infecção matrizes suínas

Como controlar a infecção urinária em matrizes suínas em produção

Publicado: 09/05/2012
Autor/s. :

A infecção urinária na fêmea em produção é um dos mais importantes problemas que ocorre nos sistemas intensivos de produção de suínos, devido a sua relação com transtornos reprodutivos e por provocar aumento na taxa de descarte e, consequentemente, aumento na taxa de reposição. Também, é a causa mais freqüente de morte súbita de porcas na gestação e em lactação.

O que é infecção urináriafi

Infecção urinária, muitas vezes denominada somente de "cistite", é a penetração e multiplicação de microorganismos nas vias urinárias, podendo atingir todo aparelho urinário ou somente parte dele, como é o caso da cistite, em que somente a bexiga apresenta-se afetada.

Porque ocorre

Determinados fatores ambientais, nutricionais, de manejo e de higiene que favorecem a penetração e/ou multiplicação de microorganismos na bexiga, causando infiamação que as vezes pode atingir também os rins.

Fatores de riscos para infecção urinária

A infecção urinária é uma doença de rebanho, de origem multifatorial e, geralmente, seu curso é crônico. A identificação de uma porca com infeção urinária significa que pelo menos mais duas a quatro apresentam a doença. O número total de porcas doentes em um rebanho está diretamente relacionado com o conjunto de fatores de risco presente na granja. Os fatores de risco não "atuam" isoladamente sobre as matrizes, mas sim, de forma conjunta e, variam de granja para granja. A distância da vulva até a bexiga é curta e a uretra é menos distendível. Essa estrutura anatômica desfavorável, e o fato das vias urinárias da fêmea suína serem naturalmente mal protegidas, tornam a bexiga da porca mais predisposta a ascensão de bactérias. Esses fatores, anatômico e fisiológico, associados a fatores de risco, favorecem a ocorrência de cistite.

No sistema confinado, com freqüência, devido a lesões nos cascos ou devido ao reduzido espaço ao qual são submetidas, as porcas adotam a atitude de cão sentado, favorecendo a contaminação da vulva pelo contato direto com os próprios dejetos presentes sobre o piso. A qualidade da limpeza na granja depende da proporção de funcionários em relação ao número de matrizes em produção.

Principais fatores de risco relacionados à infecção urinária

  • Má higiene expressada pelo acúmulo de fezes sobre o piso na região posterior da porca;
  • Presença de lesões nos cascos;
  • Falta de atividade física;
  • Baixo consumo de água pelas porcas;
  • Fornecimento de água de má qualidade;
  • Manejo incorreto da ração durante a gestação;
  • Composição inadequada da ração;
  • Presença de lesões na vulva;
  • Número baixo de funcionários;
  • Realização da inseminação ou monta natural sem a devida higiene

Sinais clínicos

Os sinais clínicos podem ser divididos em dois grupos: a) os observados em animais individuais, que em geral, são aqueles vistos pelos responsáveis pelo setor de gestação ou maternidade, como apatia, falta de apetite, perda de peso, alterações na pele e emagrecimento progressivo. Além disto, observa-se em um ou mais animais, descarga vulvar purulenta ou sanguinolenta, presença de descarga vulvar ressequida nos lábios vulvares, ou região adjacente, alterações, principalmente no cheiro, cor, aspecto e composição química da urina; b) aqueles que se expressam sobre os índices de produtividade como: elevação na taxa de retorno ao cio, taxa de mortalidade de matrizes, taxa de descarte de matrizes, taxa de reposição de matrizes e, consequentemente, uma redução nos índices produtivos.

Diagnóstico

Para definir a prevalência da infecção urinária no rebanho recomenda-se realizar exames de urina de um grupo mínimo de 30 porcas, avaliar as porcas com sinais clínicos característicos do problema e analisar os dados de produtividade do rebanho. Com base nestes exames pode-se classificar a granja em: (1) com problema leve menos que 15%; (2) com problema grave de 15 a 25% e (3) problema crônico e muito grave mais de 25%.

Controle

Não existe uma fórmula mágica para o controle da infecção urinária em matrizes em produção. Algumas medidas tem sido indicadas com sucesso na prevenção e tratamento de infecção urinária. As medidas indicadas dependem da gravidade e dos agentes envolvidos, em cada rebanho.

A escolha do antimicrobiano, tanto no caso de tratamento individual como coletivo, deve ser feita pelo Médico Veterinário, após avaliação dos resultados dos exames e pela sua experiência.

Tratamento individual

Neste caso recomenda-se a aplicação intramuscular de quimioterápicos que tem em sua composição um dos seguintes princípios ativos: ceftiofur, amoxicilina, gentamicina, penicilina, penicilina de longa ação, tetraciclina ou ampicilina. Dependendo do produto utilizado, o tratamento deve ser repetido por vários dias com intervalo de até 24 horas entre cada aplicação.

Tratamento coletivo

  1. identificar e corrigir os fatores de risco: a infecção urinária ocorre principalmente naquelas granjas que apresentam fatores de risco relacionados à condições ambientais e de manejo favoráveis à sua ocorrência. Os fatores de risco são característicos da granja e sua identificação e correção é fundamental tanto para controlar a infecção urinária como para que ela não ocorra novamente.
  2. adição de antibiótico à ração: quando o nível de prevalência de cistite estiver acima de 16% deve-se adicionar um antibiótico à ração cujo principio ativo deve ser de largo espectro, apresentar boa absorção e ser eliminado pela urina. Entre outros, recomenda-se produtos à base de enrofioxacina, fiumequina ou tetraciclina. Para se obter o resultado desejado o produto deve ser administrado via ração, no mínimo por dez dias.
  3. "acidificar a urina": como acidificante da urina da fêmea suína tem sido recomendado o cloreto de amônia ou ácido cítrico. O cloreto de amônia quando adicionado à ração, na dosagem de 2,5 a 3,0 kg/ton. por um período de 10 a 14 dias, na dieta das porcas, não compromete o desempenho produtivo e, por curto espaço de tempo, torna o pH da urina mais ácido, além de fazer com que as fêmeas ingiram um maior volume de água, estimulando a uma maior freqüência de micção.
  4. manejo: a adoção de medidas de manejo como forçar as matrizes a se levantarem duas a quatro vezes ao dia para urinarem e beberem água limpa e fresca, sem dúvida contribuem significativamente para o controle de infecção urinária.

A agilidade do produtor na correção dos fatores de risco, associado à adição de antibiótico e de cloreto de amônia ou ácido cítrico à ração e à medidas de manejo reduz a taxa de prevalência de infecção urinária a um valor aceitável (menor de 15%) em curto espaço de tempo. A manutenção deste estatus depende basicamente da capacidade do produtor em gerenciar sua granja.

 
remove_red_eye 343 forum 1 bar_chart Estatísticas share print
Compartilhar :
close
Ver todos os comentários
 
   | 
Copyright © 1999-2019 Engormix - All Rights Reserved