A seguinte publicação técnica está relacionada com o evento:
XXII Congresso Latino-Americano de Avicultura 2011

Vinhaça alimentação aves

Vinhaça de destilaria como aditivo alternativo na alimentação de aves

Publicado o:
Autor/s. :
Sumário

Para caracterizar o comportamento produtivo e reprodutivo das aves, ao utilizar vinhaça de destilaria como aditivo na dieta, foram utilizados 240 frangos machos do híbrido EB34, de 1 dia de idade e 42 g de peso vivo, segundo desenho completamente aleatorizado em dois tratamentos: controle e experimental (foram administrados por etapas: 5 ml no início, 10 ml em crescimento e 15 ml em finalização) de vinhaça, segundo a categoria animal. Num segundo experimento, foram utilizadas franguinhas de substituição White Leghorn da linha L33, de 1 a 18 semanas de idade. As aves se alojaram em gaiolas metálicas, segundo desenho completamente aleatorizado com 4 tratamentos (0, 1%, 1.5 % e 2 % de adição de vinhaça) com 5 repetições cada um. O uso de vinhaça como aditivo melhorou o peso vivo dos animais(1822 e 2062 g/ave) e a viabilidade (97.61 e 99.53 %). O consumo de ração não diferiu; no entanto, produziu uma menor conversão alimentícia (1.81 e 1.60). A utilização da vinhaça produziu um maior peso da carcaça (1087 e 1242 g/ave) e das partes comestíveis. Na criação de franguinhas propiciou uma maior viabilidade do lote, um maior peso vivo final e melhor desenvolvimento do aparelho reprodutor das frangas (oviduto e folículos). A conclusão é que o uso da vinhaça de destilaria como aditivo, nas aves, pode otimizar o uso dos nutrimentos da dieta, propiciar um melhor comportamento produtivo e reprodutivo destas aves. Além disso, permite um melhor estado de saúde, maiores vantagens produtivas e econômicas, ao reduzir o número de mortes e melhorar a eficiência na produção avícola.
Palavras-chave: aves, vinhaça, comportamento, reprodutivo.

Introdução

Na criação das aves, os fatores de alimentação, manejo e ambiente são fundamentais para obter uma máxima rentabilidade com uma eficiente produção de carne e ovos. Desde meados do século passado, a avicultura alcançou um desenvolvimento tal que permitiu obter altas produções no âmbito industrial. Os trabalhos de melhoria e desenvolvimento foram viabilizados graças às vantagens oferecidas pelas aves, fundamentalmente no que diz respeito à densidade da população (Wright, 1996).

A adequada alimentação das aves começa nas primeiras semanas de vida e deve ser rigidamente acompanhada durante o período de crescimento, para chegar a obter um máximo de produção, o que constitui um desafio para quem trabalha no setor (Velasco, 1998). Para atingir estes objetivos, foram utilizados, desde 1980, os aditivos naturais quando Vogt et al. (1981) recomendaram os ácidos cítricos ou fumáricos em doses de 4.5 %, no entanto os resultados no comportamento têm variado ao serem utilizados estes aditivos.  Com a restrição dos antibióticos como promotores de crescimento, o volume de pesquisas aumentou e a lista destes aditivos cresceu segundo Griggs & Jacob, 2005. Entre estes, podem ser mencionados os ácidos orgânicos e inorgânicos, prebióticos, probióticos, vitaminas, antioxidantes, entre outros; esperando-se como resposta, que se mantenha a saúde intestinal dos animais (Penz & Gianfellici, 2008). Ao estudar as características da vinhaça de destilaria (pH, compostos químicos, fermentos, minerais e vitaminas), se poderia pensar numa fonte de importante valor como aditivo na produção animal (Mc-Pherson et al., 2002). Estudos realizados por Lewicki (2001) e Stemme et al. (2005) relatam diminuições nos custos de alimentação e resultados produtivos mais eficientes, ao utilizar a vinhaça de beterraba. Além disso, foi detectado um efeito estimulante sobre o consumo e o comportamento animal, como resposta ao alto conteúdo de vitaminas do complexo B presentes na vinhaça (Gohl, 1991). Por esta razão, o objetivo destes experimentos foi avaliar o comportamento das aves ao ser utilizada a vinhaça de destilaria de álcool como aditivo na alimentação.

Materiais & Métodos

Em frangos de corte, foram utilizados 240 machos do híbrido EB34 com 1 dia de idade e com 42 g de peso médio, distribuídos segundo desenho completamente aleatorizado, em dois tratamentos, com dez repetições. As aves foram alojadas em gaiolas metálicas de 1.06 m2 com 12 frangos/gaiola, com bebedouros niple e 1.20 m de frente de comedor; além disso, receberam 24 h de iluminação, durante os 42 dias. Foi utilizado um sistema de alimentação  trifásico (tabela 1), de forma manual e à vontade. O experimento consistiu na suplementação  com vinhaça de destilaria. O volume de vinhaça administrado aumentou em cada etapa de produção (início: 5 mL/animal/dia; crescimento: 10 mL/animal/dia e finalização 15 mL/animal/dia). Foram vacinados contra varíola, New Castle e Gumboro. Houve observação clínica diária, com controle de mortalidade, autópsia aos animais doentes e mortos.

Para avaliar o comportamento produtivo, foram controlados os indicadores de consumo de ração, mortalidade e peso vivo das aves aos 42 dias. Posteriormente, foi calculada a conversão alimentícia, ganho de peso e viabilidade. Aos 42 dias de idade, foram abatidos 10 animais por tratamento, para determinar o peso total em carcaça, peito, sobrecoxa + coxa, vísceras e gordura abdominal.

Em franguinhas de substituição White Leghorn da linha L33, desde o primeiro dia de idade até as 18 semanas. As aves se alojaram em gaiolas metálicas, segundo desenho completamente aleatorizado com 4 tratamentos (0, 1%, 1.5 % e 2 % de vinhaça) e 5 repetições cada um. Foram submetidos a condições semelhantes de manejo e alimentação, com fornecimento de água à vontade, consumo controlado de ração e controle da iluminação. Cada repetição foi constituída por uma gaiola com 30 franguinhas em início e 15 franguinhas em crescimento e desenvolvimento, as quais receberam água e alimentação ad-libitum, em comedouros e bebedouros lineares. Durante o experimento, foram registrados os indicadores de mortalidade, consumo de ração, peso vivo e conversão alimentícia  por tratamento. Para a medição de uniformidade do lote, formam pesados todos os animais por tratamento e se trabalhou com a média.

Tabela 1. Composição e aporte da dieta basal para frangos de corte  (%)

Matérias Primas

Início

(1-21dias)

Crescimento

(22-35dias)

Fase Adulta

(36-42dias)

Farelo de milho

46.48

54.16

59.22

Farelo de soja

43.86

35.61

31.28

Óleo de girassol

5.39

5.74

5.02

Fosfato dicálcico

1.54

1.89

1.89

Carbonato de cálcio

1.32

1.19

1.21

Sal comum

0.25

0.25

0.25

Pré-mistura1

1.00

1.00

1.00

DL-Metionina

0.16

0.16

0.13

Análise calculada (%)

 

 

 

Energia metabolizável, Kcal/Kg

3100

3200

3200

Proteína bruta

23

20

18.5

P disponível

0.40

0.45

0.45

Cálcio

0.95

0.95

0.95

Metionina + Cistina

0.90

0.85

0.80

Lisina

1.34

1.13

1.01

(1) Suplemento vitamínico: vitamina A, 10000 UI; vitamina D3, 2000 UI; vitamina E, 10 mg; vitamina K3, 2 mg; tiamina, 1 mg; riboflavina, 5 mg; piridoxina, 2 mg; vitamina B12, 15.4 μg; ácido nicotínico, 125 mg; pantotenato de Ca, 10 mg; ácido fólico, 0.25 mg; biotina, 0.02 mg (2) Suplemento mineral: selênio, 0.1 mg; ferro, 40 mg; cobre, 12 mg; zinco, 120 mg; magnésio, 100 mg; iodo, 2.5 mg; cobalto, 0.75 mg.

Tabela 2. Composição e aporte da dieta para franguinhas de substituição (%)

Matérias Primas

Início

(1-4sem)

Crescimento

(5-9sem)

Desenvolvi-mento

(10-16sem)

Pré-postura

(17-18sem)

Farelo de milho

51.94

59.29

66.20

62.12

Farelo de soja

40.48

33.61

21.68

28.21

Óleo de girassol

2.00

1.50

1.00

-

Cevada de Trigo

-

-

6.00

-

Fosfato dicálcico

1.08

1.09

1.09

1.20

Carbonato de cálcio

2.91

2.95

2.00

5.20

Sal comum

0.35

0.32

0.35

0.35

Pré-mistura1

1.00

1.00

1.00

1.00

DL-Metionina

0.10

0.10

0.37

0.14

Colina

0.14

0.14

0.30

0.13

Lisina / BHT

-/-

-/-

-/0.01

0.23/0.01

Análise calculada (%)

 

 

 

 

Energia metabolizável, Kcal/Kg

2900

2955

2900

2788

Proteína bruta

21.00

18.80

15.20

17.00

P disponível

0.48

0.48

0.45

0.35

Cálcio

1.05

1.05

1.23

2.24

Metionina + Cistina

0.48

0.38

0.90

0.65

Lisina

1.20

1.00

1.03

1.13

(1) Suplemento vitamínico: vitamina A, 10000 UI; vitamina D3, 2000 UI; vitamina E, 10 mg; vitamina K3, 2 mg; tiamina, 1 mg; riboflavina, 5 mg; piridoxina, 2 mg; vitamina B12, 15.4 μg; ácido nicotínico, 125 mg; pantotenato de Ca, 10 mg; ácido fólico, 0.25 mg; biotina, 0.02 mg (2) Suplemento mineral: selênio, 0.1 mg; ferro, 40 mg; cobre, 12 mg; zinco, 120 mg; magnésio, 100 mg; iodo, 2.5 mg; cobalto, 0.75 mg.

A análise da vinhaça foi realizada segundo AOAC (2000).

Tabela 3. Composição da vinhaça

Indicadores

Resultados

Umidade, %

79.04

Matéria seca, %

20.96

Proteína crua, %

2.04

Cinzas, %

5.37

Fibra Detergente Neutro, %

3.32

Fibra Detergente Ácida, %

0.02

Fósforo (como P-PO4), %

0.18

Cálcio, %

0.46

Potássio, %

1.38

Sódio, %

0.05

Enxofre (como S-SO4),%

0.87

Ferro, ppm

1054


Tabela 4.
Caracterização microbiológica da vinhaça

Indicadores

CFU/ml

Amostra 1

Amostra 2

Contagem total de bactérias

5 x 103

13 x 104

E. Coli

neg.

neg.

Lactobacillus spp.

6 x 105

5 x 105

Fermentos

10 x 108

96 x 107

*Não foram detectados fungos em nenhuma das amostras

O processamento dos dados foi realizado através do software estatístico de dados INFOSTAT (2001) e, quando necessário, da comparação múltipla entre médias, segundo Duncan(1955), para P< 0.05.

Resultados & Discussão

A adição de vinhaça garantiu um maior peso vivo final dos animais (tabela 5); resultados que se relacionam com os mecanismos de ação dos ácidos orgânicos (propiônico, butírico, acético), além de outros nutrientes que fazem parte deste resíduo.

Tabela 5. Comportamento de frangos de corte de 42 dias

Medidas

Basal

Basal + Vinhaça

EE (±)

Peso vivo, g/ave

1822

2062

30.00 ***

Ganho, g/ave

1780

2020

2.00 ***

Consumo, g/ave

3300

3309

20.00

Conversão

1.81

1.60

0.04 **

Viabilidade, %

97.61

99.53

1.00


Tabela 6.
Pesagem de porções comestíveis

Medidas

Controle

Vinhaça

EE (±)

Carcaça, g

1087

1242

16.00***

Peito, g

281

327

7.00***

Sobrecoxa + Coxa, g

391

450

7.00***

Pescoço, g

84.7

87.2

2.60

Fígado, g

47.3

57.0

2.60*

Moela, g

44.7

42.3

1.60

Coração, g

12.80

14.20

0.58

Gordura, g

24.10

23.10

1.74


Segundo (Mc-Pherson et al., 2002), os efeitos positivos ao adicionar a vinhaça provêm dos ácidos orgânicos presentes nela, e - por sua vez - estes ácidos são potencializados por outros nutrientes. O conteúdo de paredes de fermentos, minerais e vitaminas do complexo B aumenta a eficiência de utilização dos nutrimentos e, por isso, um melhor comportamento dos animais. Segundo (Morales, 2007), os polissacarídeos da parede celular da levedura, tipo beta-glucanos e mananos, podem provocar efeitos no sistema imune do frango e na exclusão de patógenos a escala digestiva. Como resposta a estes efeitos, se favorece o desenvolvimento da mucosa digestiva e se mantém um melhor estado de imunocompetência da ave. Nas etapas, o ganho de peso vivo e a conversão alimentar foi levemente superior no tratamento experimental, coincidindo com (Upendra & Yathiraj, 2003); que detectaram uma melhor conversão e peso vivo nas aves que consumiam combinações de aditivos. Esta superioridade coincide com pesquisas realizadas na Holanda, Bélgica e Francia, citadas por (Sarria & Preston, 1992); demonstraram que, com a vinhaça concentrada, era possível melhorar a rapidez de crescimento em 5% e diminuir o preço da ração em 15%, recomendando para as aves entre 2 e 3% de inclusão. A tabela 6 mostra o efeito nas porções cárnicas a favor do tratamento com vinhaça; resultados similares foram obtidos por (Miazzo et al., 2005; 2007), que detectaram melhoras no rendimento de sobrecoxas e diminuição da gordura abdominal, assim como uma tendência na melhora do peso do peito em frangos que consumiam o agregado de levedura de cerveja. Nas vísceras só houve diferenças no peso do fígado, o que sugere uma atividade probiótica sobre o órgão.

Na criação de franguinhas, a inclusão de vinhaça na dieta propiciou uma maior viabilidade, com melhores resultados para 2% de inclusão. Estes mecanismos, segundo (Brugalli, 2003), produzem alterações na microflora intestinal, aumento da digestibilidade e absorção de nutrientes. A partir dos 42 dias, começa a ser evidenciada uma superioridade nos indicadores a favor da vinhaça. Observa-se um efeito estimulante sobre o consumo e o comportamento, como resposta ao alto conteúdo de vitaminas presentes na vinhaça (Gohl, 1991). Demonstra-se que, desde o ponto de vista nutricional, é possível incluir até 2% de vinhaça nas dietas de início de substituição de poedeiras, semelhantes aos mencionados por (Javierre, 2006), que relata um melhor comportamento para o peso vivo, ganho de peso e mortalidade nas aves que consomem combinações de acidificantes.

Tabela 7: Comportamento de franguinhas a 42 dias

Indicadores

Inclusão de vinhaça

0

1%

1.5 %

2 %

EE ±

Mortalidade, no.

16

9

8

5

2.0

Viabilidade, %

85.8a

92.4b

94.0b

95.0b

2.1*

Peso inicial, g

37

37

37

37

2.0

Peso a 42 dias, g

407a

411b

419c

427d

0.4***

Ganho, g/ave

406.1

410.1

418.1

426.1

1.8**

Consumo, g

 (4 a 6 semanas)

1970c

1965b

1924a

2025d

0.4***

Conversão

 (0 a 6 semanas)

2.38

2.35

2.28

2.3

0.1

a,b Médias dentro de cada fila com letras não comuns diferem significativamente entre si a P<0.05 (Duncan 1955)
* P<0.05 ** P< 0.01 ***P< 0.001

Gráfico 1. Aparelho reprodutor

 

A viabilidade resultante para os tratamentos com vinhaça, se expressam de forma mais eficientes, demonstrando-se que o uso da vinhaça na alimentação das aves não compromete a saúde dos animais, ao contrário, melhora os indicadores.

O peso do trato reprodutor e a contagem de folículos demonstra, segundo Nakano et al. (1999), o desenvolvimento reprodutivo. Portanto, a resposta dada pelas frangas ao utilizar a vinhaça de destilaria demonstra as potencialidades para considerar estes resíduos como aditivo, aperfeiçoadores do comportamento produtivo e reprodutivo, além da saúde das frangas de substituição. É importante destacar que o começo da postura marca uma vantagem produtiva nesta espécie, pois se traduz numa maior produção de ovos na etapa. Estes resultados confirmam os resultados obtidos por Nakano et al. (1999), que demonstraram uma estreita relação entre o peso vivo e o aparelho reprodutor, ao utilizar aditivos em poedeiras.

Conclusões

Os resultados sugerem que o uso da vinhaça como aditivo em frangos de corte e na substituição de poedeiras pode otimizar a utilização dos nutrimentos da dieta, garantir um adequado comportamento produtivo nos animais e, além disso, poderiam ser alcançados benefícios econômicos propiciados pelo melhor desenvolvimento das aves.

Bibliografia

AOAC. 2000. Official Methods of analysis of the Association of Official Analytical Chemistries. 17th Edition. Arlington, Virginia.

Brugalli I. 2003. Alimentação alternativa: a utilização de fitoterápicos ou nutracêuticos como moduladores da imunidade e desempenho animal. Anais do Simpósio sobre Manejo e Nutrição de Aves e Suínos; 2003; Campinas, São Paulo. Brasil. Campinas: CBNA; p.167.

Duncan D. 1955. Multiple ranges and multiple F test. Biometrics 11:1.

Griggs JP & Jacob JP. 2005. Alternatives to antibiotics for organic poultry production. J. Appl. Poult. Res. 14:750.

Gohl B. 1991. Tropical feeds (edición computarizada). Oxford Computer Journals: Oxford and FAO: Roma.

INFOSTAT, Software estadístico. 2001. Balzarini, G. M., Casanoves, F., Di Rienzo, I. A., González, L. A y Robledo, C. W. Manual de usuario. Versión 1. Córdoba, Argentina.

Javierre J. 2006. Acidificantes Sinérgicos en Avicultura: Aplicación Específica para el Manejo del Estrés de Calor. Disponible en: http://64.76.120.161/acidificantes_sinergicos_avicultura_aplicacion_s_articulos_961_.htm. Acceso: Diciembre, 2008.

Lewicki W. 2001. Introduction to vinasses (cms) from sugarbeet and sugar cane molasses fermentation. International Sugar Journal 103:126.

Mc-Pherson D, Reyes K, Socarrás Y. 2002. Evaluación de alternativas para el aprovechamiento del mosto alcoholero de destilería y la reducción de la contaminación ambiental. Tecnología Química 22:5.

Miazzo R, Peralta M, Picco M, Nilson A. 2005. Productive parameters and carcass quality of broiler chickens fed yeast (Saccharomyces cerevisiae). Proc. XII European Simposium on the quality of Poultry Meat. Holanda. World's Poultry Science Asoc. 84:330.

Miazzo RD, Peralta, MF, Nilson AJ, Picco M. 2007. Calidad de la canal de broilers que recibieron levadura de cerveza (S. cerevisiae) en las etapas de iniciación y terminación. XX Congreso Latinoamericano de Avicultura, Porto Alegre, Brasil. Premio al Mérito Científico "Lauriston Von Schmidt".

Morales R. 2007. Las paredes celulares de levadura de Saccharomyces cerevisiae: un aditivo natural capaz de mejorar la productividad y salud del pollo de engorde. Tesis presentada en opción al título académico de Doctor en Producción Animal. Barcelona, España. p 3.

Nakano T, Shimuzu M, Fukushima. 1999. Effects of a probiotic on the lipid metabolism of pullet hen as a colesterol-enriched diet. Biotechnology and Biochemistry 63:1569-1575.

Penz A & Gianfellici M. 2008. Actuales desafíos de la nutrición en pollos de engorde. World Poultry 26:10.

Sarria P & Preston TR.1992. Reemplazo parcial del jugo de caña con vinaza y uso del grano de soya a cambio de torta en dietas de cerdos de engorde. Livestock Research for Rural Development 4:80.

Stemme K, Gerdes B, Hams A, Kamphues J. 2005. Beet-vinasse (condensed molasses solubles) as an ingredient in diets for cattle and pigs-nutritive value and limitations. Journal of Animal Physiology and Animal Nutrition 89:179.

Upendra H & Yathiraj S. 2003. Effect of supplementing probiotics and Mannan oligosaccharide on body weight, feed conversion ratio and viabilidad in broiler chicks. Indian Veterinary Journal 80:1075.

Velazco E. 1998. Manejo de las reproductoras y sus remplazos. Revista cubana de ciencias avícolas 22(2):15.

Vogt VH, Mathes S, Harnisch S. 1981. Archir für Geflugelkunde 45:221.

Wright RA. 1996. Nutrición de las aves. Selecciones avícolas 38(9):531.

 

 

 
remove_red_eye 867 forum 0 bar_chart Estatísticas share print
Compartilhar :
close
Ver todos os comentários
 
   | 
Copyright © 1999-2019 Engormix - All Rights Reserved
Avicultura
search
search