Determinação de aflatoxina B1 em rações e aflatoxina M1 no leite de propriedades do Estado de São Paulo

Publicado: 20/03/2013
Autor/s. : Carlos Augusto Fernandes de Oliveira, Luciana Soares Sebastião, Helena Fagundes e Roice Eliana Rosim do Departamento de Engenharia de Alimentos, Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos, Universidade de São Paulo -USP-, SP, e Andrezza Maria Fernandes do Departamento de Microbiologia, Instituto de Ciências Biomédicas, Universidade de São Paulo - USP-, SP.

Resumo   A ocorrência de aflatoxina B1 (AFB1) em rações e aflatoxina M1 (AFM1) no leite cru foi avaliada em propriedades leiteiras situadas na região nordeste do Estado de São Paulo, Brasil, de outubro de 2005 a fevereiro de 2006. A análise de aflatoxinas foi efetuada utilizando-se colunas de imunoafinidade para purificação dos extrat...

remove_red_eye 886 forum 4 bar_chart Estatísticas share print
Compartilhar :
close
20 de Março de 2013
Gostaria que este site trouxesse a referência EXATA de onde os trabalhos foram publicados, e, de preferência, com link para o trabalho já publicado.
Obrigada,
Responder
20 de Março de 2013

Uma vez que a contaminação por aflatoxina tem efeito acumulativo em humanos, o ideal seria um consumo zero. Nesse sentido, é preocupante a detecção de até 60% de AFB1 nas rações testadas, ainda que em teores abaixo do permitido. Gostaria, se possível, que o autor:
a) informasse o nível de tolerância de AF em rações, adotado pela União Européia.
b) em um artigo subsequente, recomendasse práticas visando minimizar a ocorrência do fungo nas rações, sobretudo nas silagens.

Responder
Edison Antonio Pin Edison Antonio Pin
Medico Veterinário
23 de Março de 2013

Creio que a presença de micotoxinas na alimentação de gado leiteiro é responsável por grande parte das intoxicações e outras consequências aos animais. Infelizmente o diagnóstico de campo dos colegas veterinários é limitado por deficiência tecnológica, o que agrava a situação. As silajes produzidas estão aquém da qualidade necessária para ser fornecida aos bovinos de leite, daí vem minha grande preocupação, já que os produtores fazem anualmente este procedimento de reservas alimentares sem uma dedicação com relação ao valor nutritivo deste alimento. Por isso a pesquisa ilustrada pelo autor tem fundamento e desperta o interesse de todos que labutam com o leite, pois as toxinas são transportadas aos alimentos e para os animais, deste para o leite ingerido pelo ser humano. Obrigado.

Responder
11 de Abril de 2013

Inicialmente, agradeço os comentários feitos ao artigo. Em resposta aos comentários, seguem abaixo os dados bibliográficos deste artigo:

Oliveira, CAF, Sebastião, LS, Fagundes, H, Rosim, RE, Fernandes, AM. Determinação de aflatoxina B1 em rações e aflatoxina M1 no leite de propriedades do Estado de São Paulo. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v.30, p.221 - 225, 2010.

O limite para aflatoxina B1 em rações para o gado leiteiro na União Européria é 5 ug/kg.

Com relação às práticas agrícolas para prevenção de fungos e aflatoxinas, especialmente em silagens, recomendo o artigo a seguir: Prandini, A, Tansini, G, Sigolo, S, Filippi, L, Laporta, M, Piva, G. On the occurrence of aflatoxin M1 in milk and dairy products. Food and Chemical Toxicoloogy, vol. 47, p. 984-991.

Responder
1
print
(886)
(4)
Engormix se reserva o direito de apagar e/ou modificar os comentários. Veja mais detalhes
Comentar
Criar nova discussão :
Se essa discussão não abrange temas de interesse ou levanta novas questões, você pode criar uma outra discussão.
Consultar um profissional em particular:
Se você tem um problema específico, você pode executar uma consulta em particular a um profissional em nossa comunidade.
 
   | 
Copyright © 1999-2020 Engormix - All Rights Reserved