EFEITOS DO USO DE ÓLEOS ESSENCIAIS EM SUBSTITUIÇÃO A ANTIBIÓTICOS PROMOTORES DE CRESCIMENTO SOBRE O DESEMPENHO DE LEITÕES DESMAMADOS DOS 28 AOS 52 DIAS DE IDADE.

Publicado: 18/03/2016
Autor/s. : MONIQUE S. FLORENTINO1*, BRUNO A. N. SILVA1, GABRIEL G. A. ARAÚJO1, DAVID V. JACOB2, FERNANDA S. S. RAIDAN3 , KARINY F. SILVA1, THALES V. ALBUQUERQUE1 1Instituto de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Minas Gerais – ICA/UFMG – Montes Claros/MG; 2Nutriad Nutrição Animal – Campinas/SP; 3Escola de Veterinária, Universidade Federal de Minas Gerais – EV/ UFMG – Belo Horizonte/MG
Sumário

Foi realizado um experimento com o objetivo de avaliar a substituição de antibióticos promotores de crescimento por óleos essenciais em dietas para leitões desmamados dos 28 aos 52 dias de idade. Foi utilizado um total de 384 leitões (192 castrados e 192 fêmeas), distribuídos de acordó com o peso e sexo entre 6 tratamentos. Cada tratamento foi composto de 4 repetições e 16 animais por repetição. Os tratamentos foram constituídos da seguinte maneira: T1 - controle sem antibióticos promotores de crescimento (CN); T2 - controle com antibióticos promotores de crescimento (CP); T3 – CN + uso de óleos essenciais: 150 g / tonelada; T4 – CN + uso de óleos essenciais: 300 g / tonelada; T5 - dieta CP + uso de óleos essenciais: 300 g / tonelada; e T6 - dieta CP + uso de óleos essenciais: 300 g / tonelada. Foram avaliados os parâmetros de desempenho: ganho de peso, consumo médio diário de ração, conversão alimentar e escore de diarreia. O uso de óleos essenciais não influenciou (P>0,10) estatisticamente a maioria dos parâmetros de desempenho. Entretanto, houve uma tendencia (P=0,07) para um maior ganho de peso total e diário das leitegadas do T5 quando comparado com os demais tratamentos. Os tratamentos também tenderam a influenciar (P=0,07) a conversão alimentar, onde os leitões submetidos ao T5 apresentaram uma melhor conversão em comparação com os demais tratamentos (1,55 vs. 1,76). O escore de diarreia não foi influenciado (P>0,10) pelos tratamentos. Em conclusão, o presente estudo demonstrou que é possível substituir o uso de antibióticos promotores de crescimento pela inclusão de 150 g ton-1 de óleos essenciais sem impactar negativamente no desempenho dos leitões. Em adição a associação de óleos essenciais ao nível de inclusão de 150 g ton- 1 com antibióticos promotores de crescimento tendeu a melhorar o desempenho e a conversão alimentar dos leitões quando comparado com os demais tratamentos.

 

Palavras-chave – Óleos essenciais, promotor de crescimento, creche, suínos.

 

Introdução

Os antibióticos têm desempenhado um importante papel no crescimento e no desenvolvimento da indústria de suínos durante os últimos 50 anos (Thacker, 2013). Sua potencialidade no aumento da taxa de crescimento, melhorando a utilização de alimentos pelos animais e reduzindo a mortalidade está bem documentada (Thacker, 2013). Além disso, têm sido sugerido que o uso continuado de antibióticos pode contribuir para o desenvolvimento de bacterias fármaco-resistentes que podem ser capazes de transferir resistência a bactérias patogênicas que afetam os seres humanos (Van der Fels-Klerx et al., 2011). Como resultado, muitos países proibiram ou estão proibindo a inclusão de antibióticos em dietas de suínos como uma das formas de promoção de crescimento. Nos últimos anos, uma quantidade significativa de estudos foi conduzida com o objetivo de obter alternativas ao uso de antibióticos para manter a saúde e o desempenho dos suínos. De acordó com Stein e Kil (2009), os óleos essenciais aromáticos pela sua estrutura e composição molecular podem ser um potencial substituto para antibióticos em rações de suínos. Alguns estudos com óleos essenciais in vitro mostraram que o mesmo tem atividade antimicrobiana contra microflora comumente presente no intestino de suíno (Michiels et al., 2009). O modo de ação exato dos óleos essenciais não foi estabelecido, mas sua atividade pode ser relacionada com alterações na solubilidade lipídica na superfície das bactérias (Stein e Kil, 2009). Baseado no fato de que os óleos essenciais aparentemente podem inibir ou controlar a atividade patogênica, objetivou-se com o presente estudo avaliar se é possível ou não substituir o uso de antibióticos promotores de crescimento por óleos essenciais em diferentes níveis de inclusão em dietas para leitões durante as primeiras semanas pósdesmame.

 

Material e métodos

Foi utilizado um total de 384 leitões (192 castrados e 192 fêmeas), distribuídos de acordo com o peso e sexo entre 6 tratamentos. Cada tratamento foi composto de 4 repetições e 16 animais por repetição. Os tratamentos foram constituídos da seguinte maneira: T1 - controle sem antibióticos promotores de crescimento (CN); T2 - controle com antibióticos promotores de crescimento (CP); T3 – CN + uso de óleos essenciais: 150 g / tonelada; T4 – CN + uso de óleos essenciais: 300 g / tonelada; T5 - dieta CP + uso de óleos essenciais: 300 g / tonelada; e T6 - dieta CP + uso de óleos essenciais: 300 g / tonelada. Os animais iniciaram o experimento com aproximadamente 7 kg de peso corporal (28 dias de idade, em média) e terminaram com aproximadamente 15 kg de peso corporal (52 dias de idade, em média). Os leitões foram pesados individualmente no início e no fim do experimento. Foram avaliados os parâmetros de desempenho: ganho de peso, consumo médio diário de ração, conversão alimentar e escore de diarreia. Os dados foram analisados considerando-se cada repetição como a unidade experimental e utilizando um modelo linear misto (procedimento MIXED, SAS Inst. Inc., Cary, NC), incluindo os efeitos do tratamento (T), sexo (S), repetição (R), e as possiveis interações.

 

Resultados e discussão

Os tratamentos não influenciaram (P>0,10) estatisticamente o consumo diário de ração (541 g d-1, em média; Tabela 1). Houve uma tendência (P=0,07) para um maior ganho de peso total e diário das leitegadas do T5 quando comparado com a média dos demais tratamentos (365 vs. 313 g d-1 respectivamente). Os tratamentos também tenderam a influenciar (P=0,07) a conversão alimentar, onde os leitões submetidos ao T5 apresentaram uma melhor conversão em comparação com os demais tratamentos (1,55 vs. 1,76). O escore de diarreia não foi influenciado (P>0,10) pelos tratamentos. Corroborando nossos resultados, Li et al. (2012) estudando o desempenho de leitões alimentados com dietas suplementados ou não com antibióticos promotores de crescimento com a combinação de óleos essenciais, observaram que o ganho de peso, conversão e a consistencia fecal do animais recebendo dietas sem antibióticos e com óleos essenciais foi essencialmente igual a dos leitões que receberam deitas com antibióticos. De acordo com Steine e Kil (2009), se o nível de inclusão dos óleos essenciais for muito alto, o cheiro forte pode reduzir o consumo voluntario e limitar o desempenho dos leitões. Esta citação suporta nossas observações, onde foi encontrado que entre os dois níveis de inclusão dos óleos essenciais (150 vs. 300 g ton-1) independentemente da inclusão de antibióticos, o menor nível apresentou os melhores resultados numéricos para todos os parámetros analisados quando comparado ao maior nível de inclusão.

 

Tabela 1 – Efeitos do uso de óleos essenciais sobre o desempenho de leitões desmamados dos 28 aos 52 dias de idade

1T1 = dieta padrão sem antibióticos na formulação (CN); T2 = dieta padrão com antibióticos na formulação (CP); T3 = dieta CN + 150 g / tonelada de óleo essencial; T4 = dieta CN + 300 g / tonelada de óleo essencial; T5 = dieta CP + 150 g / tonelada de óleo essencial; e T6 = CP dieta + 300 g / tonelada de óleo essencial. 2RSD = desvio padrão residual. 3Obtido a partir da análise de variância (GLM incluindo os efeitos do tratamento (T) e repetição (G)); onde: †P<0,10.

 

Conclusões

O presente estudo demonstrou que é possível substituir o uso de antibióticos promotores de crescimento pela inclusão de 150 g ton-1 de óleos essenciais sem impactar negativamente no desempenho dos leitões. Em adição a associação de óleos essenciais ao nível de inclusão de 150 g ton-1 com antibióticos promotores de crescimento tendeu a melhorar o desempenho e a conversão alimentar dos leitões quando comparado com os demais tratamentos.

 

Referências Bibliográficas

1. LI PF, PIAO XS, RU YJ, HAN X, XUE LF, ZHANG HY. 2012. Effects of adding essential oil to the diet of weaned pigs on performance, nutrient utilization, immune response and intestinal health. Asian-Australian Journal of Animal Science, 25:1617–1626.

2. MICHIELS J., MISSOTTEN J. A., FREMAUT D., DE SMET S., DIERICK N. A. 2009. In vitro characterization of the antimicrobial activity of selected essential oil components and binary combinations against the pig gut flora. Animal Feed Science Technology, 151:111–127.

3. STEIN H.H. and KIL D. Y. 2006. Reduced use of antibiotic growth promoters in diets fed to weanling pigs: dietary tools, Part 2. Animal Biotechnology, 17:217–231.

4. THACKER P. A. 2003. Performance of growing-finishing pigs fed diets containing graded levels of Biotite, and alumninosilicate clay. Asian-Australian Journal of Animal Science, 16:1666–1672.

5. VAN DER FELS-KLERX H. J., PUISTER-JANSEN L. F., VAN ASSELT E. D., BURGERS S. L. 2011. Farm factors associated with the use of antibiotics in pig production. Journal of Animal Science, 89:1922–1929.


***O TRABALHO FOI ORIGINALMENTE APRESENTADO DURANTE O XVII CONGRESSO ABRAVES 2015- SUINOCULTURA EM TRANSFORMAÇÂO, ENTRE OS DIAS 20 e 23 DE OUTUBRO, EM CAMPINAS, SP.

 
Autor/s.
Mestre em bioclimatologia animal pela Universidade Federal de Viçosa -UFV-, doutor em bioclimatologia e nutrição de suínos pela UFV e pelo Institut National de la Recherche Agronomique -INRA- (França) e pós-doutorado em Nutrição de suínos pela UFV. Foi pesquisador em nutrição de suínos da TOPIGS Research Center IPG (Holanda) e gerente de nutrição de suínos da TOPIGS Internacional. Atualmente é professor e pesquisador em nutrição e produção de suínos e bioclimatologia animal pela Universidade Federal de Minas Gerais -UFMG-.
 
remove_red_eye 594 forum 0 bar_chart Estatísticas share print
Compartilhar :
close
Ver todos os comentários
 
Copyright © 1999-2021 Engormix - All Rights Reserved