engormix
search
search
O serviço não está disponível para entrar em contato com esta empresa desde Estados Unidos

Tendências da nutrição avícola. Paulo Teixeira (Evonik)

remove_red_eye 754 forum 10 bar_chart Estatísticas share
"Curtidas" do Influencers: Valeska Tamara Passarelo
Compartilhar :
close
As informações de vídeo
Ver mais
17 de Fevereiro de 2020
Dr Paulo , concordamos que a pratica de utilização de rações com menor concentração de proteína bruta(PB) com suplementação de aminoácidos sintéticos, reduz a utilização de grãos e a poluição ambiental. Porém,temos destacados em algumas oportunidades alguns pontos que podem restringir a utilização dessa pratica. PRIMEIRO;- como a redução de PB é feita utilizando o conceito de proteína ideal , onde as relações dos aminoácidos essenciais com a lisina são estabelecidos,constitui um problema a ser contornado .Isto porque, fatores como, estresse ambiental de temperatura e imunológico influenciam modificando essas relações o que torna necessário ajustes na proteína ideal para evitar algum efeito adicional da redução de PB da ração no desempenho dos animais..Deve ser ainda considerado que as relações entre os aminoácidos com a lisina na proteína ideal dos animais, são definidas por experimentos que são conduzidos , normalmente , em ambientes onde os desafios são menos expressivos comparativamente as condições de campo. SEGUNDO;- não menos importante é o fato, que aminoácidos tidos como não essenciais como a glutamina e a glicina entre outros como aspartato e glutamato tem-se revelado influenciar o desempenho dos animais sob desafio imunológico. Com base em dados de literatura, esses resultados são obtidos com a suplementação desses aminoácidos em rações em que os níveis desses aminoácidos não parecem limitantes nas rações.Com base nessa realidade as mais recentes propostas de proteína ideal para suínos e aves contemplam as relações tanto dos essenciais como dos não essenciais com a lisina. Como o Senhor abordou esse assunto, penso ser importante saber sua opinião sobre os questionamentos levantados. Faço essas ponderações por entender que seu conhecimento sobre a matéria pode contribuir para elucidar as dúvidas que temos sobre a praticidade de se reduzir a PB das rações de suínos e aves .em condições de campo.
Responder
27 de Fevereiro de 2020
Caro professor Juarez Donzele , muito obrigada por seus comentários e excelentes observações. Realmente não há muito material disponível em torno de baixa proteína e o impacto (positivo) na imunologia e saúde dos animais, pois muitos outros fatores desempenham um papel determinante neste caso, como o ambiente e o metabolismo do animal. A maioria dos estudos são feitos em condições experimentais e vinculam a redução de proteínas a efeitos relacionados à saúde e não dados diretos sobre os impactos na imunologia. Podemos lhe encaminhar materiais relacionados ao tema e um estudo que mostra o impacto da dieta (padrão, com e sem redução de PB, com e sem probióticos) em um ambiente em que todas as aves foram desafiadas. Como resultado tivemos indicadores "indiretos", como melhorias na qualidade da cama e dermatites nas patas, que podemos usar como indicadores de "melhoradores da saúde". Em poucos meses vamos publicar um AMINONews® que tratará sobre a redução de PB em frangos de corte sem comprometer o desempenho das aves.

Em relação aos seus comentários do ITEM 1, sempre foi o caso de “proteína ideal” ser apenas um conceito. As pessoas que seguem as recomendações da Evonik (AMINOChick®) podem ter percebido que consideramos pelo menos um fator que mostra que as relações entre AA e Lys estão mudando: IDADE (crescimento alométrico, órgãos/tecidos têm perfis de AA diferentes e crescem de maneira diferente rapidamente). Agora, sabemos com certeza que se os nutrientes fossem necessários para fins metabólicos com prioridade mais alta (como saúde), eles estariam menos disponíveis para fins de crescimento "normal" e, como os perfis de AA necessários diferem entre respostas imunológicas, defesa térmica, etc. o padrão alimentar de AA também mudaria.
Com relação à redução de proteína, o número de AA considerados está aumentando e hoje consideramos todos os equivalentes EAA + Gly. Em casos extremos, cada AA limita o desempenho igualmente e, no caso de apenas um deles ser necessário para outra coisa (ou simplesmente sub-administrado), esse AA específico irá determinar o desempenho. Dito isto, sabemos que também o metabolismo dos AA está mudando com a redução de proteínas e, especialmente, para a Thr. Temos indicações de que a atividade enzimática no metabolismo da Thr está mudando, o que tornaria provável um aumento da relação Thr:Lys.
Em relação ao ITEM 2, no que diz respeito aos NEAA, de fato damos recomendações para equivalentes Gly (o que é cientificamente mais sólido que Gly+Ser). O metabolismo da Gly é muito complexo, pois é influenciado por muitos fatores e o mais importante é a formação do ácido úrico. O ácido úrico transporta 4 N para excreção e 1 deles é entregue por Gly, no entanto, se a excreção de N for substancialmente reduzida pela estratégia de baixa proteína (melhor utilização de N com o mesmo desempenho), a necessidade de Gly metabólico irá diminuir tremendamente, então o “requerimento” será afetado. Existem algumas outras interações, como colina, betaína (os metabólitos de ambos são Gly), mas também são necessárias, por exemplo para a formação de creatina. Argumentação semelhante pode ser aplicada para Glu e Asp. Para Glu, também sabemos que é necessária em grandes porções como combustível energético no tecido intestinal. Portanto, uma sincronização de proteínas degradáveis rápidas/lentas (e, portanto, liberação de Glu) com amido degradável rápido/lento também afetaria a necessidade de NEAA. Portanto, uma nutrição de AA precisa é mais do que somente considerar o AA.

Para maiores esclarecimentos, por favor entre em contato conosco. Muito obrigada pelos comentários e importantes observações!
Responder
11 de Março de 2020
Dra Patricia , agradeço e reconheço que suas ponderações são coerentes e importantes para esclarecer possíveis dúvida sobre o assunto em pauta.Uma certeza você pode ter, em biologia, quanto mais se estuda mais noção da nossa ignorância nos temos.O processo biológico é dinâmico.
Responder
11 de Março de 2020
Estimada Patricia, qual a variação na relação Lys/Thr nas fases iniciais, considerando o crescimento explosivo do TGI até 21 dias?
As dietas iniciais atuais não são dietas complexas com redução de alergênicos e anti-nutricionais como Glicinina e Conglicinina nem tampouco fazemos o uso de fontes de nucleotídeos, caso tenhamos esse cenário como uma tendência futura e os padrões morfológicos, comprimento de vilos, profundidade de cripta e suas relações forem totalmente alterados, qual seriam as relações sugeridas?
Grato desde já pela atenção,
Luis Luna
Responder
16 de Março de 2020
Prezado Luis Fernando Luna , muito obrigada pela sua contribuição e comentários!
De fato, logo após a eclosão ocorre um crescimento explosivo do TGI e o pintinho precisa imediatamente se acostumar com a alimentação exógena. Portanto, todos os nutrientes e energia devem ser fornecidos para apoiar esta fase crucial da vida da ave. Eu não falaria necessariamente das fases até 21 dias, mas certamente os primeiros 10 dias são críticos - a razão pela qual recomendamos não reduzir o balanço proteico abaixo de 21,5-22,0% nesta fase. Obviamente, os nutrientes devem estar disponíveis em forma altamente digerível.
Agora, com relação a SID Thr:Lys, a relação mínima deve ser de, pelo menos, 63%. Sabemos que a Thr é necessária em quantidades maiores tanto para imunoglobulinas quanto para mucina, que é o principal constituinte da camada de muco e desempenha um papel crucial na proteção do intestino de ácidos, enzimas digestivas e patógenos. A mucina funciona como uma primeira barreira de defesa do TGI para patógenos, e, ao mesmo tempo, é uma importante camada que hospeda muitas bactérias benéficas. Uma relação de mais de 65% de SID Thr: Lys seria profilaticamente significativa e até 70% poderia ser uma recomendação.
Muito obrigada e qualquer dúvida ou necessidade é só entrar em contato conosco. Um grande abraço!”
Responder
16 de Março de 2020
Dra Patricia , entendo que suas considerações estão bem fundamentadas. No entanto entendo , que quanto ao desenvolvimento do TGI do pintinho, seria importante considerar as primeiras 24 h de nascimento. Isto, em razão de que, a partir de 18 h de jejum após a eclosão já ocorre perdas irrecuperáveis no desenvolvimento do TGI , que compromete o pleno desenvolvimento do animal , influenciando principalmente a deposição de carne no peito . Exatamente por essa razão e considerando a complexidade da operacionalização dessa nutrição é que surgiu o programa de pesquisa NUTRIÇÃO NO OVO., que vem sendo desenvolvido pela comunidade científica..Na pratica , a chegada dos pintinhos na maioria das granjas ultrapassa esse período minimo de jejum de 18 h. Assim pode-se concluir que as aves não expressam todo seu potencial de desenvolvimento, independente do programa de nutrição e do nível de desafio sanitário das granjas.
Responder
16 de Março de 2020
Com certeza professor Juarez Donzele! A Nutrição in ovo deve ser o futuro próximo e isso sem dúvida alguma beneficiará os resultados das aves. O quanto antes conseguirmos nutrir o pintinho e, de preferência, in ovo ou nas primeiras horas de vida, melhor! A logística de envio dos pintinhos normalmente leva muitas horas mesmo; a prática de colocar ração na caixa no incubatório pode levar a contaminações, etc. Em resumo é difícil agilizar o fornecimento da ração para os pintinhos nas primeiras horas. Os produtores tentam estimular o consumo da ração desde o início na granja intensificando o manejo inicial, mas na realidade os pintinhos já passaram muitas horas em jejum. Tempo precioso que não volta mais!
Responder
16 de Março de 2020
Dr Patricia, parabenizo-a pelas suas ponderações, que nos dão a clara noção do seu entendimento, que nossas considerações não tem objetivo outro que não seja o de tentar contribuir para o esclarecimento, na medida do possível, ,do assunto em pauta.
Responder
20 de Julho de 2020
Boa tarde, gostaria de parabenizar a Dr Patricia e o Professor Juarez Donizete, pelos comentários e ponderações, muito bem fundamentadas.Sou leigo no assunto, mais foi muito esclarecedor. Ao ler um TCC de Emanuele Cristiny Goes, que abordou este assunto,nutrição in ovo. Segundo ele o período de incubação, representa cerca de 30% da vida do animal, e a concentração de carboidratos no ovo é extremamente baixa, restringindo energia para o desenvolvimento da mucosa intestinal e imunidade, na primeira parte deste trabalho.Desculpe pelo meu singelo comentário.
Responder
20 de Julho de 2020
Prezado Paulo Sérgio Félix Ribeiro muito obrigada pela sua contribuição. Vou ler o TCC sobre nutrição in ovo que você comentou para eu aprender mais sobre este importante assunto. Fiquei impressionada com a informação sobre o período de incubação representar 30% da vida do animal. Muito interessante este dado. Um abraço e mais uma vez obrigada!
Responder
Engormix se reserva o direito de apagar e/ou modificar os comentários. Veja mais detalhes
Comentar