engormix
search
search

Micotoxicose na bovinocultura leiteira

Publicado: 31/03/2011
Autor/s. : Jonas Bordignon (Médico Veterináro, Nutrifarma)

As micotoxinas são substâncias tóxicas produzidas por fungos. Os fungos estão distribuídos por todo o mundo e as micotoxinas podem ser encontradas em diversos alimentos concentrados (rações) e volumosos (silagens), consumidos com freqüência por vacas leiteiras. Em climas tropicais e subtropicais, como o nosso, o desenvolvimento fúng...

remove_red_eye 5833 forum 15 bar_chart Estatísticas share print
Compartilhar :
close
Marcos Antonio Volkweis Marcos Antonio Volkweis
Assistente Técnico
31 de Março de 2011
Quanto de sequestrante de micotoxina é recomendado por animal em lactação, considerando uma raçao ou silagem boa.
Responder
Jonas Bordignon Jonas Bordignon
Médico Veterinário
Nutrifarma Nutrifarma
Santa Catarina, Brasil
31 de Março de 2011
Boa tarde Marcos,
O ideal eé fazer uma análise dos níveis de contaminação, mesmo silagens e rações que aparentemente são boas, não estão livers das micotoxinas.
A dose dos Aditivos Anti Micotoxinas são dose dependente, quanto amior a contaminação maior a quantidade de protudo a ser utilizada ou ao contrario quanto menos micotoxina menos produto terá que ser utilizado.
Se necetitar de mais informações estamos a disposição via e-mail ou fone.
Atenciosamente
Jonas
Responder
Eder Ghedini Eder Ghedini
Médico Veterinário
1 de Julho de 2011
Olá!
Acho interessante o questionamento do Marcos, referindo-se a quantidade de adsorvente utilizado, ao passo que você disse que a dose esta relacionada com o nível de contaminação. Pergunto-lhes então, até que nível de contaminação presente no alimento é indicado que se faça uso de adsorvente? Existe alguma restrição quanto ao uso "exagerado" de adsorvente? Efeitos colaterais? Interferência na qualidade organoléptica do alimento? A utilização deste produto na silagem por exemplo, pode ser feito de maneira preventiva?
Aguardo suas colocações.
Forte abraço aos usuários Engormix!
Responder
Jonas Bordignon Jonas Bordignon
Médico Veterinário
Nutrifarma Nutrifarma
Santa Catarina, Brasil
6 de Julho de 2011
Olá Eder,
Vamos por partes:
Com relação a o uso dos aditivos anti micotoxinas (AAM), existem uma variedade grande de produtos no mercado, com características e propriedades distintas. Para se ter certeza que um produto não irá afetar o consumo de matéria seca, por exemplo, seria importante que o AAM passe por avaliações em experimentos in vivo. Com isso poderemos ter certeza que o produto não irá trazer nem um tipo de restrição e que compra o seu papel de adsorver as micotoxinas. Nós já temos uma prova realizada no Lamic/Samitec com o nosso produto e assim podemos garantir que o produto não tem nem uma contra indicação e que realmente funciona como AAM.
Com relação a dosagem, através desta prova ion vivo também podemos balizar a capacidade de absorção do produto e estimar qual a necessidade de ingestão para auxiliar no controle de determinada dose de contaminação.
O nosso produto não tem restrição quanto a o uso.
O produto pode ser utilizado sobre o alimento na forma preventiva, como é o caso da silagem, de preferência devemos dividir a dose diária de produto pelas vezes que os animais são tratados.
Se for necessária mais alguma informação estou a disposição.
Obrigado pelos comentários.
Abraça a todos!
Responder
1 de Agosto de 2011
Importante salientar que existem várias micotoxinas, produzidas por diferentes fungos durante sua multiplicação. A grande maioria dos Adsorventes de Micotoxinas são seletivos a algumas delas (por exemplo a Aflatoxina e Fumonisina), não possuindo efeito (ou com efeito bastante reduzido) sobre outras micotoxinas, como a Zearalenona. Desta forma, o melhor a ser feito entender que fungos e micotoxinas estão por toda parte na alimentação de ruminantes, desde o pasto (ferrugem da Aveia, Esporão do Centeio, Etc), passando pelos alimentos conservados (Silagens e Fenos), e por fim nos alimentos concentrados (milho, farelos, tortas, etc). Portanto, é imprescindível, antes de sair usando adsorventes indiscriminadamente, saber o grau de contaminação por micotoxinas que estamos falando, qual(ais) as micotoxinas presentes nestes alimentos, e se o uso do adsorvente será econômicamente viável ou seria melhor trocar o alimento (quando possível). Com base em resultados de análises de laboratórios confiáveis (de preferência a Laboratórios de Universidades), procura-se o Adsorvente correto e a dose correta a ser utilizada. Em outras palavras - "cada realidade de propriedade é única e portanto não existe receita de bolo pronto que sirva para todas"
Responder
24 de Agosto de 2011
Quanto tempo um fungo demora pra produzir micotoxina? Tenho uma silagem na fazenda que, por motivos de manejo, acabou sendo contaminada por fungos, mas toda silagem é consumida num prazo máximo de 10 dias. Esse tempo é suficiente para que micotoxinas se desenvolvam e afetem a produção dos animais?? Estamos tendo alta taxa de aborto, será que essa silagem pode ser a causa?
Responder
27 de Agosto de 2011
Dr. Jonas
Saudações
Parabéns pelo artigo.
Qual o procedimento recomendado para uma propriedade leiteira no que concerne as amostras que devem ser colhidas para analise das micotoxinas, silagem de milho, o milho moído, farelo de soja ou pode ser a dieta total na saída do misturador. Sobre a utilização de leveduras nos núcleos comerciais existem algum fator que possa interferir diretamente nas leveduras quanta a presença de micotoxinas. Existe uma orientação que se utilizar um volume alto de AAM nas dietas que ele pode sequestrar micronutrientes, este deve ser observado.
Obrigado,
Responder
Robson Pereira Robson Pereira
Pós-gradução em Veterinária
28 de Agosto de 2011
Nunca podemos esquecer que os AAM têm ação limitada sobre Fuzarium (Zearalenona e Fumonisina), muitas vezes essas ligações são fracas e instáveis, como citadas em alguns experimentos in vivo. No caso de adsorventes com. B-Glucanas, está proporciona uma melhor ligação principalmente sobre Zearalenona e Fumonisina que mantém a integridade reprodutiva e um sistema imune mais ativo devido a uma melhor liberação de citoquinas que desencadeia um maior aporte de macrófagos e demais células de defesa na corrente sanguínea mantendo sistema totalmente alerta e ativo. Os AAM são geralmente seletivos, pois a grande parcela destes é somente aluminossilicatos, ou seja, adsorve somente AFLA, pelo fato de ser uma molécula polar, já as fusarium toxinas (ZEA e FUMONIZINA) são apolares e necessitam de AAM que tenham ação sobre essas para que a IMUNIDADE e REPRODUÇÃO geralmente afetadas pela Fumonisina e Zearalenona seja adsorvidas, dentre os produtos que conheço o que melhor tem efeito de adsorção de AFLA, FUMO e ZEA tanto “in vivo” como “in vitro” é o Mastersorb Gold produzido pela GRASP, que além de ser adsorvente tem Silimarina na composição que age como protetor e regenerador hepático.
Responder
Jonas Bordignon Jonas Bordignon
Médico Veterinário
Nutrifarma Nutrifarma
Santa Catarina, Brasil
5 de Novembro de 2011
Boa tarde Dr. Marcos, tudo bem?
Desculpe a demora em dar retorno sobre o seu questionamento.

Com relação as amostras para identificação da micotoxinas, depende do objetivo. Se a intenção é monitoria creio que a análise da dieta total será o mais prático e econômico.

Com relação as leveduras, elas tem uma função de melhorar a digestão e o aproveitamento dos alimentos. Com a presença de micotoxinas, especialmente as aflatoxinas, os resultados podem não aparecer pelo efeito tóxico que estas substâncias causam a nível hepático.

Com relação a utilização de AAM, produtos mais elaborados com um nível de tecnologia maior, são utilizados em pequenas quantidades diárias ( Toxfree MilkPower, 30 a 60 gramas/dia) e não adsorvem vitaminas e minerais. Temos vários trabalhos práticos e em universidades com todas as espécies produtivas mostrando que os nosso produtos não apresenta este aspecto negativo.

Obrigado pela participação. Qualquer dúvida estou a disposição.

Atenciosamente

Responder
Jonas Bordignon Jonas Bordignon
Médico Veterinário
Nutrifarma Nutrifarma
Santa Catarina, Brasil
5 de Novembro de 2011
Boa tarde Dr. Robson!

Com relação a capacidade de adsorção dos AAM, não podemos generalizar. Algumas sílicas possuem uma grande capacidade de adsorver Fusarium, especialmente as que passam por um processo de purificação. E ainda tem a vantagem de não interferir na adsorção ou não adsorver vitaminas e minerais.

Os AAM da Nutrifarma, produtos desenvolvidos pela empresa americana Special Nutrients, possui um vasto histórico de trabalhos in vivo e in vitro desenvolvidos junto a várias instituições de pesquisas do mundo, em especial o Laboratório Lamic da UFSM. Temos o único produto testado e aprovado in vivo no mundo para bovinos leiteiros. Os resultados prático que estamos obtendo a campo são muito satisfatórios.
Fico a disposição para repassar mais informações se houver interesse.

Abraço


Responder
Marcelo Cervieri Rebelato Marcelo Cervieri Rebelato
Médico Veterinário
8 de Fevereiro de 2012

Este produto realmente atua em Fusarium toxinas? Pois na embalagem fala somente em aflatoxinas, gostaria de entender o mecanismo de ação pelo qual o aluminiossilicato modificado," blend " ou como no caso do toxfree se trata de um purificado, poderá se ligar a moléculas apolares como estas em questão (Zearalenona e Fumonisina). Grato pela informação.

Responder
Marcelo Cervieri Rebelato Marcelo Cervieri Rebelato
Médico Veterinário
8 de Fevereiro de 2012

Boa tarde Jonas!
Gostaria de saber maiores informações sobre os trabalhos in vivo em ruminantes e os resultados obtidos no Brasil. Qual a diferença básica entre o toxfree standart e o milkpower? E qual a dosagem que você recomendaria para que se tenha um resultado satisfatório no uso do produto, por exemplo se uma análise laboratorial do samitec, apresentasse os seguintes resultados: FB1 de 4630, FB2 de 1290, ZEA de 45,9.

Abraço

Responder
Jonas Bordignon Jonas Bordignon
Médico Veterinário
Nutrifarma Nutrifarma
Santa Catarina, Brasil
9 de Fevereiro de 2012

Bom dia!

O melhor éconversarmos! Passa o teu contato
Ai posso te mandar algum material, como o laudo do teste in vivo.
Com relação a dosagem, 40 gramas/vaca/dia é o suficiente para este desafio.

Abraço

Responder
Jonas Bordignon Jonas Bordignon
Médico Veterinário
Nutrifarma Nutrifarma
Santa Catarina, Brasil
9 de Fevereiro de 2012

24/08/2011 |
Boa tarde Fernanda,
Se o fungo estiver presente na silagem a produção de micotoxina e constante, sempre que o fungo sofra alguma forma de estres.
Certamente estes abortos e reduções dos problemas reprodutivos devem estar envolvidos com esta silagem.
Se você tiver interesse podemos disponibilizar a análise de micotoxinas desta silagem, se você tiver interesse entre em contato conosco

Atenciosamente

Responder
Jonas Bordignon Jonas Bordignon
Médico Veterinário
Nutrifarma Nutrifarma
Santa Catarina, Brasil
9 de Fevereiro de 2012

08/02/2012 | Bom dia Marcelo, tudo bem?

Que bom, vejo que você já conhece o nosso produto.

Com relação a questão da embalagem, o Toxfree MilkPower é o único produto registrado no Brasil específico pra bovinos, e o único que tem aprovação in vivo, como pode ser observado no site do Lamic. Prova esta realizada com Aflatoxinas. Como existe esta especificação o MAPA exige provas (in vivo) especificas com bovinos para incluir as demais micotoxinas na embalagem. Infelizmente, não temos ainda estruturas acadêmicas que consiga desenvolver trabalhos com Fumonisinas, Zearalenonas, DON .......... Porém como temos inúmeros relatos do bom desempenho do produto frente a estas micotoxinas em diversas propriedades de todo o Brasil, estamos mandando este material para o MAPA para incluir estas micotoxinas também na embalagem.
Infelizmente a legislação é controversa, se você registrar um produto sem focar uma espécie animal, apenas com laudos in vitro ele poderá constar na embalagem ação sobre todas as micotoxinas que tiverem laudos.

Portanto é importante observar além das micotoxinas que constam na embalagem a espécie que ele esta registrado. Volto a ressaltar o MikPower é o único produto aprovado in vivo para bovinos. É claro que temos provas in vivo nas outras espécies, como aves e suínos, como alguns dos outros produtos tem.
Com relação à adsorção, produtos de nova geração como é o caso do MilkPower, que são produtos altamente purificados, são capazes de adsorver micotoxinas através de diferentes mecanismos, não só o intercâmbio de cargas polares. Eles Forman enlaces covalentes, o que permite adsorver micotoxinas com cargas neutras não iônicas, como é o caso da Zearalenona. Outra vantagem é que devido a estes mecanismos de ação estes produtos são eficientes a doses mais baixas de inclusão do que os produtos que não possuem esta tecnologia.

Mas a melhor prova de funcionamento é observar o seu desempenho frente a um desafio de campo. Colocamos-nos a disposição para maiores esclarecimentos e para fazermos alguns trabalhos de campo. Temos observado uma aumento consideravel das amostras contaminadas e dos níveis de concentração de micotoxinas nas silagens, pricipalmente Aflatoxinas e Zearalenona.

Abraço

Responder
1
print
(5833)
(15)
Engormix se reserva o direito de apagar e/ou modificar os comentários. Veja mais detalhes
Comentar
Criar nova discussão :
Se essa discussão não abrange temas de interesse ou levanta novas questões, você pode criar uma outra discussão.
Consultar um profissional em particular:
Se você tem um problema específico, você pode executar uma consulta em particular a um profissional em nossa comunidade.