Desempenho de frangos de corte criados em aviários convencionais e escuros

Publicado: 10/05/2013
Autor/s. :
Sumário

Atualmente existe uma tendência de produção de frangos de corte no sistema "Dark house". Neste sistema, as aves são criadas com luminosidade controlada, o que possibilita mantê-las mais calmas e aumentar a densidade de criação, com consequente melhorias nos resultados de desempenho. Desta forma, objetivou-se com este trabalho avaliar o resultado de desempenho de frangos de corte em função do tipo de aviário (convencional ou escuro), da linhagem (Cobb ou Ross) de uma empresa integradora localizada na região sudoeste do Paraná, Brasil. Para tanto, 142 lotes de frangos de corte da linhagem Cobb criados em aviários convencionais e 31 lotes criados em aviários escuros foram comparados quanto à viabilidade, ganho de peso diário, idade de abate e conversão alimentar. Quanto à linhagem, resultados de desempenho de 142 lotes Cobb foram comparados com 29 lotes Ross. Frangos de corte da linhagem Cobb apresentaram melhor conversão alimentar e redução na idade de abate nos aviários escuros quando comparado com os convencionais. A linhagem Ross apresentou pior conversão e melhor viabilidade, quando comparado com a linhagem Cobb. Pode-se concluir a partir dos resultados de desempenho que frangos criados em aviários escuros apresentam melhor conversão alimentar, o que traz benefícios ao produtor tendo em vista a redução nos custos de produção.

PALAVRAS-CHAVE: Conversão alimentar. Linhagem Cobb. Linhagem Ross.

Introdução

Não existe um tipo de instalação avícola que seja ideal no combate ao estresse por calor ou frio que possa ser adotado em todas as regiões do mundo, porque cada região climática impõe uma exigência própria de arranjos com vistas ao conforto térmico (TINÔCO, 2001), entretanto, grande parte das produções de frangos de corte se utilizam de aviários convencionais (cortina amarela), havendo ainda poucos com aviários escuros "Dark House".

O sistema "Dark House" já é utilizado há muito tempo em galpões de matrizes, e em outros países já se usa esta tecnologia há vários anos para aves de corte (GALLO, 2009).

Neste sistema, os lotes são criados com luminosidade controlada, permitindo uma maior densidade de aves por metro quadrado de galpão, mantendo as aves mais calmas, evitando assim dermatoses e permitindo uma menor conversão alimentar e melhor ganho de peso diário, o que traz um melhor resultado zootécnico e maior retorno financeiro à empresa e produtores (GALLO, 2009).

Para terem uma boa produtividade é necessário que as aves, principalmente nas últimas semanas, tenham temperaturas mais amenas dentro do galpão (LIMA et al., 2004). Em situações de calor extremo, é necessário que sejam acionados de forma adequada os ventiladores e nebulizadores, ou exaustores.

Os exaustores são utilizados para executar a ventilação negativa conhecida como túnel de ventilação, sendo dispostos numa extremidade do aviário com a abertura para a entrada de ar na extremidade oposta. O objetivo do túnel é promover a ventilação uniforme nos diferentes pontos do galpão (SILVA; NÄÄS, 2004).

Já os ventiladores devem ser posicionados na altura correspondente a metade do pé direito da construção, onde o ar é mais fresco, com o jato de ar direcionado levemente para baixo, sem, entretanto, incidir diretamente sobre a cabeça das aves, com o intuito de conseguir-se a retirada do ar quente e umedecido próximo à zona de ocupação das aves (MORAES, 2002), executando desta forma, a chamada ventilação positiva.

No sistema de ventilação positiva os ventiladores forçam o ar externo para dentro da construção, com aumento da pressão do ar. O gradiente de pressão interno-externo, assim gerado, movimenta por sua vez o ar interno para fora.

Nos últimos anos, a genética proporcionou aceleradas taxas de crescimento nos frangos de corte. Estima-se que o frango ganhou por ano um dia na idade de abate durante os últimos 50 anos, isto é, antecipou o abate em cerca de 50 dias (SOUZA; MICHELAN FILHO, 2004).

Atualmente duas linhagens de frangos de corte se destacam dentre as demais, Cobb e Ross. Algumas pesquisas foram feitas com o objetivo de avaliar o desempenho de ambas as linhagens, com alguns resultados superiores para a linhagem Cobb, outros mostraram superioridade para a linhagem Ross e outros nos quais não se verificou diferenças no desempenho entre as duas linhagens.

Lara et al. (2008) verificaram que as aves da linhagem Cobb já aos 21 dias de idade apresentavam maior ganho de peso que as da linhagem Ross. Resultados semelhantes foram observados por Marcato et al. (2006). De maneira inversa, Stringhini et al. (2003) não observaram diferenças significativas na conversão alimentar de frangos de corte das linhagens Cobb e Ross no período de 1 a 44 dias de idade.

Sendo assim, os objetivos do presente trabalho foram avaliar o desempenho de frangos de corte da linhagem Cobb criados em aviários convencionais e aviários escuros e avaliar as diferenças no desempenho entre as linhagens Cobb e Ross criados em aviários convencionais.

 

Material e Métodos

Os resultados de desempenho de 142 lotes de frangos de corte da linhagem Cobb criados em aviários convencionais (cortina amarela) e 31 lotes criados em aviários escuros ("Dark house") de uma empresa integradora da região sudoeste do Paraná, foram comparados quanto à viabilidade, ganho de peso diário, idade de abate e conversão alimentar.

A viabilidade foi determinada com base no número de aves sobreviventes em cada aviário, transformando esse número em percentagem. O ganho de peso diário (GPD) foi calculado dividindo-se o peso médio geral do lote (gramas) pela idade de abate (dias). Para cálculo da conversão alimentar (CA) dividiu-se o consumo de ração durante o período de produção (quilos) pelo peso do lote (quilos) ao final do mesmo período.

Além disso, comparou-se os resultados de desempenho dos 142 lotes de frangos da linhagem Cobb com 29 lotes da linhagem Ross, criados em aviários convencionais.

Os resultados foram analisados com o uso do programa BioEstat versão 5.0 (AYRES et al., 2007), utilizando- -se para comparação o teste T de Student ao nível de 5% de significância.

 

Resultados e Discussão

Não foram encontradas diferenças significativas na viabilidade e no ganho de peso diário (GPD) de frangos de corte da linhagem Cobb criados em aviários convencionais e escuros (P>0,05). No entanto, a conversão alimentar e a idade de abate foram altamente significativas (P<0,0001) (Tabela 1).

Gallo (2009) analisou os resultados de desempenho de frangos de corte criados no sistema convencional com ventilação negativa e "Dark house" e também não encontraram diferenças nos parâmetros GPD e mortalidade, porém, de maneira similar à presente pesquisa, o autor também encontrou efeito altamente significativo para a conversão alimentar (CA), com média de 1,825 para aviários "Dark House" e 1,872 para aviários convencionais. Resultados semelhantes foram apresentados por Santos (2009), entretanto as médias da CA foram um pouco menores (1,686 para "Dark house" e 1,760 para convencional).

Tabela 1: Média ± desvio padrão da viabilidade (%), conversão alimentar (Kg/Kg), ganho de peso diário (gramas) e idade de abate (dias) de frangos de corte da linhagem Cobb criados em aviários convencionais e escuros.

Para a empresa integradora, a redução na idade de abate só é interessante se o GPD for bom de tal forma a contribuir na redução do custo da empresa, e ao mesmo tempo fazer com que se atinja a meta de peso estipulada para abate. Considerando os dados apresentados na Tabela 1 com relação ao GPD, se multiplicarmos o GPD pela idade de abate (58,78 x 44,99 vs. 58,56 x 41,94) teremos respectivamente 2,644 Kg e 2,456 Kg para aviário convencional e "Dark House", pesos considerados bons para a empresa analisada, se levarmos em consideração também o menor custo de produção.

Em relação às linhagens Cobb e Ross criados em aviários convencionais, verificou-se diferenças significativas para a viabilidade (P<0,001) e conversão alimentar (P<0,0001) (Tabela 2).

Tabela 2: Média ± desvio padrão da viabilidade (%), conversão alimentar (Kg/Kg), ganho de peso diário (gramas) e idade de abate (dias) de frangos de corte das linhagens Cobb e Ross criados em aviários convencionais.

Em pesquisa desenvolvida por Stringhini et al. (2003), os autores não observaram diferenças significativas na conversão alimentar de frangos de corte das linhagens Cobb e Ross no período de 1 a 44 dias de idade, o que difere dos resultados obtidos na presente pesquisa. Cabe salientar que os resultados de desempenho pesquisados por Stringhini et al. (2003) foram realizados em condições experimentais, o que difere dos resultados apresentados neste trabalho os quais são resultados de desempenho à campo, onde a densidade e o desafio sanitário são superiores.

A linhagem Ross apresentou pior conversão (P<0,0001) e maior viabilidade (P<0,001) em relação à linhagem Cobb (Tabela 2) no presente trabalho.

Em relação ao resultado zootécnico, ambas as linhagens são muito boas. A diferença está na forma de criação das mesmas, visto que a linhagem Cobb é considerada mais rústica e mais resistente em várias situações, tais como manejo, temperatura, estresse, densidade; já a linhagem Ross não suporta tão bem essas adversidades e isso influencia no seu desempenho a campo.

Por outro lado, a linhagem Cobb apresenta maior capacidade de deposição de músculo, principalmente na região do peito, entretanto, sua estrutura óssea não suporta essa alta capacidade de ganho, o que a torna mais predisposta ao desenvolvimento de problemas relacionados à locomoção, o que justifica a mesma ter apresentado melhor conversão alimentar, porém pior viabilidade, devido à morte por infarto ou descarte em função dos problemas locomotores, quando comparado com a linhagem Ross.

No entanto, em condições experimentais, Holsheimer e Veerkamp (1992) e Souza et al. (1994) detectaram melhor conversão alimentar de frangos Ross quando comparados com Cobb.

Em pesquisa desenvolvida por Marcato et al. (2010), os autores verificaram que aves da linhagem Cobb são 7,33 dias mais precoces que as aves da linhagem Ross para atingir a idade de máximo crescimento do intestino, e que aves da linhagem Ross apresentam taxas crescentes de crescimento do intestino até os 42 dias de idade, enquanto nas aves Cobb essas taxas são crescentes até 35 dias. Esses resultados podem justificar o fato das aves da linhagem Cobb apresentarem melhor conversão alimentar em relação à Ross, visto que o consumo de alimento está correlacionado ao ganho de peso, pois, quanto maior a capacidade de digestão e absorção do alimento, maior o ganho de peso da ave.

 

Conclusão

Pode-se concluir a partir dos resultados de desempenho que frangos criados em aviários escuros apresentam melhor conversão alimentar, o que traz benefícios ao produtor tendo em vista a redução nos custos de produção. Na presente pesquisa a linhagem Ross apresentou maior viabilidade e pior conversão quando comparado com a linhagem Cobb.

 

Referências

AYRES, M. et al. BioEstat: aplicações estatísticas nas áreas das ciências biomédicas. Belém: Universidade Federal do Pará, 2007. 364 p.

GALLO, B. B. Dark house: manejo x desempenho frente ao sistema tradicional. 2009. Disponível em: <http:// pt.engormix.com/MA-avicultura/administracao/artigos/ dark-house-manejo-desempenho-t147/124-p0.htm>. Acesso em: 30 ago. 2011.

HOLSHEIMER, J. P.; VEERKAMP, C. M. Effect of dietary energy, protein level and lysine content of on performance and yield of two strains of male broiler chicks. Poultry Science, v. 66, n. 5, p. 872-879, 1992.

LARA, L. J. C. et al. Influência da forma física da ração e da linhagem sobre o desempenho e rendimento de cortes de frangos de corte. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, Belo Horizonte, v. 60, n. 4, 2008. Disponível em: <http://www. scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102- 09352008000400028&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 25 set. 2011.

LIMA, A. M. C. et al. Ambiência e bem estar. In: MENDES, A. A.; NÄÄS, I. A.; MACARI, M. Produção de frangos de corte. Campinas: FACTA, 2004. p. 85-96.

MARCATO, S. M.; SAKOMURA, N. K.; BARBOSA, N. A. Curvas de crescimento e da deposição de nutrientes corporais de duas linhagens de frangos de corte. Revista Brasileira de Ciência Avícola, v. 8, supl. p. 167, 2006.

MARCATO, S. M. et al. Crescimento e deposição de nutrientes nos órgãos de frangos de corte de duas linhagens comerciais. Revista Brasileira de Zootecnia, Viçosa, v. 39, n. 5, 2010. Disponível em: <http://www. scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516- 35982010000500019&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 25 set. 2011.

MORAES, S. R. P. Caracterização de sistemas de semiclimatização de ambiente, em galpões para frangos de corte, no sudoeste de Goiás. 2002. 161 f. Tese (Doutorado em Engenharia Agrícola) - Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2002.

SILVA, A.; NÄÄS, I. A. Equipamentos para aquecimento e refrigeração. In: MENDES, A. A.; NÄÄS, I. A.; MACARI, M. Produção de frangos de corte. Campinas: FACTA, 2004. p. 85-96.

SOUZA, P. A. et al. Desempenho e características de carcaça de diferentes linhagens comerciais de frango de corte. Revista da Sociedade Brasileira de Zootecnia, v. 23, n. 5, p. 782-791, 1994.

SOUZA, E. M.; MICHELAN FILHO, T. Genética avícola. In: MENDES, A. A.; NÄÄS, I. A.; MACARI, M. Produção de frangos de corte. Campinas: Facta, 2004. p. 23-35.

STRINGHINI, J. H. et al. Avaliação do desempenho e rendimento de carcaça de quatro linhagens de frangos de corte criadas em Goiás. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 32, n. 1, p. 183-190, 2003.

TINOCO, I. F. F. Avicultura industrial: novos conceitos de materiais, concepções e técnicas construtivas disponíveis para galpões avícolas brasileiros. Revista Brasileira de Ciência Avícola, Campinas, v. 3, n. 1, 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S1516-635X2001000100001&lng=en&nrm=i so>. Acesso em: 30 ago. 2011.

 
Autor/s.
Graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Estadual de Londrina (1979), Licenciatura em Ciencias Biologicas (1996), especialização em Metodologia do Ensino (1997), mestrado em Ciência Animal pela Universidade Estadual de Londrina (1997), e doutorado em Zootecnia pela Universidade Estadual de Maringá (2005). Especialização em Produção de Suínos pela UFLA (2008). Atualmente é professor titular da Universidade Paranaense. Cursos de Mestrado em Ciência Animal, Medicina Veterinária, Coordenador do curso de Pós-Graduação (latu sensu) em Vigilância Sanitária e Epedemiologia em Saúde.
 
remove_red_eye 3117 forum 8 bar_chart Estatísticas share print
Compartilhar :
close
Ver todos os comentários
 
   | 
Copyright © 1999-2019 Engormix - All Rights Reserved