Discussão criada em 23/07/2012

A eficácia do Neem no combate a endo e ectoparasitos

REPORTAGEM DA REVISTA BALDE BRANCO, edição de maio de 2012.

NEEM, uma planta que protege o rebanho. 

Propriedades da árvore indiana auxiliam no controle de doenças e parasitas que atacam o rebanho leiteiro.
Especialistas garantem eficácia e rapidez no tratamento.

A competitividade da pecuária leiteira atualmente se baseia principalmente na aplicação de tecnologia, elevação da produtividade e ganhos de eficiência da porteira para dentro.

E isso passa por uma gestão correta dos custos de produção, o que inclui o controle rigoroso de doenças e pragas que afetam a exploração, como vermes, moscas, carrapatos, bernes e bicheiras.

Segundo um estudo que calculou o impacto econômico das principais ectoparasitoses no País, os prejuízos causados podem exceder os US$2 bilhões por ano, sendo as possíveis perdas associadas à diminuição da produção de leite e aos gastos com medicamentos.

O uso indiscriminado de diversos princípios químicos determinou um grave quadro de resistência genética de vários parasitos.

Desde então, vem se abrindo espaço para o uso de métodos alternativos, como a utilização de plantas de potencial fitoterápico com ação repelente e larvicida.
Em geral, são tratamentos simples e de baixo custo.
Além disso, tais substâncias naturais são consideradas menos poluentes, com baixo poder residual, e apresentam menores riscos de intoxicação.

Um dos bons exemplos nessa proposta é a árvore neem, que atua como repelente, inseticida, acaricida, fungicida e nematicida.

A pós-doutora em química orgânica e professora da Ufscar - Universidade Federal de São Carlos, Maria Fátima das Graças Fernandes, aponta que cerca de 400 espécies de insetos foram relatadas em pesquisas como sensíveis a algum tipo de ação do neem.

“Além desse tipo de ação, o neem tem efeitos sobre outros organismos, como nematóides, fungos, vírus e protozoários”, diz, explicando que o produto, que atua como bioinseticida, se revela praticamente inócuo ao ambiente e ao homem, biodegradável e com baixa persistência no ambiente.

Em cinco dias ação direta e indireta - Após a ingestão, o princípio ativo azadiractina passa a circular na corrente sanguínea dos animais e os parasitas que se alimentam do sangue passam a sofrer os efeitos negativos da planta.

Em cinco dias, os carrapatos (Boophilus microplus), as larvas de berne (Dermatobia hominis) e a moscas-do-chifre (Hematobia irritans), por exemplo, morrem no corpo do animal, segundo a professora da Ufscar.

A azadiractina é ainda eliminada nas fezes dos animais, justamente onde as moscas colocam seus ovos.
“Ao entrarem em contato com o princípio ativo do neem, não se desenvolvem e a infestação diminui consideravelmente”, ela completa.

Os resultados dependem do nível de infestação dos animais, do tamanho da área e das condições climáticas.
Normalmente, os efeitos começam a aparecer em torno de 25 dias após o início dos tratamentos, mas em alguns casos, podem levar mais de 70 dias.

Na Zona da Mata mineira, Dauro Francisco Vilella Schettino sempre criou as 600 cabeças de gado leiteiro de sua fazenda de modo convencional. Por muito tempo, enfrentou sérios problemas para eliminar moscas-do-chifre e carrapatos.

O uso dos produtos químicos era caro e trabalhoso, e para driblar a resistência da praga era necessário alternar diferentes formulações, de três em três semanas.

Com isso, a cada banho químico, a produção - de 1.500 litros de leite/dia - apresentava perda entre 10% e 15% nos dois dias seguintes.

A rotina da fazenda mudou quando, no começo de 2010, o proprietário decidiu enfrentar os citados insetos com o uso do pó do neem, na proporção de 1,5kg de pó para cada 100 kg de sal mineral. O produto conseguiu, enfim, interromper o ciclo das pragas no gado e dar sinal verde para a produção orgânica que almejava.

Ricardo Dutra
Diretor Comercial
remove_red_eye 4994 forum 38 bar_chart Estatísticas share print
Compartilhar :
close
Ana Paredes Silva Ana Paredes Silva
Medica Veterinaria Homeopata
25 de Julho de 2012

Boa Tarde Ricardo,
Gostaria de saber se a formulação em pó não tem o efeito hipoglicemiante verificado quando se ultiliza o óleo.
E se você verificou alguma alteração em fêmeas prenhes. Sempre evito os banhos nestas pois já tive casos de aborto.
Obrigada.

Responder
Ricardo Dutra Ricardo Dutra
Diretor Comercial
25 de Julho de 2012

Boa tarde Ana,
Não tenho conhecimento de nenhum efeito colateral (hipoglicemiante) entre os criadores que utilizam a torta de Neem.
Quanto a prenhes, realmente existe o risco do principio ativo agir como inibidor de cio, porém este risco ocorre apenas se a proporção do produto for acima de 20%.
Por isto aconselhamos a mistura de 1 a 2% da torta em porcetagem ao mineral ou ração, e principalmente cuidado na hora da mistura para que o produto fique bem homogêneo.
Att.

Responder
Romina Lindemann Romina Lindemann
Diretor Comercial
23 de Agosto de 2012

Olá. Também não temos nenhum registro, e já estamos com clientes que usam direto no sal mineral 1,5% para vacas leiteiras e gado corte.

Fico à disposição.

Responder
24 de Outubro de 2012

Olá, gostei muito desse produto. 
E fiquei interessada a saber, após aplicação do óleo de Neem, quanto tempo o animal ainda permanece imune a parasitas?
Aguardo resposta! 
Obrigada.

Responder
Romina Lindemann Romina Lindemann
Diretor Comercial
25 de Outubro de 2012

Olá querida, necessário sempre reaplicar o produto ..fitoterapia animal! Média de 1 por semana, mas depende do manejo.

Responder
Claudio Ferreira Claudio Ferreira
Produtor de gado de leite
9 de Fevereiro de 2013

Bom dia. Tenho curiosidade no uso do Neem. Poderia usar as folhas secas em forma de pó para mistura no sal para as vacas de leite, nessa mesma proporção de 1,5 kg / saco de sal?

Responder
Jaime Barros Jaime Barros
Engenheiro Agrônomo
4 de Março de 2013

Será eficaz seu uso via sal mineral? Qual a garantia de que cada animal consuma a quantidade ideal? O que dizer dos animais não dominadores no rebanho que não ingerem a quantidade adequada? Será mais uma "bomba relógio" no tocante a resistencia?

Responder
Renato Ponzio Renato Ponzio
Diretor Comercial
4 de Março de 2013

Olá Pessoal,

Não há garantia que o animal vai comer, mas normalmente come sim.

Sugerimos que o coxo esteja coberto, para que não fique demasiadamente amargo, assim elas não rejeitam o sal.

Sugerimos também misturar até 2,5% para combate e prevenção, o uso do produto deve ser continuo, e aguardar de 1 semana até 3 meses de resultado (todos os dias deve ter sal no coxo misturado com 2% de Neem, se não não adianta mesmo).

Para eliminar mais rapidamente, você pode pulverizar o concentrado de Neem sobre as instalações da fazenda, estábulos e nos próprios animais.

Sds.

Responder
Weder De Lima Vieira Weder De Lima Vieira
Zootecnista
12 de Março de 2013

Bom dia,

Gosto de opções naturais para controle de problemas sanitários. Mas existem alguns autores que falam que o uso do Neem em determinadas quantidades pode causar abortos em vacas de leite. O que você me diz disso?

Responder
Romina Lindemann Romina Lindemann
Diretor Comercial
12 de Março de 2013

Olá Pessoal,

Não vejo isso de aborto na prática. O que pode ocorrer é super dosagem, e mudanças drásticas na alimentação, ocasionarem as perdas, mas não acho que seria em função "exclusiva" do Neem.

Adotem 2,5% do total de sal mineral, como fitoterapia animal, que vai muito bem!

Ficamos à disposição para esclarecer maiores dúvidas!

sds.

Responder
Weder De Lima Vieira Weder De Lima Vieira
Zootecnista
12 de Março de 2013
De acordo com a Engenheira Agrônoma Rosângela C. Marcucci -, D.S. em Entomologia sobre autilização de torta de Neem "Contém 35% de proteína e é misturada na proporção 1:1, com o alimento convencional. Deve-se evitar quantidades maiores e consumo prolongado, pois há risco de ocorrência de aborto em vacas prenhas. "
Responder
Romina Lindemann Romina Lindemann
Diretor Comercial
12 de Março de 2013

Por isso recomendamos o uso do pó de Neem, que faz o mesmo efeito, porém não traz nenhuma implicação para os animais.

Responder
Weder De Lima Vieira Weder De Lima Vieira
Zootecnista
12 de Março de 2013

Mas o pó não é feito de Neem, por qué ele é diferente?

Responder
Romina Lindemann Romina Lindemann
Diretor Comercial
12 de Março de 2013

Porque a quantidade de principio ativo é menor. Cerca de 80% do principio ativo fica na torta.

Responder
Weder De Lima Vieira Weder De Lima Vieira
Zootecnista
12 de Março de 2013
Então se eu utilizar 20% da torta ficaria a mesma coisa.
Responder
Romina Lindemann Romina Lindemann
Diretor Comercial
12 de Março de 2013

Não! Para a torta recomendamos usar menos, cerca de 1 %.

Responder
Bárbara Doneux Rebske Bárbara Doneux Rebske
Médico Veterinário
12 de Março de 2013

Sabes me dizer sobre o uso do Neem misturado ao sal para equinos? Se é eficaz e se tem os mesmos resultados?

Responder
Bárbara Doneux Rebske Bárbara Doneux Rebske
Médico Veterinário
12 de Março de 2013
E no caso de dar o pó misturado à ração, que dosagem deveria ser usado? Visto que o consumo de ração é bem maior do que o de sal.
Responder
Celio Costa Lopes Celio Costa Lopes
Produtor de gado de leite
12 de Março de 2013

Acabei de fazer um pedido do pó de Neem, como saber de sua autenticidade? A empresa chama-se preserva mundi.

Responder
Romina Lindemann Romina Lindemann
Diretor Comercial
12 de Março de 2013

Pó de Neem misturado: 

Sal Mineral: 2,5 - 3%

Ração: 1 - 2%

Ok?

Responder
print
(4994)
(38)
Deseja opinar nesta discussão sobre: A eficácia do Neem no combate a endo e ectoparasitos?
Engormix se reserva o direito de apagar e/ou modificar os comentários. Veja mais detalhes
Comentar
Criar nova discussão :
Se essa discussão não abrange temas de interesse ou levanta novas questões, você pode criar uma outra discussão.
Consultar um profissional em particular:
Se você tem um problema específico, você pode executar uma consulta em particular a um profissional em nossa comunidade.
Antônio Carlos Coutinho
Antônio Carlos Coutinho
Engenheiro Agrônomo
  João Pessoa, Paraiba, Brasil
 
   | 
Copyright © 1999-2019 Engormix - All Rights Reserved