intestinal do que qualquer outro fator. Considere os contaminantes e o tamanho das partículas porque eles podem afetar a saúde intestinal diretamente ou por meio da modulação das populações de bactérias no intestino. O acesso à ração com o espaço correto do comedouro é crucial para o lote em todas as idades. No entanto, não se esqueça da água, o nutriente mais importante. O acesso a água de boa qualidade é necessário para uma boa digestão e saúde intestinal. 
Tabela 1.
Tabela 1.

Fonte: http://cobbmale.com.br/pt/mostraConteudo.php/?uid=48272CCE-FA77-4421-89DC-6779693A84B8&slug=nutricao-e-saude-intestinal-de-matrizes-de-frangos-de-corte-por-vitor-hugo-brandalize

 
Autor/s. :
 
Visualizações225Comentários 0EstatísticasCompartilhar