INSTALAÇÕES NA SUINOCULTURA VISANDO A MAXIMIZAÇÃO DE RESULTADOS ZOOTÉCNICOS E DE AMBIÊNCIA

Publicado: 07/12/2015
Autor/s. :

Considerações Gerais.

Atualmente, adequar às instalações e o desempenho dos animais frente às variações meteorológicas são um desafio permanente nos sistemas de produção industrial de animais, incluindo a suinoculturas. Os conceitos de ambiente controlado, ambiência e bem-estar de animais e do trabalhador muitas vezes se misturam num complexo conjunto de fatores que influenciam os resultados produtivos e sustentáveis da cadeia produtiva.

 

Com o avanço tecnológico e a disponibilidade de diferentes ferramentas de tomada de decisão, devem-se considerar todos os fatores relacionados ao desempenho da produção de suínos. Nesse contexto ao abordar a temática “Instalações visando à maximização de resultados zootécnicos e ambiência”, não podemos deixar de considerar os conceitos amplos da Ambiência Animal com uma abordagem sistêmica em toda a cadeia.

 

No passado, o conceito de Ambiência Animal, estava relacionado com o conforto térmico das instalações focando os aspectos da estrutura, dos materiais e dos sistemas de controle (sendo eles, os naturais e os artificiais). Com o passar dos anos, e com os avanços da microeletrônica, da zootecnia de precisão, houve uma mudança de conceitos, ampliando os horizontes da Ambiência Animal, não só sob o aspecto das áreas de abrangências (física, química, biológica) como também nos aspectos relacionados a localização no ciclo de produção (ambiência pré-porteira, ambiência dentro da granja suinícola, e ambiência no pós-porteira). Todas essas mudanças focam num único objetivo: identificar os gargalos tecnológicos, pontuando onde ocorrem as perdas, e consequentemente atuando na redução das mesmas.

 

Em todas as análises de ciclos de produção não se pode deixar de considerar as características produtivas da cadeia como: ganho de peso, conversão alimentar, número de partos/porca/ano, número de abortos, tamanhos das leitegadas, índice de descarte, taxas de mortalidade, etc. Aliado a esses dados fundamentais para o sistema de produção é importante associar as variações climáticas (temperatura, umidade relativa, velocidade do vento, radiação solar, dentre outros), a qualidade do ar no interior das instalações (nível de amônia, poeiras e outros gases), e a qualidade acústica do ambiente (nível de pressão sonora e ruídos). O somatório desses fatores compõe o que hoje chamamos de Ambiência Animal (Térmica, Aérea e Acústica). As inter-relações entre esses conceitos definem a Ambiência Moderna, como pode ser observado na Figura 01. Ao mesmo tempo, quando se analisa a Ambiência Suinícola em relação a fase durante o ciclo de produção, não podemos deixar de considerar todos os diferentes fatores que influenciam na fase de criação e seleção dos reprodutores (seleção genética, treinamento de cachaços, etc), na granja de produção (gestação, maternidade, creche, crescimento e terminação) e nas operações pré-abate (transporte e abate) nos abatedouros. De acordo com esse foco, temos a classificação da ambiência de acordo com a Figura 1.

 

Figura 1 – Classificação da Ambiência Suinícola em função das diferentes áreas de abrangência.

 

O foco da suinocultura moderna continua sendo o alto desempenho das matrizes, por isto as granjas adotam estratégias arrojadas de controle ambiental (uso de equipamentos) e de manejo nutricional (dietas específicas) reprodutivo (biotécnicas da reprodução) com o objetivo de incrementar os índices de produtividade dos plantéis, com ênfase nos países situados em regiões tropicais como o Brasil. Contudo, a utilização dessas tecnologias avançadas, associada ao alojamento das fêmeas em gaiolas, quase sempre expostas a temperaturas ambientais elevadas, pode comprometer os parámetros fisiológicos e o metabolismo, nas diferentes fases do ciclo de produção. Nesse impasse atualmente os conceitos de ambiência e ambiente de produção está diretamente relacionado com a ciência do bemestar dos animais.

 

Avaliando em nível da indústria suína, as principais questões relacionadas com espaço estão voltadas para os sistemas que impõem restrições físicas e comportamentais às porcas durante as diferentes fases (gestação, parto e lactação) do ciclo de produção (Baxter; Lawrence; Edwards, 2012). Por outro lado, discute-se que a oportunidade de agrupar matrizes para melhorar o bem-estar está presentemente limitada pelos altos níveis de agressão comumente observados após a formação de novos grupos, e caso esta agressão seja intensa e prolongada pode resultar em injúrias e estresse (Hemsworth et al., 2013). Considerando que as operações suinícolas estabelecem metas de eficiencia reprodutiva e produtiva a serem alcançadas, com o fim de viabilizar o lucro do empreendimento, mas que na maioria das vezes não dimensiona o seu impacto sobre a saúde e o desempenho dos animais, a proposta desta apresentação é unir os conceitos de ambiência, bem-estar animal nos sistemas produtivos da suinocultura moderna.

 

Efeito do estresse térmico no comportamento e desempenho de suínos.

Inúmeras pesquisas têm demonstrado que as temperaturas ambientais elevadas e as condições climáticas adversas podem influenciar negativamente o desempenho de matrizes e leitegadas, uma vez que alterações na homeostase contribuem para reduzir o consumo de alimentos e aumentar a perda de condição corporal, com reflexos na produção, na composição leite e, por conseguinte, no ganho de peso de leitões lactentes (Martins e Costa, 2008a). Esses efeitos negativos também se refletem sobre os parâmetros reprodutivos das fêmeas (retardo no aparecimento e repetições do estro, perdas embrionárias e fetais, maior incidência de natimortos e de leitões de baixo peso ao nascer), além do estresse térmico também contribuir para o surgimento mais frequente de estereotipias anormais (Silva et al., 2008)

 

Fatores como Umidade Relativa do ar, temperatura ambiente, índices de radiação solar e ordem de parição podem interferir nas interações comportamentais entre porcas lactantes e suas leitegadas uma vez que todas as fêmeas se tornam inativas durante os períodos mais quentes do dia, reduzindo a frequência de postura em decúbito lateral e o número de amamentações pelos leitões (Costa e Martins, 2013). Deve-se considerar que é na maternidade é que ocorrem as principais perdas em um sistema produtivo, visto que é o cerne de uma empresa suinícola.

 

Dentre as diferentes etapas do ciclo de produção, a maternidade é uma fase muito importante na criação de suínos na qual se devem conciliar, simultaneamente, as necessidades opostas dos leitões com as da fêmea em um mesmo ambiente. A faixa de conforto térmico ambiente para o leitão situa-se entre 32 e 34°C nos primeiros dias de vida, sendo que para a matriz esta faixa é de 16 a 21°C (Perdomo et al., 1987). Em razão dos requerimentos nutricionais, a porca em lactação é particularmente sensível às temperaturas ambientais elevadas (Gourdine et al., 2007). O estudo conduzido por estes autores, com matrizes, sugeriu que as respostas termoreguladoras ao estresse térmico podem diferir entre raças e ordem de parição, sendo que nas matrizes Large White a temperatura retal esteve associada à condição corporal ao parto e produção de leite nas primíparas e a mudança corporal durante a lactação nas multíparas. Durante a lactação em ambientes quentes as porcas aumentam a frequência respiratória na tentativa de facilitar o resfriamento das vias respiratórias e a perda de calor evaporativo, mecanismo este que visa priorizar a manutenção da homeotermia (Martins e Costa, 2008a).

 

A maior temperatura do ar exigida para o conforto térmico de suínos jovens se deve ao fato dos animais jovens terem ainda seu sistema termorregulador pouco desenvolvido, possuírem superfícieespecífica em contato com o ambiente relativamente grande, reserva energética baixa e porcentagem de gordura subcutânea em torno de 1 a 2 %, o que confere pequeno isolamento térmico. Com isto, o leitão recém-nascido tem facilidade para perder calor corporal rapidamente. Como consequências, ocorrem aumento da taxa metabólica e desvios de nutrientes, pois parte da energia utilizada para produção será utilizada na manutenção da temperatura corporal, deixando o animal susceptível às infecções enterogênicas e morte nas primeiras horas de vida (Hannas,1999 e Miyada, 1999). Já as maternidades excessivamente fechadas, com poucas aberturas (menos de 20% das paredes laterais), prejudicam o conforto, principalmente das porcas, com consequências para a leitegada. Por outro lado, variações térmicas diárias com amplitudes superiores a 6 o C, de ocorrência muito comum em instalações mais abertas, quando situadas fora dos limites de conforto das porcas (16 a 27°C), afetam a produtividade das matrizes (Mores, 1993), sem desconsiderar as outras etapas do ciclo produtivo. Os efeitos negativos do calor sobre o desempenho e nos parâmetros fisiológicos como, por exemplo, na temperatura retal de matrizes, já foi demonstrado por vários autores, mesmo que a porca diminua seu nível de produção calórica, a temperatura retal aumenta durante a estação quente (Gourdine et al., 2007). Estes autores demonstraram um melhoramento na tolerância ao calor de acordo com da orden de parição, sugerindo que mecanismos fisiológicos e metabólicos envolvidos nas porcas sob estresse são diferentes entre premiparás e multíparas.

 

Bortolozzo et al. (1997) conduzindo pesquisas em locais onde as temperaturas do ar no verão foram superiores a 24°C, verificaram diminuição da fertilidade das fêmeas suínas e altas porcentagens de repetição de cio. Barb et al. (1991), verificaram também maior mobilização de gordura corporal durante a lactação de matrizes expostas ao calor. Ao contrário, em regiões onde os dias com maior temperatura do ar não ultrapassaram 24°C, não foram observados efeitos significativos sobre a fertilidade e taxa de concepção das fêmeas (Esmay, 1982).

 

O efeito da duração do aquecimento do piso (calor de 35°C por 12 ou 48 horas) após o nascimento do primeiro leitão sob di Perdomo CC, Sobestiansk J, Oliveira PVA, Oliveira JA (1987) Efeito de diferentes sistemas de aquecimento no desempenho de leitões. Concórdia, EMBRAPACNPSA. p.1-3 (Comunicado técnico, 122).

 

Diferentes condições de temperatura da instalação (15, 20 e 25°C) foram investigadas durante o parto e a lactação (Malmkvistet al., 2012). A provisão de aquecimento adicional do piso (34°C) ao nascimento e início de vida mostrou-se favorável para restabelecer a temperatura retal normal, iniciação da amamentação e sobrevivência do leitão nascido a 21°C, contudo resultou em estresse térmico para a porca, ao menos sob condições limitadas para exibir o comportamento de termorregulação corporal. No estudo em questão, os indicadores de longa duração de desempenho das porcas não foram afetados pela temperatura da instalação, provavelmente porque o desenho das baias foi adequado para garantir este tipo de comportamento e se adaptar as temperaturas dos galpões entre 15 e 25°C. Por sua vez, a análise da termorregulação, das respostas metabólicas e da reprodução de porcas expostas a estresse calórico (24 a 30°C) ou ambiente termoneutro (18 a 20°C) durante gestação, lactação e cobertura permitiu concluir que os efeitos do estresse calórico foram bem maiores na temperatura retal, frequência respiratória, consumo de alimento e hormônios metabólicos durante o período lactacional e que afetou o peso dos leitões a desmama, porém não houve influência sobre a nova cobertura e o subsequente desempenho na parição (Williams et al., 2013).

 

Quanto ao ambiente de creche, de maneira geral, a melhor instalação é aquela em que os leitões não tenham contato com as fezes, o piso permita um bom escoamento dos dejetos dos leitões, não apresente umidade excessiva (máximo de 70%), não seja fria, e o ambiente mantenha uma ventilação sanitária mínima. É importante observar que é na fase de creche que o leitão tem a melhor conversão alimentar, a qual deve ser mantida otimizada. Porém, é uma fase crítica, que exige atenção e cuidados com o manejo, sanidade e nutrição dos leitões.

 

Pesquisa realizada por Quinioun et al. (2000), com suínos no crescimento e terminação, entre 25 kg e 110 kg, constatou que o aumento ou a diminuição da ingestão de alimentos estão relacionados com a oscilação da temperatura do ar. Quando essa variação foi de 1,5°C para as temperaturas médias do ar de 24 ou 28°C, a ingestão extra de alimento nos períodos frios compensou a menor ingestão dos períodos quentes e não afetou o desempenho dos animais. Esta compensação não aconteceu quando a amplitude térmica foi de 3°C ou 4,5°C para 24 ou 28°C de temperatura do ar respectiva- mente, sendo que neste caso, ocorreu menor ingestão alimentar e pior desempenho dos animais.

 

Para caracterizar as condições térmicas do ambiente, alguns índices têm sido aprimorados e utilizados com objetivo de predizer, por meio de um único valor, as condições térmicas de um determinado ambiente. Um dos índices de conforto térmico utilizados atualmente é o índice de entalpia, proposto por Rodrigues et al (2010), considerando a entalpia como uma grandeza psicrométrica que reflete a quantidade de calor existente no ar. A determinação desse índice é física, considerando os valores de temperatura e unidade relativa local. Na verdade, trata-se de uma aplicação de uma das características do ar, sendo expressa em Kcal/Kg de ar seco, ou seja, a quantidade de calor existente em um quilograma de ar seco, no ambiente avaliado. Dessa forma, quanto maior os valores de entalpia, maior a quantidade de calor existente no ambiente. Todo o esforço então se resume em reduzir a quantidade de calor dentro das instalações: o calor externo oriundo das condições climáticas da região e o calor interno oriundo dos animais, e equipamento

 

Atualmente, algumas mudanças têm surgido na produção de suínos, em geral na produção convencional de suínos, normalmente os animais são criados em instalações separadas, conforme sua idade e categoria (creche, crescimento, terminação). Porém, atualmente, verifica-se o surgimento de um novo sistema no qual, nas fases de creche e terminação, os animais são criados em uma mesma instalação. Este manejo tem sido empregado para se ajustar às exigências ambientais, maximizar a utilização das instalações, diminuir a movimentação dos animais, consequentemente, diminuindo o estresse, e com isso, melhorar o bem-estar e o desempenho dos animais. Novos manejos visando a maximização dos fatores que envolvem o sistema produtivo.

 

O sucesso na produção intensiva de animais está diretamente relacionado ao manejo eficiente do ambiente e depende da adequação das condições de conforto térmico dos animais alojados, devido à influência dos elementos meteorológicos que favorecem ou prejudicam seu desempenho (Lima et al., 2011; Silva et al., 2012).

 

Desta forma, o conhecimento do ambiente criatório de uma instalação de suínos criados em sistema “wean to finish” é importante, pois os fatores climáticos e as concentrações de amônia e dióxido de carbono afetam o bem-estar e a produtividade dos animais.

 

Uma das maneiras de quantificar o bem-estar animal do ponto de vista térmico e aéreo seria a avaliação das variáveis de temperatura, umidade relativa e velocidade do ar, bem como a concentração de amônia e de dióxido de carbono que influencia na homeotermia e sanidade dos suínos. As condições climáticas apresentadas no interior da instalação são resultantes do manejo do sistema de ventilação e do sistema de aquecimento, bem como a tipologia da granja em que esses animais estão inseridos, as quais objetivam oferecer ambiente adequado para que o animal possa apresentar seu máximo desempenho produtivo (Martin, 2012).

 

Considerações Finais.

As características regionais, logísticas de cada sistema de produção de suínos devem ser consideradas ao avaliar a eficiência da cadeia. Os resultados da ambiência e seus investimentos resultarão em boas medidas preventivas podendo favorecer um planejamento a médio longo prazo. Inovações tecnológicas sejam elas para as instalações e/ou para os diferentes modelos de produção deverão ser agregadas paulatinamente evitando o impacto gerado pelas mudanças no sistema.

 

Referencias Bibliográficas.

1. Barb OR, Estienne MJ, Kraeling RR, Marple DN, Rampacek GB, Rahe H, Sartin J Endocrine changes in sows exposed to elevated ambient temperature during lactation. Domestic Animal Endocrinology, 8: 117-1 27, 1991

2. Baxter, E.M.; Lawrence, A.B.; Edwards, S.A. Alternative farrowing accommodation: welfare and economic aspects of existing farrowing and lactation systems for pigs. Animal, v. 6, n. 1, p. 96-117, 2012.

3. Baxter, E.M.; Rutherford, K.M.D.; D`Eath, R.B. et al. Welfare implications of large litter size in the domestic pig II: management factors. Animal Welfare, v. 22, p. 219-238, 2013.

4. Bortolozzo ER, Wentz L, Brandt G, Nobre Jr; A Influência da temperatura corporal sobre a eficiência reprodutiva em fêmeas suínas. ln: Congresso brasileiro de veterinários especialistas em suínos, Foz do lguaçu. Anais, Abraves. p. 28l-282, 1997.

5. Campos, J. A.; Tinôco, I. F. F; BAÊTA, F. C.; Cecon, P. R.; Mauri, A. L. Qualidade do ar, ambiente térmico e desempenho de suínos criados em creches com dimensões diferentes. Engenharia Agrícola, Jaboticabal, v.29, n.3, p.339-347, 2009.

6. Costa, A.N.; Martins, T.D.D. Issues and challenges in meeting well-being concerns of sows and litters. CAB Reviews, v. 8, n. 48, 2013. 8p.

7. Esmay ML Principles of animal environment. Westport, Avi Publishing Company lnc, 325p.1982.

8. Gourdine, J.L.; Bidanel, J.P.; Noblet, J. et al. Rectal temperature of lactating sows in a tropical humid climate according to breed, parity and season. Asian-Australasian Journal of Animal Science, v. 20, n. 6, p. 832-841, 2007.

9. Hannas MI (1999) Aspectos fisiológicos e a produção de suínos em clima quente. In: Silva, IJO (Org.). Ambiência e qualidade na produção de suínos. Piracicaba, FEALQ. p. 1-33.

10. Hemsworth, P.H.; Rice, M.; Nash, J. et al. Effects of group size and floor space aloowance on grouped sows: aggression, stress, skin injuries, and reproductive performance. Journal of Animal Science, v. 91, p. 4953-4964, 2013.

11. Kiefer, C.; Moura, M.S.; Silva, E.A.; Santos, A.P.; Silva, C.M.; Luz, M.F.; Nantes, C.L. Respostas de suínos em terminação mantidos em diferentes ambientes térmicos. Revista Brasileira Saúde Produção Animal, Salvador, v.11, n.2, p. 496-504, 20.

12. Lima, A. L.; Oliveira, R. F. M.; Donzele, J. L.; Fernandes, H. C.; Campos, Paulo H. R. F.; Antunes, M. V. L. Resfriamento do piso da maternidade para porcas em lactação no verão. Revista Brasileira de Zootecnia, Viçosa, MG, v. 40, n. 4, p. 804-811, 2011.

13. Malmkvist, J.; Pedersen, L.J.; Kammersgaard, T.S. et al. Influence of thermal environment on sows around farrowing and during the lactation period. Journal of Animal Science, v. 90, p. 3186-3199, 2012.

14. Martins, T.D.D. ; COSTA, A.N. Desempenho e comportamento de fêmeas suínas lactantes criadas em climas tropicais. Archives de Zootechnia, v. 57 (R), p. 77-88, 2008.

15. Martin, W.R. Effects of heat stress on thermoregulation, reproduction and performance of different parity sows. 2012. 154f. Thesis (Master of Science) - Faculty of the Graduate School University of Missouri, Missouri, 2012.

16. Miyada VS. Novas tendências para a nutrição de suínos em clima quente. In: Silva, I JO (Org.). Ambiência e qualidade na produção de suínos. Piracicaba, FEALQ. p. 34-60. 1999.

17. Pandorfi, H.; Almeida, G. L. P.; Guiselini, C. Zootecnia de precisão: princípios básicos e atualidades na suinocultura. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal, Salvador, v. 13, n. 2, p. 558-568, 2012.

18. Panzardi, A.; Mellagi, A.P.G.; Bierhals, T. et al. Ganho de peso de porcas gestantes associado ao comportamento em baias e à uniformidade da leitegada. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 46, n. 11, p. 1562-1569, 2011.

19. Quinioun N, Massabie P, Granier R (2000) Diurnally variation of ambient temperature around 24 ou 28º: Influense on performance and feeding behavior of growing pigs. In: Proceedings of the 1st internatinal conference, Iowa, Swine Housing. p. 332-339.

20. Rivero R (1986) Condicionamento térmico natural: arquitetura e clima. Porto Alegre, D.C. Luzzatto Editores, 240p.

21. Silva, J.I.O.; Pandorfi, H.; Piedade, S.M.S. Influência do sistema de alojamento no comportamento e bem-estar de matrizes suínas em gestação. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 37, n. 7, p. 1319-1329, 2008.

22. Silva, I. M.; Pandorfi, H.; Almeida, G. L. P.; Guiselini, C.; Caldas, A. M.; Jacob, A. L. Análise espacial das condições térmicas do ambiente pré-ordenha de bovinos leiteiros sob regimes de climatização. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 16, n. 8, p. 903-909, 2012.

23. Soares, E. A.; Leal, A. F.; Malheiros Filho, J. R.; Camrini, N. L.; Nascimento,J. W. B., Demerval, A. F. Zoneamento bioclimático para produção de suínos na maternidade no município de Areia – PB. Revista Educação Agrícola Superior, Brasília, v. 24, n. 1, p. 3-6, 2009.

24. Vanheukelom, V.; Driessen, B.; Geers, R. The effects of environmental enrichment on the behaviour of suckling piglets and lactating sows: a review. Livestock Science, v. 143, p. 116-131, 2012

25. Williams, A.M.; Safranski, T.J.; Spiers, D.E. et al. Effects of a controlled heat stress during late gestation, lactation and after weaning on thermoregulation, metabolism, and reproduction of primiparous sows. Journal of Animal Science, v. 91, p. 2700- 2714, 2013.

 

***O TRABALHO FOI ORIGINALMENTE APRESENTADO DURANTE O XVII CONGRESSO ABRAVES 2015- SUINOCULTURA EM TRANSFORMAÇÂO, ENTRE OS DIAS 20 e 23 DE OUTUBRO, EM CAMPINAS, SP.

 
remove_red_eye 1954 forum 1 bar_chart Estatísticas share print
Compartilhar :
close
Ver todos os comentários
 
   | 
Copyright © 1999-2020 Engormix - All Rights Reserved