Engormix/Suinocultura/Artigos técnicos

Estresse calórico em monogástricos

Publicado: 11/07/2022
Autor/s. : Ignacio López - Veterinario
Estresse calórico em monogástricos - Image 1
QUE É O ESTRESSE POR CALOR?
É uma combinação de fatores metabólicos e ambientais que  obriga os animais a sofrer adaptações que envolvem alterações fisiológicas e metabólicas e comportamento para manter a temperatura corporal dentro dos limites normais e constantes.
O estresse térmico é gerado quando a zona de conforto ambiental é ultrapassada e isso acontece quando a combinação de temperatura, umidade e velocidade do ar aciona os mecanismos de defesa do animal.
Aves e suínos são especialmente suscetíveis aos efeitos do calor devido à sua incapacidade de compensar as mudanças de temperatura pela transpiração. A seleção genética nas principais linhas produtoras tem sido acompanhada por um aumento no ritmo metabólico.
A regulação do calor e aves e suínos ocorre pelos mecanismos de convecção, condução,radiação, evaporação (ofegante) e excreção.
A zona termoneutra para suínos pode variar de 18°C a 24°C.
Figura 1. Efeitos da temperatura e umidade relativa para fornecer uma classificação de zonas de alerta, perigo e emergência em suínos de engorda (Iowa State University).
Estresse calórico em monogástricos - Image 2
Estresse calórico em monogástricos - Image 1
Como isso afeta o animal?
O estresse térmico tem um enorme impacto nas taxas de produção. Em suínos, há uma clara relação entre conversão alimentar e a qualidade do canal com o estresse por calórico. Na reprodução, as perdas refletem-se no prolongamento do intervalo desmame-zelo, diminuição do número de nascidos vivos e do peso do nascimento ao desmame.
Também se descreve a relação entre o estresse térmico e a incidência de problemas entéricos e respiratórios. O estresse térmico gera alterações na barreira intestinal que levam ao aumento dapermeabilidade das endotoxinas, que causarão danos locais ou sistêmicos e/ou reações inflamatórias. Sob condições de estresse, o sangue é redirecionado para a periferia, o que leva a uma redução no fluxo sanguíneo intestinal que poderia comprometer ainda mais a integridade intestinal (Liu et al., 2016). E, em aves foi observada uma diminuição da resposta imune em animais afetados pelo estresse térmico.
Nas aves, o estresse térmico afeta a produção de ovos tanto em quantidade quanto em qualidade. Nesse sentido, se relacionao tamanho do ovo e a porcentagem de ovos com problemas de casca quando as galinhas são submetidas a condições adversas de temperatura e umidade. O estresse térmico foi demonstrado como causa de menor produção (-13% a -57%), pior conversão (31,6 a 36,4%), redução de peso de ovo (-3,24 a 3,41%), diminuição da espessura da casca do ovo (-1,2%), peso da casca do ovo (-9,93%) e porcentagem da casca do ovo (-0,66%) (Ebeid et al., 2012; Star et al., 2009). Sohail demonstrou, a relação entre estresse térmico e conversão alimentar em frangos de corte (+25,6%) e baixo peso (32,6%).
Nas aves, a figura 2 expressa os principais efeitos de acordo com as faixas de temperatura. É igualmente importante a faixa de temperatura, a umidade e a velocidade do ar; além da densidade de animais, entre outros fatores principais.
Estresse calórico em monogástricos - Image 4
Estresse calórico em monogástricos - Image 2
Figura 2. Efeito de diferentes intervalos de temperatura em aves.
Que ferramentas a Liptosa fornece para prevenir estresse calórico?
O gerenciamento das condições ambientais é essencial para um bom controle do estresse térmico. No entanto, existem condições ambientais que não podem ser contrariadas ou o custo torna-se inacessível. Nesses casos, a alimentação pode ser uma ferramenta para prevenir ou minimizar a incidência de estresse por calor. Racionar uma dieta ajustada para proteínas e otimizada para aminoácidos, limitar o conteúdo de carboidratos para reduzir a produção de calor e aumentar a densidade energética da dieta, são recomendações comuns a todas as espécies. Controlar os horários em que é oferecido alimentos, evitando aqueles de maior calor, podem ajudar em condições de calor extremo.
O uso de fitobióticos e nutracêuticos da linha HYGEN PRO previne problemas bacterianos secundários, servem como nutrientes para a mucosa intestinal e modulam a microbiota, reduzindo os efeitos do estresse térmico.
Outro fator fundamental é o fornecimento de água de excelente qualidade, organoléptica (cerca de 20ºC), bromatológica e microbiológica, em quantidade suficiente. A contribuição de eletrólitos - HIDRALIP e vitaminas - LIPTOSAFE e/ou LIPTOAMINOVIT - é de grande ajuda uma vez que haja um problema de estresse por calor. A acidificação da água potável é uma ferramenta ideal para prevenir infecções secundárias e favorecem a nutrição da mucosa intestinal em casos de estresse por calor: linhas LIPTOBAC e LIPTODAL de acidificantes de LIPTOSA.
HYGEN PRO RESPIRFRESH (líquido e pré-misturado) e IBOOSTER são nutracêuticos projetados para serem usados especificamente no controle e prevenção do estresse térmico em monogástricos. Hygen Pro RespirFresh é uma combinação de plantas com ativos broncodilatador, expectorante e anti-inflamatório que, com salicilatos, ajuda a melhorar a respiração, bem-estar animal, controlar a temperatura corporal e reduzir problemas respiratórios. HYGEN PRO RESPIRFRESH consegue melhorar o consumo de água e alimentos durante períodos de estresse por calor. Suas plantas também têm efeitos benéficos a nível intestinal.
IBOOSTER é um nutracêutico com atividade fitobiótica que combina ingredientes com atividade imunomoduladora e anti-inflamatório a nível intestinal e hepático. O reforço ajuda prevenir a inflamação crônica não específica a nível digestivo. Reduz o risco de aparecimento de doenças comuns típico de estresse por calor, como ileíte, clostridiose, etc. IBOOSTER mostrou um efeito imunoestimulante aumentando a capacidade humoral, enzimática e celular. Ibooster melhora o estado do fígado. Foi mostrado um aumento de enzimas desintoxicantes e antioxidantes e redução do nível de enzimas que indicam inflamação hepática em situações de estresse térmico.
 
Autor/s. :
 
Visualizações43Comentários 0EstatísticasCompartilhar