A seguinte publicação técnica está relacionada com o evento:
XXII Congresso Latino-Americano de Avicultura 2011

Pintainho frango de corte

Comprimento corporal como medida de qualidade do pintainho para predição do desempenho do frango de corte

Publicado: 01/09/2011
Autor/s. : Elisabeth Gonzales 1*, HHC Mello1, M Laboissière, FB Carvalho, JH Stringhin1 Escola de Veterinária e Zootecnia – Universidade Federal de Goiás, Goiânia/GO -Brasil
Sumário

A avaliação da qualidade dos pintos de corte inclui o registro do peso ao nascer como indicativo de seu desempenho posterior. Entretanto, algumas pesquisas indicam que o comprimento corporal pode ser melhor indicador do desempenho futuro (Molenaar et al., 2008). Este experimento foi conduzido para avaliar a relação entre peso e comprimento corporal ao nascimento e tempo de nascimento com o peso aos 7 dias de idade para frangos de corte machos e fêmeas. Quatrocentos ovos provenientes de matrizes com 18 dias de incubação, apresentando embriões viáveis, foram identificados individualmente, pesados e vacinados durante a transferência da incubadora para o nascedouro. Ao nascimento os pintos foram sexados, identificados, pesados, avaliados quanto ao comprimento corporal e o tempo de nascimento. Posteriormente as aves foram alojadas aleatoriamente, separadas por sexo, recebendo ração e água ad libitum. Foram avaliados os pesos ao alojamento e aos 7 dias de idade. Os dados foram analisados com o programa estatístico SAS (Statistical Analysis System) e foram determinados os coeficientes de correlação de Pearson entre as médias de interesse. As fêmeas apresentaram maior comprimento corporal (172,19 vs 163,52 mm) e menor peso aos 7 dias (146,47 vs 153,89 g) do que os machos (P<0,001). Houve correlação positiva entre o peso aos 7 dias com o comprimento corporal, o peso do ovo, peso ao nascimento e peso ao alojamento para ambos os sexos. Tanto o comprimento corporal quanto o peso aos 7 dias apresentaram correlação negativa com o tempo de nascimento, sugerindo uma possível diferença no metabolismo das aves que nascem em menos tempo, têm maior comprimento corporal e maior peso aos 7 dias. O comprimento do pinto ao nascimento e o tempo de nascimento podem ser utilizados para avaliar o potencial de crescimento das aves aos 7 dias de idade, considerando-se as diferenças dentro de cada sexo.
Palavras Chave: Frango, Incubação, Qualidade, Tempo.

Introdução

A qualidade do pintainho ao nascer é um indicador do desempenho do frango de corte, porém, a fim de melhorar o poder de predição seria melhor definí-lo como uma combinação de vários aspectos qualitativos do pinto de 1 dia e o crescimento aos 7 dias de idade (Tona et al., 2003a). Algumas medidas feitas no pintainho ao nascer são peso e comprimento corporal. Visto que o peso aos 7 dias é um bom valor de predição do peso corporal ao abate (Willemsen et al., 2008), correlacionando-se as medidas de qualidade do pintainho ao nascer com o peso aos 7 dias pode-se predizer o desempenho das aves de forma mais precoce. De acordo com Molenaar et al. (2008), o comprimento do corpo do pintainho recém nascido parece ser o melhor parâmetro para prever o desempenho subseqüente do pintainho do que peso ao nascimento, mas o sexo das aves deve ser considerado. Além disso, presume-se que o tempo de incubação (tempo total de eclosão) poderia ser um fator a ser considerado pois embriões com maior desenvolvimento são aqueles que aproveitam melhor os elementos nutritivos do vitelo para crescimento corporal e portanto são mais precoces que aqueles com menor crescimento. Objetivou-se avaliar a relação entre peso e comprimento corporal ao nascimento e tempo de nascimento com o peso aos 7 dias de idade para frangos de corte machos e fêmeas.

Materiais & Métodos

Foram selecionados 400 ovos provenientes de matrizes pesadas com 18 dias de incubação e embriões viáveis. Os ovos foram identificados e acondicionados em sacos permeáveis individuais no momento da transferência da incubadora para o nascedouro. Todos os ovos foram pesados antes da transferência e submetidos à vacinação in ovo. Os ovos foram retirados dos nascedouros com aproximadamente 504 horas de incubação (21 dias). Foi registrado o tempo médio de nascimento e o peso ao nascimento de cada pintainho individualmente.  Os pintainhos recém-nascidos foram sexados pela asa, pesados e identificados individualmente com anilha numerada. O comprimento do corpo dos pintainhos foi medido, utilizando-se paquímetro digital, sendo considerada a medida da extremidade do bico até a extremidade do dedo mais longo excluindo-se a unha. Após serem feitas as medidas os pintainhos receberam ração pré-inical comercial no incubatório, na quantidade de 1g/ave. Posteriormente, os pintainhos foram alojados em grupos de machos e fêmeas, em um galpão equipado com comedouros e bebedouros infantis e aquecimento a gás. Todos os pintainhos foram pesados ao alojamento. Foi fornecida ração comercial inicial e água a vontade. Aos 7 dias de idade as aves foram pesadas. Os dados foram submetidos à ANOVA utilizando-se o programa estatístico SAS. Foram calculados os coeficientes de correlação de Pearson das variáveis de interesse. Cada pintainho foi considerado como uma unidade experimental.

Resultados & Discussão

As médias das variáveis relacionadas à qualidade do pintainho e desempenho de acordo com o sexo das aves estão apresentadas na Tabela 1. O comprimento do pintainho e o peso aos 7 dias diferiram entre os sexos (P<0,001), sendo que as fêmeas apresentaram maior comprimento do corpo e menor o peso aos 7 dias do que os machos. O peso do ovo, o tempo de nascimento, o peso ao nascimento e o peso ao alojamento não diferiram entre os sexos (P>0,05). Os coeficientes de correlação para machos e fêmeas estão apresentados, respectivamente, nas Tabelas 2 e 3. Embora as correlações entre as variáveis de interesse tenham apresentado respostas similares entre ambos os sexos, é necessário  que as comparações sejam feitas entre individuos do mesmo sexo, sendo portanto apresentados valores de correlações distintos para machos e fêmeas. A importância do estudo de forma específica para cada sexo foi confirmada por Molenaar et al. (2008), que concluíram que o comprimento do pintainho ao nascimento apresentou valor preditivo para peso ao abate e produção de carne de peito, para frangos de corte machos, mas não para frangos de corte fêmeas. Verificou-se, para ambos os sexos, correlação positiva entre peso aos 7 dias com comprimento do corpo, peso do ovo, peso ao nascimento e peso ao alojamento. O comprimento do corpo e o peso aos 7 dias apresentaram correlação negativa com o tempo ao nascimento, portanto, os pintainhos que nasceram em menor tempo apresentaram maior comprimento corporal e maior peso aos 7 dias do que aqueles que nasceram mais tardiamente. Este fato sugere uma possível diferença no metabolismo das aves que demandam tempo diferente ao nascimento. Tona et al. (2003 b) afirmaram que o aumento da relação  entre os hormônios tireoideanos T3/T4 e o maior nível de corticosterona podem favorecer o início do processo de eclosão (bicagem interna e externa) e a qualidade do pintainho. De fato, Tona et al. (2004) verificaram diferenças metabólicas entre linhagens com diferentes taxas de crescimento e observaram que o tempo de incubação é menor para as linhagens pesadas. Estes autores verificaram ainda maior relação entre os hormônios tireoideanos T3/T4 no pintainho ao nascer para as linhagens pesadas. No presente estudo não houve diferença entre os sexos em relação ao tempo de nascimento, porém, como houve correlação significativa entre esta variavel e o peso aos 7 dias, é possível inferir que há diferenças metabólicas entre cada indivíduo. No tocante aos valores preditivos de desempenho dos frangos aos 7 dias, o comprimento do corpo foi melhor correlacionado com peso aos 7 dias do que peso ao nascimento para ambos os sexos, sendo, portanto, uma ferramenta útil para a predição do desempenho das aves. A utilização da variável tempo de nascimento é uma alternativa para minimizar os erros de predição relacionados com peso ao nascimento pois, de acordo com Joseph et al. (2006), as diferenças de peso ao nascimento são explicadas por variações na quantidade de gema residual. Visto que a massa residual da gema pode variar de 0,8-10,6 g de acordo com as linhagens genéticas (Wolanski et al., 2006) utilizar apenas o peso ao nascimento pode acarretar valores preditivos inverossímeis.

Tabela 1. Médias das variáveis relacionadas à qualidade do pintainho e desempenho de acordo com o sexo das aves

 

Sexo

CV (%)

Probabilidade

 

Fêmeas

Machos

Peso do ovo (g)

51,45

51,91

7,18

0,2797

Tempo de nascimento (h)

493,26

494,39

1,33

0,1256

Peso ao nascimento (g)

42,11

42,67

7,46

0,1164

Comprimento do pintainho (mm)

172,19

163,52

3,82

<0,001

Peso aos 7 dias (g)

146,47

153,89

9,49

<0,001

Peso ao alojamento (g)

40,38

40,87

7,57

0,1566


Tabela 2.
Coeficientes de correlação de Pearson para frangos de corte machos

Variável

Comprimento do corpo

Peso aos 7 dias

Peso ovo

-0,03696

0,32872

 

0,6669

<0,0001

Tempo de nascimento

-0,36915

-0,33072

 

<0,0001

<0,0001

Peso ao nascimento

-0,03160

0,29481

 

0,7129

0,0004

Comprimento do corpo

1,000

0,34243

 

 

<0,0001

Peso ao alojamento

0,00697

0,34466

 

0,9354

<0,0001


Tabela 3.
Coeficientes de correlação de Pearson para frangos de corte fêmeas

Variável

Comprimento do corpo

Peso aos 7 dias

Peso ovo

0,04939

0,31602

 

0,5067

<0,0001

Tempo de nascimento

-0,41067

-0,27214

 

<0,0001

0,0002

Peso ao nascimento

0,05022

0,31056

 

0,4996

<0,0001

Comprimento do corpo

1,000

0,35793

 

 

<0,0001

Peso ao alojamento

0,06954

0,35612

 

0,3496

<0,0001

Conclusões

O comprimento do pinto ao nascimento e o tempo de nascimento podem ser utilizados para avaliar o potencial de crescimento das aves aos 7 dias de idade, considerando-se as diferenças dentro de cada sexo.

Bibliografia

Joseph NS, Lourens A, Moran Jr ET. 2006. The Effects of Suboptimal Eggshell Temperature During Incubation on Broiler Chick Quality, Live Performance, and Further Processing Yield. Poultry Science 85:932-938.

Molenaar R, Reijrink IAM, Meijerho R, Van Den Brand H. 2008. Relationship between hatchling length and weight on later productive performance in broilers. World's Poultry Science Journal 64:599-604.

Tona K, Bamelis F, De Ketelaere B, Bruggeman V, Moraes VMB, Buyse J,Onagbesan O, Decuypere E. 2003a. Effects of Egg Storage Time on Spread of Hatch, Chick Quality, and Chick Juvenile Growth. Poultry Science, 82, pp.736-741.

Tona K, Malheiros RD, Bamelis F, Careghi C, Moraes VMB, Onagbesan O, Decuypere E, Bruggeman V. 2003b. Effects of Storage Time on Incubating Egg Gas Pressure, Thyroid Hormones, and Corticosterone Levels in Embryos and on Their Hatching Parameters. Poultry Science 82:840-845.

Tona K, Onagbesan OM, Jego Y, Kamers B, Decuypere E, Bruggeman V. 2004. Comparison of Embryo hysiological Parameters During Incubation, Chick Quality, and Growth Performance of Three Lines of Broiler Breeders Differing in Genetic Composition and Growth Rate. Poultry Science 8:507-513.

Willemsen H, Everaert N, Witters A, De Smit L, Debonne M, Verschuere F,Garain P,Berckmans D, Decuypere E, Bruggeman V. 2008. Critical Assessment of Chick Quality Measurements as an Indicator of Posthatch Performance. Poultry Science 87:2358-2366.

Wolanski NJ, Renema RA, Robinson FE, Carney VL, Fancher BI. 2006. Relationship Between Chick Conformation and Quality Measures with Early Growth Traits in Males of Eight Selected Pure or Commercial Broiler Breeder Strains. Poultry Science 85:1490-1497.

 

 

 
Autor/s.
 
remove_red_eye 725 forum 0 bar_chart Estatísticas share print
Compartilhar :
close
Ver todos os comentários
 
Copyright © 1999-2021 Engormix - All Rights Reserved