Engormix/Avicultura/Artigos técnicos

Bacteriófagos: Nova esperança na luta contra doenças bacterianas

Publicado: 12/05/2022
Autor/s. : Proteon Pharmaceuticals. Contato: Amanda Cobucci
Bacteriófagos: nueva esperanza en la lucha contra las enfermedades bacterianas - Image 1
Bacteriófagos são vírus bacterianos que reconhecem espécies específicas
e até cepas de bactérias. Foto: Proteon Pharmaceuticals

O uso de bacteriófagos é promissor devido à especificidade de sua ação, eles não interferem na microflora intestinal como fazem os antibióticos. Além disso, a tendência das bactérias para desenvolver resistência aos fagos é cerca de dez vezes mais lenta do que no caso de antibióticos.
O problema das bactérias resistentes aos antibióticos
O momento da introdução dos antibióticos foi um divisor de águas na medicina. Os antibióticos revolucionaram a indústria, substituindo outros métodos de combate aos microrganismos e contribuíram para o desenvolvimento de várias terapias médicas, por exemplo, quimioterapia e transplante. O fenômeno da resistência aos antibióticos apareceu no início da descoberta dos antibióticos, mas devido à taxa de descoberta e introdução de novos antibióticos, não levantou muita preocupação. Com o tempo, a quantidade de antibióticos novos e eficazes diminuiu drasticamente e o problema da resistência aos antibióticos tornou-se mais perceptível. Esse fenômeno é um processo natural e ocorreu antes mesmo da introdução dos antibióticos disponíveis comercialmente. No entanto, referia-se a compostos de ocorrência natural com atividade antibacteriana e em concentrações relativamente baixas quando comparadas às doses terapêuticas. As bactérias, como todos os organismos vivos, querem sobreviver, o que resulta no desenvolvimento de mecanismos que as adaptam a condições desfavoráveis, tornando-se resistentes a agentes terapêuticos. Infelizmente, a resistência aos antibióticos é significativamente influenciada pelo seu uso excessivo, não apenas no tratamento de doenças, mas também quando usados como agentes promotores de crescimento no cultivo de plantas e na criação de animais.
Desenvolvimento de resistência a antibióticos
Estima-se que, no último caso, até 73% dos antibióticos sejam usados em todo o mundo. O maior consumo ocorre na aquacultura, onde até toneladas de antibióticos são liberados nas águas e, portanto, se acumulam no meio ambiente. Isso afeta não apenas o desenvolvimento de resistência a antibióticos, mas também a destruição do ecossistema. As bactérias adquirem resistência por causa de mutações genéticas e transferência horizontal de genes: conjugação (coleta/transferência de material genético de/para outra bactéria), transformação (coleta de material genético do meio ambiente), transdução (com a participação de bacteriófagos). Além disso, as células bacterianas podem alcançar resistência transitória e geneticamente não codificada por meio de processos como crescimento em biofilmes, adaptação ao enxame, dormência metabólica e persistência.
A terapia fágica como um caminho “redescoberto”
Bacteriófagos são vírus bacterianos que reconhecem espécies específicas e até cepas de bactérias. O nome também significa “comedor de bactérias”. A terapia fágica foi introduzida já há um século, no início de 1900, mas foi descontinuada após a introdução dos antibióticos. No entanto, a pesquisa não parou e continuou em lugares como Rússia, Geórgia e Polônia. Instituições que são conhecidas por sua longa atividade no campo dos bacteriófagos são o Instituto Eliava de Bacteriófagos, Microbiologia e Virologia, fundado em 1923 em Tbilisi, Geórgia; e o Instituto Ludwik Hirszfeld de Imunologia e Terapia Experimental, fundado em 1952 em Wroclaw, Polônia. As alegações que questionavam a eficácia dos bacteriófagos incluíam principalmente desenho de metodologia insuficiente. Os bacteriófagos recuperaram o interesse por meio de uma compreensão mais detalhada da biologia, genética, imunologia e farmacologia dos fagos. Muitos estudos sugerem que coquetéis de bacteriófagos adequadamente desenvolvidos dão resultados muito satisfatórios na medicina, agricultura e aquacultura.
A terapia fágica tem uma boa chance de sucesso
O uso de bacteriófagos é promissor pela especificidade de sua ação, o que significa que eles não terão efeito negativo sobre a microflora, como os antibióticos. As vantagens indiscutíveis também incluem o fato de que eles deixam de funcionar quando neutralizam todas as bactérias alvo e se reproduzem por conta própria, portanto, doses pequenas e únicas geralmente são suficientes. Além disso, as bactérias que se esforçam para desenvolver resistência contra os fagos têm uma tarefa muito mais difícil, uma vez que os fagos também reagem a essas mudanças e, durante esse tempo, evoluirão e contornarão os mecanismos de defesa bacterianos. A tendência das bactérias para desenvolver resistência aos fagos é cerca de dez vezes mais lenta do que no caso dos antibióticos. A especificidade da ação dos bacteriófagos pode parecer uma desvantagem para algumas pessoas, e na verdade é uma limitação, mas principalmente no contexto da esterilização, por exemplo, de equipamentos e superfícies de laboratório ou limitação do número de microrganismos em produtos alimentícios. No entanto, para o tratamento de doenças, a especificidade é altamente desejável.
Outros benefícios
Outra razão a favor da terapia fágica é a alta prevalência de vírus, graças à qual eles são facilmente encontrados no ambiente. Além disso, existem muitos bacteriófagos virulentos na natureza que são letais para as bactérias e, além disso, evoluem constantemente paralelamente às bactérias. Muitos antibióticos apenas inibem a multiplicação das bactérias em vez de matá-las, o que aumenta a capacidade de adaptação das bactérias.
Atualmente, grandes avanços tecnológicos, incluindo o desenvolvimento de ferramentas e técnicas eficientes, possibilitam aumentar significativamente a eficácia das terapias fágicas. Graças às novas ferramentas de bioinformática e tecnologia de sequenciamento, é muito fácil e rápido determinar se o bacteriófago testado é virulento ou apenas inibe o crescimento de bactérias. Também é possível identificar as melhores condições para um determinado bacteriófago em que ele é mais ativo. Como resultado, são criadas várias soluções estabilizadoras que mantêm a eficácia e a bioatividade mesmo por meses.
 
Autor/s. :
 
Visualizações147Comentários 1EstatísticasCompartilhar