engormix
search
search
O serviço não está disponível para entrar em contato com esta empresa desde Estados Unidos

Controle de estreptocócias em porcos

Publicado: 21/04/2021
Autor/s. : Liptosa

Os estreptococcias são doenças causadas por diferentes espécies do gênero Streptococcus e, no caso dos porcos, especialmente por Streptococcus suis. Existem 35 serotipos reconhecidos de S. suis, sendo os serotipos 2, 1/2, 7 e 9 os mais frequentemente isolados nesta espécie. As infeções produzidas por essas bactérias Gram positivas constituem um problema frequente que merece atenção especial dentro da produção suína mundial; não só pela sua natureza zoonótica, mas também pelas perdas econômicas significativas que acarreta.

O porco é o principal reservatório do Streptococcus suis; sendo estes animais, em muitos casos, portadores assintomáticos. O habitat natural da bactéria é, principalmente, o trato respiratório superior (amígdalas e cavidade nasal), aparelho digestivo e genital.

A transmissão da doença é inicialmente vertical, da porca para o leitão, sendo posteriormente transmitida horizontalmente entre os leitões. As porcas, frequentemente infetadas com sorotipos não patogênicos desta bactéria, são portadoras saudáveis na maioria dos casos; transmitem a infeção aos leitões durante o parto, através da secreção vaginal, pele, saliva e fezes. É possível a transmissão horizontal entre leitões e através de fômites contaminados e alguns vetores, como moscas.

Embora Streptococcus suis seja um patógeno primário, existem fatores predisponentes em seu aparecimento e disseminação, como estresse, desequilíbrios nutricionais, incidência de outras doenças (especialmente documentadas em relação a PRRS), mudanças repentinas de temperatura, superlotação e, em geral, erros de manipulação.

Controle da doença. Uma perspetiva holística

A sobrevivência do Streptococcus suis é bastante variável (permanece na água, na poeira e nas fezes). Em matéria orgânica e água, pode sobreviver mais de uma semana. A existência de portadores assintomáticos torna sua erradicação uma meta difícil de alcançar. Manter o estado de saúde em equilíbrio é o objetivo das medidas de controle.

Tradicionalmente, o controle da doença tem sido feito por meio do uso de antimicrobianos em porcas e leitões, principalmente amoxicilina na ração. Outra estratégia para o controle das infeções por Streptococcus suis é o uso de vacinas. No entanto, a alta variabilidade de espécies e linhagens envolvidas e as diferenças entre as diferentes regiões fazem com que essa via de controle ainda seja considerada distante. Como medidas de controle, vale destacar: manter um manejo higiênico-sanitário rigoroso ao redor do parto, mantendo uma densidade correta dos animais, verificando se os leitões tomam a quantidade correta de colostro ao nascer, evitando ambientes com muita umidade, entre outros.

Soluções naturais de Liptosa no controle de estreptococos em suínos

A Liptosa tem sido pioneira no desenvolvimento de estratégias de controle de estreptococos em suínos por meio do uso de aditivos nutricionais. O desenvolvimento da linha de produtos HYGEN PRO STREPT representou um antes e um depois na utilização de ácidos graxos de cadeia média e extratos vegetais como alternativa ao uso da amoxicilina. HYGEN PRO STREPT reduz a pressão da infeção nas granjas, minimizando a excreção do patógeno no nível digestivo e de outros órgãos reservatórios.

Os produtos da linha são compostos por plantas e extratos vegetais juntamente com ácidos graxos e mono e diglicerídeos de ácidos graxos que conferem à linha de produtos um efeito antimicrobiano contra bactérias Gram positivas. Além disso, as plantas desempenham um importante papel anti-inflamatório e imunomodulador no animal. Entre os ácidos graxos e seus glicerídeos, o ácido láurico e a monolaurina, destacando como um dos ácidos graxos mais poderosos como agente antimicrobiano.

Outra característica inovadora do HYGEN PRO STREPT é a inclusão de extratos e aromas que facilitarão a chegada dos princípios ativos a outros órgãos reservatórios, como a hortelã, para facilitar a ação contra cepas pneumotrópicas. HYGEN PRO STREPT é apresentado na forma de pré-mistura e na forma líquida para ser fornecido através de alimentos e água potável.

Nas mães, consegue a substituição total dos antibióticos na maternidade e permite reduzir a excreção de S. suis, minimizando o risco de contaminação vertical e horizontal. Além disso, permite controlar Clostridium spp e E. coli.

Em leitões, sua administração reduz o risco de contaminação horizontal por S. suis e permite o controle de outros germes patogênicos como E. coli, Clostridium, etc. Da mesma forma, HYGEN PRO STREPT proporciona um melhor desenvolvimento do sistema digestivo e um correto equilíbrio da microbiota.

HYGEN PRO STREPT L combina alta eficácia antimicrobiana e acidificante com um forte efeito imunoestimulante e anti-inflamatório. A aplicação em líquido garante que, em fases críticas como o desmame, o aparecimento de doenças, etc. o consumo dos diferentes princípios ativos é adequado para o controle da doença.

A administração simultânea de ambos os produtos, na água de beber e na ração, multiplica a taxa de sucesso, garantindo maior eficácia do programa de controle de S.suis, permitindo que o uso de antibióticos seja minimizado e controlando a perda de apetite tão comum em animais jovens com esta problemática .

Para informações adicionais, entre em contato com nosso departamento técnico-comercial.

 
remove_red_eye 42 forum 0 bar_chart Estatísticas share print
Compartilhar :
close
Ver todos os comentários
Produtos
HYGEN PRO® é uma solução que permite con...