Realidade e desafios do sistema de alojamento coletivo para fêmeas suínas gestantes

Publicado: 20/07/2015
Autor/s. :

Em função da pressão exercida por grupos ativistas e a adesão de de grandes empresas para contemplar o mercado, desde o ano de 2013, a União Europeia permite o uso de gaiolas individuais para fêmeas suínas gestante somente até 28 dias após a inseminação. Em seguida, as matrizes devem ser transferidas para baias e alojadas em grupos com área disponível de 2,2 m² por animal. Alterações similares vêm sendo sugeridas para mercados como os Estados Unidos, porém, críticas e questionamentos sobre o sistema têm sido levantados por produtores e pesquisadores norte-americanos. No Brasil o uso dos sistemas coletivos de alojamento vem sendo divulgado como uma alternativa para proporcionar o bem estar animal, no entanto deve ser tratado com cautela.

 

Apesar dos esforços para atender as exigências de bem estar animal e manter a produtividade, o sistema de alojamento coletivo apresenta desafios que devem ser melhor entendidos. Fêmeas suínas gestantes alojadas em sistema coletivo podem sofrer várias situações de estresse como restrição alimentar devido a conflitos sociais e brigas após o agrupamento, o que pode resultar em estresse pré-natal (SECKL et al., 2004). As fêmeas brigam naturalmente durante toda a gestação (BROOM et al., 1995), mas principalmente nas primeiras 48 h após a realização de um grupamento (AREY & EDWARDS, 1998). Esses conflitos hierárquicos geram estresse que pode impactar negativamente na reprodução e reduzir a lucratividade da atividade, dependendo do momento em que ocorre o agrupamento. Também, as brigas e a maior movimentação das fêmeas têm sido associadas a maiores problemas locomotores e vêm sendo relatadas como a causa mais comum de descarte de fêmeas alojadas em baias coletivas (KIRK et al., 2005, ENGBLOM et al., 2008). O alojamento coletivo por sua vez dificulta a observação de enfermidades que acometem as fêmeas e a realização de medicações e vacinações se torna mais laborosa.

O sistema de alojamento coletivo é diretamente impactado pela forma de oferecimento de alimento às matrizes. A alimentação pode gerar competição quando fornecida diretamente no chão, em comedouros abertos ou por sistemas eletrônicos onde não há espaço disponível para o consumo individual do alimento. Porém, buscando amenizar os problemas de brigas do alojamento coletivo, o sistema mais difundido é o Electronic Sow Feeding (ESF). Por se tratar de um sistema de alimentação individual, por meio de leitura de identificador eletrônico associado ao brinco da porca, permite às fêmeas ingerirem quantidades diárias de alimento dentro da estação de alimentação, aumentando a precisão da quantidade ideal de dieta, porém depende da entrada voluntária das fêmeas no sistema de alimentação.

Para amenizar esses problemas devemos ter o devido cuidado ao implementar uma granja com alojamento coletivo, conhecendo de antemão as questões estruturais e de manejo. Dentre os aprendizados dos últimos anos na indústria norte-americana, o desenho de baias grandes (aprox. para 270 fêmeas para uma granja de 5,400 matrizes) em forma de “circuito” na qual as fêmeas precisam dar uma volta inteira na baia para poder retornar para a estação alimentar, tem diminuído a interação negativa entre as fêmeas. Além disso, diferentes empresas utilizam diferentes números de fêmeas por estação de alimentação, podendo variar de 45 até 80 fêmeas por estação. A experiência norte-americana sugere que para diminuir o estresse nas baias, a utilização de 45-55 fêmeas por estação se faz necessário. Outros fatores podem impactar como espaço disponível/animal na baia, número total de animais nas baias, o manejo de entrada dos animais no alojamento coletivo (dinâmico x estático) e o momento gestacional quando é realizada essa entrada.

Existe ainda uma alternativa recentemente discutida por pesquisadores americanos que permite a fêmea ter livre acesso as gaiolas, conhecido como free access. Essas possuem travas que permitem as fêmeas se alimentarem de forma individual e se manterem protegidas das agressões de outras fêmeas, ou quando desejarem, sair para uma área comum que permite a movimentação e interação social. É importante salientar que as fêmeas tendem a permanecer 90% do tempo protegidas dentro das gaiolas, por vontade própria (CCF, 2014).

Do ponto de vista de desempenho reprodutivo, a literatura (SOEDE et al. 2006, HARRIS et al. 2006) sugere que os mesmos resultados do alojamento em gaiolas individuais podem ser alcançados. O desafio, entretanto, do sistema de alojamento coletivo com o sistema ESF é a curva de aprendizado da equipe em como gerenciar adequadamente esta granja. Este período de aprendizado gira em torno de 1,5 a 3 anos.

Conhecer o sistema de alojamento coletivo e dar a devida importância às suas particularidades é determinante para o seu sucesso. É possível manter o mesmo desempenho reprodutivo usando alojamento coletivo e, no caso do ESF, especialmente após o período de aprendizadao da equipe da granja. É importante que o desenho das baias, o número de estações por baia e o número de matrizes por estação seja bem planejado antes da implementação do ESF.

Referências

AREY, D. S.; EDWARDS, S. A. Factors influencing aggression between sows after mixing and the consequences for welfare and production. Livestock Production Science, v. 56, p. 61–70, 1998.

BROOM, D. M.; MENDLT, M. T.; ZANELLA, A. J. A comparison of the welfare of sows in different housing conditions. Animal Science, v. 61, p. 369-385, 1995.

CONSUMER FREEDOM, What vets & farmers say. Disponível em: http://maternitypens.com/?utm_source=facebook&utm_medium=referral&utm_campaign=SowFacts#maternity_pens, acessado 30 mar. 2015.

ENGBLOM, L. et al. Post mortem findings in sows and gilts euthanized or found dead in a large Swedish herd. Acta Veterinaria Scandinavica, v. 50, n. 25 p. 1–10, 2008.

HARRIS, M. J. et al. Effects of stall or small group gestation housing on the production, health and behaviour of gilts. Livestock Science, v. 102, n. 1-2, p. 171–179, 2006.

KIRK, R. K. et al. Locomotive disorders associated with sow mortality in Danish pig herds. Journal of Veterinary Medicine, Series A – Physiology Pathology Clinical Medicine, v. 52, p. 423–428, 2005.

SOEDE, N. M. et al. Influence of repeated regrouping on reproduction in gilts. Animal Reproduction Science, v. 96, p. 133–145, 2006.

 
remove_red_eye 202 forum 7 bar_chart Estatísticas share print
Compartilhar :
close
Ver todos os comentários
 
   | 
Copyright © 1999-2019 Engormix - All Rights Reserved