Gestão nas fazendas de bovinocultura de corte no estado de Minas Gerais

Publicado o: 17/05/2013
Autor/s. : Cristiano Cambraia Cunha Ferreira, Pós-Graduando em Zootecnia, Faculdades Associadas de Uberaba -FAZU-, MG, e Gleida Marques, Zootecnista e Mestre em Produção Animal, Universidade Federal de Goiás -UFG-, GO.

INTRODUÇÃO O Brasil se tornou no Século XXI um dos grandes exportadores de carne bovina no mercado internacional. Isso ocorreu, pois houve um contínuo aperfeiçoamento da qualidade e há um contínuo aumento da quantidade de carne produzida, através de investimentos em segurança alimentar, qualidade das carcaças, rastreabilidade, ...

remove_red_eye 729 forum 1 bar_chart Estatísticas share print
Compartilhar :
close
Romão Miranda Vidal Romão Miranda Vidal
Médico Veterinário
17 de Maio de 2013

Srs.
Em relação ao exposto, é sabido que ainda estamos engatinhando em termos de ofertarmos carne bovina, com Qualidade. Indicadores de exportações da ABIEC é algo que se pode considerar, uma vez que se adonou dos dados estatísticos e presta um serviço informativo relativo. Há de se considerar ainda que a pecuária bovina de corte contribui e em muito para o PIB, equivoca-se ao se considerar que só as exportações de carne são as grandes responsáveis por esta situação do PIB, há de se considerar ainda o consumo interno e todo o cluster pecuário bovino. A não citação das exportações de wet blue também fazem parte do contexto PIB, deve-se considerar ainda que no APL/PECUÁRIA BOVINA DE CORTE, os calçados fazem parte do contexto e que no ano de 2012, exportou U$ 1,09 bilhões.
Em relação à baixa lotação e rendimento por hectare, a culpa não cabe totalmente ao pecuarista e tão pouco aos técnicos, mas sim à falta de um sistema mais organizado. Analise-se da seguinte forma. A UNICA tem mais poder de influência, no balcão das negociações governamentais, do que qualquer outro representante do desordenado segmento produtivo. As perspectivas futuras em relação à pecuária bovina de corte não são brilhantes e tão pouco positivas. Nós ainda estamos muito longe de se igualar aos rebanhos bovinos para corte, do Uruguai e Argentina, em termos de Qualidade.
A realidade ainda está muito longe de se tornar satisfatória, se analisarmos que o Brasil é detentor de 117 milhões de hectares de pastagens degradadas, que deverão fazer parte do Sistema ILPF, voltaremos a ser um dos países com maior rebanho bovino, em termos numérico, mas muito aquém em termos de Qualidade. Dados estatísticos analisados demonstram uma realidade comparativa fria e cruel. Mas por sua vez não apresentam soluções plausíveis e exeguiveis. Programas do tipo ABC/RAD ou ABC/ILPF por certo trariam melhores benefícios não só à pecuária bovina de corte, como aos demais sistemas criatórios como a suinocultura, avicultura que por direito deveriam fazer parte dos dados estatísticos citados no trabalho. A sugestão seria de apontar não as exportações de carne bovina, mas sim as exportações de proteínas nobres de origem animal e por segmento.
Atenciosamente.
Médico Veterinário Romão Miranda Vidal.

Responder
1
Deseja opinar nesta discussão sobre: Gestão nas fazendas de bovinocultura de corte no estado de Minas Gerais?
Engormix se reserva o direito de apagar e/ou modificar os comentários. Veja mais detalhes
Comentar
Criar nova discussão :
Se essa discussão não abrange temas de interesse ou levanta novas questões, você pode criar uma outra discussão.
Consultar um profissional em particular:
Se você tem um problema específico, você pode executar uma consulta em particular a um profissional em nossa comunidade.
 
   | 
Copyright © 1999-2019 Engormix - All Rights Reserved