BLEND DE ÁCIDOS ORGÂNICOS E ÁCIDOS GRAXOS DE CADEIA MÉDIA EM DIETAS PARA LEITÕES RECÉM-DESMAMADOS

Publicado: 30/03/2016
Autor/s. :
Sumário

Objetivo-se avaliar os efeitos de um Blend de ácidos orgânicos e ácidos graxos de cadeia média no conteúdo gastrointestinal de suínos recém-desmamados. Noventa e seis suínos (21 ± 1 dia pós-parto) foram classificados por peso e as baias distribuídas aleatoriamente para os tratamentos (4 tratamentos; 3 suínos/baia; 8 repetições/tratamento). As dietas foram compostas principalmente de milho, farelo de soja e uma fonte de lactose, acrescidas de 0; 0,15; 0,30 e 0,45% do Blend, composto por ácidos acético, cítrico, fórmico, láctico, caprílico e capróico. Após 14 dias de experimento, 4 animais por tratamento foram abatidos para análise de microbiota intestinal, e pH do estômago e intestino, na qual utilizou-se um phmetro digital. Para determinação da população de microrganismos realizou-se técnicas de revestimento apropriado para cada bactéria. Os dados foram analisados pelo procedimento PROC MIXED do SAS. Efeitos lineares, quadráticos e cúbicos foram usados para detectar a resposta da inclusão do Blend. Não foi observado qualquer efeito significativo no pH (P>0,05). Observou-se aumento linear (P<0,05) para a população de coliformes totais e efeito cúbico (P<0,01) para população de Lactobacillus spp. Conclui-se que o Blend não gerou mudanças positivas no conteúdo gastrintestinal dos leitões, sendo o aumento de coliformes totais e o efeito cúbico nosLactobacillus spp. devido, possivelmente, ao aumento de nutrientes não absorvidos no intestino.

 

Palavras–chave: bactérias patogênicas; consumo; nutrientes.

 

Introducão

Atualmente, o desmame de leitões é realizado de maneira prática e econômica, entre 14 e 28 dias de idade. A redução da idade de desmame é uma forma eficaz de aumentar o número de leitões produzidos por porca/ano. No entanto, os dias subsequentes ao desmame precoce são considerados (a partir de um ponto de vista nutricional) um período crítico no desenvolvimento de leitões devido à transição de uma dieta líquida, altamente digestível, para uma dieta sólida, composta por ingredientes de origem vegetal, e a baixa capacidade dos leitões em acidificarem o estômago (Kim et al., 2005). A acidificação insuficiente do estômago, juntamente com a diminuição da digestibilidade dos alimentos pode aumentar a incidência de diarreia. Este efeito pode ser um resultado da proliferação de microorganismos patogénicos tais como Escherichia coli e Salmonella spp. Estes problemas relacionados à incapacidade fisiológica dos leitões, na suinocultura moderna, usualmente são contornados por meio da inclusão de aditivos antimicrobianos às rações. Entretanto, o uso destes produtos, principalmente os antibióticos, vem sendo proibido por dois motivos: presença de resíduo na carne e indução de resistência cruzada para bactérias patógenas para humanos Em resposta à proibição dos agentes antimicrobianos, ácidos orgânicos têm sido utilizados como alternativas promissoras, em substituição aos antibióticos em rações de suínos. Embora resultados positivos tenham sido observados com a inclusão desses ácidos, a inclusão de ácidos orgânicos não geraram resultados positivos no desempenho e saúde dos animais, no mesmo nível daqueles suínos alimentados com rações adicionadas de substâncias antimicrobianas. No entanto, pesquisas recentes sugerem que os ácidos orgânicos combinados com ácidos graxos de cadeia mediam podem ter sua ação antimicrobiana potencializada (Zentek et al., 2013). Além disso, a misturas destes ácidos podem aumentar o desempenho dos animais devido ao aumento no consumo de ração, gerado pela maior palatabilidade das dietas e aumento da digestibilidade ileal. Portanto, o objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos de um Blend, composto de ácidos orgânicos e ácidos graxos de cadeia média, no conteúdo gastrointestinal de suínos recém-desmamados.

 

Material e Métodos

Noventa e seis leitões recém-desmamados provenientes de uma granja comercial (21 ± 1 d dias de idade) foram sorteados por peso e as baias distribuídas aleatoriamente para os tratamentos dietéticos (4 tratamentos; 3 suínos / baia; 8 repetições / tratamento). Os leitões foram alojados em um galpão de temperatura controlada, sendo que cada baia possuía um bebedouro do tipo chupeta e um comedouro semi-automático que permitiam acesso ad libitum ao alimento e água. As dietas foram compostas principalmente de milho e farelo de soja, além de uma fonte de lactose com a inclusão de 0, 0,15, 0,30 e 0,45% do Blend (ácido acético, ácido cítrico, ácido fórmico, ácido láctico, ácido caprílico e ácido capróico). As dietas foram formuladas de acordo com as recomendações de Rostagno et al. (2011). Após 14 dias de estudo 4 animais de cada tratamento foram sacrificados para análise do pH do estômago e intestino delgado, bem como para a determinação de populações microbianas intestinais. A análise microbiológica foi realizado para quantificar as populações de coliformes totais, bem como Lactobacillus spp. e Escherichia coli. As amostras utilizadas nas análises microbiológicas foram obtidas a partir do conteúdo do íleo (50 cm a partir da junção ileocecal). As amostras foram identificadas e quantificadas em unidades formadoras de colônias (CFU/g) pela técnica de plaqueamento apropriada para cada bactéria. Aproximadamente 25 g de cada amostra foram colocados em recipientes estéreis que compunham as unidades amostrais. Nos recipientes foram adicionados 225 ml de solução pré-enriquecimento (água peptona tamponada a 1%), na qual foram homogeneizadas por 2 minutos e posteriormente incubadas a uma temperatura de 37 ± 1°C durante 18-24 h, em estufa bacteriológica, para posterior identificação da população de microrganismos.As medições de pH foram realizadas imediatamente após a eutanásia dos animais usando um medidor de pH digital no conteúdo do estômago e do intestino.Todos os dados foram analisados em um delineamento inteiramente casualizado, sendo a análise de variância gerada pelo procedimento Proc Mixed (SAS Inst. Inc., Cary, NC). As baias foram consideradas unidade experimental e o modelo incluiu o tratamento como um efeito fixo. Polinômios, linear, quadrático e cúbico foram utilizados para detectar a resposta da inclusão do Blend na dieta.

 

Resultados e Discussão

Nenhum efeito do Blend foi observado no pH do estômago e do intestino (P> 0,05; Tabela 1), o que demonstra que a Blend não foi capaz de diminuir o pH destes órgãos. Embora não se observou qualquer alteração no pH do estômago e do intestino, um aumento linear (P <0,05) para a população de coliformes fecais (y = 1,9101 + 0.4515x) e efeito cúbico (P <0,01) na população Lactobacillus spp. (y = 13,3654 - 10.1025x + 3.9326x2- 0.4864x3) foi evidente. As mudanças nas populações de coliformes fecais e Lactobacillus spp. pode estar associado ao aumento do consumo de ração das dietas com a Blend. Os ácidos orgânicos aumentaram a palatabilidade das dietas que por sua vez, gera aumento no consumo. O aumento do consumo pode gerar aumento de solutos de baixa absorção no intestino, tais como carboidratos ou substâncias laxativas (Cheskin & Miller, 2001). Os nutrientes não absorvidos no intestino podem ser utilizados por bactérias comensaisque,  em conjunto com leveduras, fungos e protozoários formam um ecossistema complexo que podemmetabolizar os substratos endógenos e exógenos (Zlotowski et al., 2008). Este ecossistema complexo pode ter criado um ambiente desfavorável para Lactobacillus spp., que, apesar do efeito cúbico, os tratamentos com o Blend tiveram a menor população desta espécie. Nenhum efeito do Blend (P> 0,05) sobre a população de Escherichia coli foi observado.

 

Tabela 1 - Análises microbiológicas e pH do estômago e intestino delgado de leitões abatidos aos 14 dias de experimento.

NS = não significtivo; L = Efeito Linear; C = Efeito Cúbico

 

Conclusão

O Blend não gerou mudanças positivas no conteúdo gastrintestinal dos leitões, sendo o aumento de coliformes totais e o efeito cúbico nos Lactobacillus spp. devido, possivelmente, ao aumento de nutrientes não absorvidos no intestino, decorrentes do aumento do consumo das rações com Blend.

 

Agradecimentos

Agradecemos a Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP, Projeto Pesquisa: 2012/15867-7 e Bolsa: 2012/16562-5).

 

Referências Bibliográficas

1. CHESKIN, L. J.; MILLER, D. L. 2001. Nutrition in the prevention and treatment of common gastrointestinal symptoms. p.549-562. In: Nutrition in the prevention and treatment of disease. 1st ed. San Diego. Proceedings… San Diego: Eds. Academic Press.

2. KIM, Y. Y.; KIL, D. Y.; OH, H. K.; HAN, K. Acidifier as an Alternative Material to Antibiotics in Animal Feed. Asian-Australasian Journal of Animal Sciences, v.7, p.1048-1060, 2005.

3. ROSTAGNO, H. S.; ALBINO, L. F. T.; DONZELE, J. L.; GOMES, P. C.; OLIVEIRA, R. F.; LOPES, D. C.; FERREIRA, A. S.; BARRETO, S. L. T.; EUCLIDES, R. F. 2011. Tabelas brasileiras para aves e suínos – Composição de alimentos e exigências nutricionais. 3rd ed. Viçosa: Imprensa Universitária/UFV, 252 p.

4. ZENTEK, J.; FERRARA, F.; PIEPER, R.; TEDIN, L.; MEYER, W.; VAHJEN, W. Effects of dietary combinations of organic acids and medium chain fatty acids on the gastrointestinal microbial ecology and bacterial metabolites in the digestive tract of weaning piglets. Journal Animal Science, v.91, p.3200–3210, 2013.

5. ZLOTOWSKI, P., DRIEMEIER, D., BARCELLOS, D. E. S. N. 2008. Patogenia das diarréias dos suínos: modelos e exemplos. Acta Scientiae Veterinariae, v. 36, p.81-86.


***O TRABALHO FOI ORIGINALMENTE APRESENTADO DURANTE O XVII CONGRESSO ABRAVES 2015- SUINOCULTURA EM TRANSFORMAÇÂO, ENTRE OS DIAS 20 e 23 DE OUTUBRO, EM CAMPINAS, SP.

 
remove_red_eye 2214 forum 0 bar_chart Estatísticas share print
Compartilhar :
close
Ver todos os comentários
 
   | 
Copyright © 1999-2020 Engormix - All Rights Reserved