Avaliação Adtivo Anti-Micotoxinas

Relatório do teste de avaliação In Vivo do Adtivo Anti-Micotoxinas Toxfree Standard®

Publicado: 15/03/2012
Autor/s. : Special Nutrients.

OBJETIVOS

Avaliar a eficiência do Toxfree Standard sobre os seguintes parâmetros:

• Produção de leite dos animais teste

• Aspecto clínico dos animais intoxicados

• Níveis de Aflatoxina M1 no leite

MATERIAL E MÉTODOS

PROCEDIMENTO

O estudo foi realizado na propriedade do Sr. Irineu Hartmann, localizada na linha 1º de março no município de Porto Lucena - RS, o qual cedeu 4 animais lactantes para os procedimentos. Os animais selecionados ficarão na propriedade durante a avaliação, serão tratadas separadas por canzil de arraçoamento individualizado.  3.2

TRATAMENTOS

A dieta experimental dos animais foi com a ração da própria propriedade para não haver troca de ração. Levamos a ração da propriedade ao Instituto SAMITEC (Instituto de Soluções Analíticas Microbiológicas e Tecnológicas), para fortificar e estabilizar a micotoxina na ração que foi dividida em 3 grupos de 25Kg cada, pois a vaca controle (vaca 242), irá comer a ração sem aditivos, por tanto não haveria necessidade de transportá-la da propriedade.Total de 5Kg por vaca/dia, por 5 dias.O Toxfree Standard foi colocado na proporção de 0,5 %, o que deu o consumo diário de 25 gramas/vaca/dia nos 5 kg de ração   Depois de estabilizada a toxina, separamos em doses individuais de 2,5kg de ração tratamento, para serem fornecidas 2 x ao dia. (Ver anexos - Fotos 1 e 2).No momento de fornecer a ração intoxicada, era colocado separador de madeira para garantir o consumo total da ração. (Ver anexos - Foto 3). Fizemos análises para comprovar a intoxicação:

Durante o experimento o leite era coletado no período matutino e vespertino em tubos de 40 ml. (Ver anexo - Foto 4 e 5).

DELINEAMENTO

Por 2 dias foi realizado o controle da dieta transição, produção de leite e do próprio leite para verificar a presença de Aflatoxina M1.
Por 5 dias faremos o seguinte tratamento:

Será recolhido o leite dos animais teste por mais 4 dias para avaliação de Aflatoxina M1.

O estudo teve início no dia 15/07/2009 e terminou no dia 24/07/2009. O 1º dia de intoxicação foi 17/07/2009 e o último dia de intoxicação foi 21/07/2009 - total de 5 dias de intoxicação.

ANÁLISES DE AFLATOXINA M1 NO LEITE.

As análises de Aflatoxina M1 foram feitas no laboratório de micotoxicologia da Universidade Federal de Santa Maria - LAMIC. A amostra de 40 ml de leite era centrifugada e após era retirado o sobrenadante. Foi colocado 10 ml do leite precipitado em tubo de ensaio e após passado por um cartucho de imunoafinidade (IAF), que contém anticorpos monoclonais para Aflatoxina M1 (Ver anexo - Foto 6). Toda Aflatoxina M1 é retida no cartucho. O próximo passo é passar uma solução de eluição de acetonitrila:metanol pelo cartucho de IAF para separar seus componentes deixando a Aflatoxina M1 "livre" para ser analisada. (Ver anexo - Foto 7). No tubo de ensaio a amostra é homogeinizada e em seguida colocada em vial para análise via cromatografia liquida de alta eficiência com detecção por espectrometria de massas.
Os dados serão analisados através de um software (programa), do LAMIC, que gerará o resultado final. (Ver anexo - Foto 8).

RESULTADO E DISCUSSÕES

Com relação à produção de leite em litros/dia o Toxfree Standard foi efetivo, não deixando a vaca que consumiu 1,0 ppm de Aflatoxinas (vaca 04), baixar de produção.
O animal que consumiu 0,5 ppm de Aflatoxinas (vaca 20), baixou em 4 litros/dia na produção.
Já o animal que consumiu somente micotoxinas, no total de 1,0 ppm de Aflatoxinas (vaca 28), baixou 11 litros/dia na sua produção.
E o animal controle não teve variação da sua produção.
Notamos que assim que terminou a dieta intoxicada das vacas: 28 (consumiu 1,0 ppm de Aflatoxinas) e 20 (consumiu 0,5 ppm de Aflatoxinas), em ambas a produção de leite começou a voltar gradativamente até níveis iniciais de experimento. Assim concluímos que as micotoxinas não são cumulativas, assim que tira a micotoxina volta a produção.

Gráfico 1: produção de leite.

Fonte - Sr. Irineu Hartmann.

Em relação as análise de Aflatoxina M1.
Foram feitas pelo Lamic/UFSM, números que mostraram uma grande diminuição na passagem de Aflatoxina M1 para o leite da vaca que consumiu 25 gramas de Toxfree Standard frente a uma intoxicação de 1.000 ppb (1,0 ppm) de Aflatoxinas.
Seguem os gráficos:

O animal controle pode ter tido uma exposição externa de Aflatoxina do dia 14/07/2009 a 16/07/2009 por apresentar níveis altos de micotoxina no leite, além de ser teoricamente mais sensível do que as vacas teste por ser de 1ª cria, nova em lactação (70 dias contra 250 dias das outras), e com produção superior aquelas que receberam micotoxinas (a taxa de passagem de M1 para o leite é maior quanto maior é a produção da vaca).
No período vespertino tivemos maior atividade de Aflatoxina M1 no leite, pois o arraçoamento com a dieta intoxicada era dado após a ordenha no período da manhã e antes da ordenha no período da tarde, assim no período da tarde teria toda a intoxicação da manhã e da tarde juntas, portanto teremos mais Aflatoxina M1 no leite da tarde.
Quanto ao aspecto clínico dos animais, novamente o Toxfree Standard se mostrou eficiente. Notamos que a vaca 28 (consumo de 1,0 ppm de Afla), perdeu ruminação, refugou a ração no 4º e 5º dia e entrou em apatia. A vaca 04 (consumo de 1,0 ppm de Afla + Toxfree Standard) não apresentou reações sanitárias e produtivas.

CONCLUSÃO

Com base nos resultados obtidos por este "teste piloto" em bovinos, concluímos que o Toxfree Standard® foi eficiente frente a intoxicação por Aflatoxinas em gado leiteiro.

ANEXOS

 

 
Autor/s.
 
remove_red_eye 670 forum 1 bar_chart Estatísticas share print
Compartilhar :
close
Ver todos os comentários
 
   | 
Copyright © 1999-2020 Engormix - All Rights Reserved