Doença Suinos Aujeszky

Avaliação dos Impactos Econômicos, Sociais e Organizacionais do Programa de Erradicação da Doença de Aujeszky no Estado de Santa Catarina

Publicado o:
Autor/s. :
672 0 Estatísticas print
Compartilhar :

INFORMATIVO TÉCNICO

Introdução e Metodologia

Os recursos limitados para a pesquisa agropecuária e a necessidade de conhecer de que forma as tecnologias alteram a competitividade das cadeias produtivas, seu entorno social e o meio ambiente exigem que sejam implementados processos de avaliação de impacto. O uso de metodologias de avaliação de impacto das tecnologias geradas pela Embrapa remonta à sua fundação há 35 anos (Ávila et al., 2005). O objetivo deste trabalho foi avaliar os impactos econômicos, sociais e organizacionais do Programa de Erradicação da Doença de Aujeszky (DA) no estado de Santa Catarina (SC), coordenado pela Embrapa Suínos e Aves em parceria com a Companhia Integrada de Desenvolvimento Agropecuário de SC (Cidasc), o Sindicato das Indústrias de Carnes e Derivados em SC (Sindicarnes- SC) e a Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS).

O programa foi lançado em 2001 e cumpriu a meta de sanear os rebanhos infectados com o Vírus da Doença de Aujeszky (VDA) e a sua erradicação total até 2004. Com o saneamento, a Organização Internacional de Epizootia (OIE) reconheceu a condição de provisoriamente livre da infecção, mas os atuais esforços estão direcionados à obtenção da certificação como livre da DA. A partir de 2006 a coordenação do programa passou para a Cidasc (Morés & Zanella, 2003; Morés et al., 2005).

Esta avaliação de impacto segue um enfoque multidimensional, englobando os aspectos econômico, social e organizacional, e busca avaliar o retorno dos investimentos realizados. Para a avaliação dos impactos econômicos utilizou-se o método do excedente econômico, a partir do qual calculou-se os benefícios com o incremento de produtividade (diferencial de produtividade x preço) e a redução de custos (diferencial de custos x quantidade). Os impactos sociais foram avaliados a partir da metodologia Sistema de Avaliação de Impacto Social da Inovação Tecnológica Agropecuária (Ambitec- Social) nos aspectos emprego, renda, saúde, gestão e administração. A avaliação dos impactos na organização de pesquisa, desenvolvimento e inovação (P&D&I) utilizou metodologia desenvolvida na Unicamp, que não se restringe à produção científica (publicações), avaliando aspectos do conhecimento, da capacitação e políticoinstitucionais. Por fim, para determinar o retorno dos investimentos, foram calculados o valor presente líquido (VPL), a taxa interna de retorno (TIR) e a relação benefício/custo (B/C) (Galesne et al., 1999; Ávila et al., 2005, 2006; Rodrigues et al., 2005).

Principais beneficiários e área de abrangência

A DA é causada por um herpesvírus com conseqüências nas diversas etapas de produção do suíno (Sandrin, 2000; Morés & Zanella, 2003; Morés et al., 2004 e 2005), com impactos na eficiência produtiva e na moral dos produtores e, consequentemente, na rentabilidade da atividade e na competitividade da carne suína no mercado internacional (Protas et al., 1987; Parsons et al., 1990; Zanella et al., 2002). Além disso, e apesar de não ser uma doença restritiva às exportações pelas regras da OIE, pode servir como poder de barganha nas negociações internacionais. O Programa de Erradicação traz benefícios para o conjunto da cadeia produtiva da carne suína (benefício sistêmico), mas os principais beneficiários são os suinocultores, empresas e cooperativas agroindustriais. De forma específica, os beneficiários diretos foram os suinocultores cujos rebanhos apresentavam diagnóstico positivo ou eram vizinhos sob risco (Morés et al., 2004 e 2005). Além disso, o serviço estadual de defesa sanitária executado pela Cidasc pôde direcionar seus recursos para outras ações. Até o ano de 2000 existiam oficialmente em SC cerca de 110 granjas de suínos que haviam sido infectadas e/ou usavam vacina para controlar a DA.

Entretanto, após a implementação dos protocolos de erradicação¹, constatou-se que este número estava subestimado. Dos 1.022 rebanhos suínos em 986 granjas investigados até 2005, 320 (32,45%) estavam infectados pelo VDA. O último caso de infecção pelo VDA em SC ocorreu em junho de 2004 (Morés et al., 2005). A área de abrangência foi calculada com base na diferença entre a evolução verificada do número de rebanhos infectados (de aproximadamente 320 em 2002 para nenhum em 2004) e a estimativa de evolução caso o programa não tivesse sido implementado. Neste cenário estima-se que o número de rebanhos infectados teria aumentado a uma taxa (conservadora) de aproximadamente 10% ao ano (Fig. 1). Com isso, a área de abrangência do programa evoluiu de 19 rebanhos em 2002 para 559 em 2007, com a ocorrência de 30 a 45 novos rebanhos infectados por ano.

Fig.1. Cenários para a evolução da doença de Aujeszky em Santa Catarina.

Impactos econômicos

O principal benefício econômico é o aumento da produtividade das matrizes estimado em dois leitões terminados por matriz, por ano (Zanella et al., 2002), representando R$ 2,4 milhões para o período entre 2002 e 2007². O segundo benefício econômico em ordem de valor é a redução dos custos com vacinas, tendo em vista que a cada ano são necessárias 2,3 doses para as fêmeas e duas doses para os machos reprodutores e as leitoas de reposição (Zanella et al., 2002). A partir da composição média dos rebanhos em SC, estima-se que sejam necessárias anualmente 316 doses por rebanho. Para o período entre 2002 e 2007 o benefício acumulado foi de R$ 1,4 milhão. Por fim, estima-se que a cada novo surto sejam gastos 3% da receita bruta da granja (Protas et al., 1987; Parsons et al., 1990; Zanella et al., 2002), o que equivale a um benefício acumulado entre 2002 e 2007 de R$ 964 mil. O benefício econômico total acumulado desde o início do programa foi estimado em R$ 4,79 milhões (Tabela 1). Esse resultado se deve sobretudo ao crescimento da área de abrangência. Também influenciaram os resultados os baixos preços e as margens de comercialização negativas nos anos de 2002 e 2003, bem como a forte valorização do preço do suíno vivo em 2005.

Impactos sobre o nível de emprego

Estima-se que o impacto sobre o nível de emprego seja elevado tendo em vista as implicações do programa para a rentabilidade das granjas infectadas, bem como para o poder de barganha das agroindústrias exportadoras no mercado internacional. Entretanto, não é possível estimar este valor tendo em vista que o nível de emprego direto e indireto varia em função de inúmeros fatores conjunturais, evolução tecnológica e deslocamentos regionais. De forma específica, o programa atingiu 986 granjas, com um emprego estimado de 1.347 ocupados diretos. Destas, 320 estavam infectadas, envolvendo 703 empregos diretos. Após o processo de erradicação, constatou-se que 64 granjas saíram da atividade, envolvendo 150 empregos diretos, correspondendo a 6,5% das granjas e 11,2% dos empregos diretos beneficiados pelo programa. Além disso, 39 granjas saíram da produção de leitões (em ciclo completo ou em unidade de produção de leitões) e se especializaram no processo de crescimento-terminação, provavelmente por restrições de escala e de recursos (financeiros, humanos e terra). Entretanto, deve-se considerar que a crise na suinocultura que durou até o primeiro semestre de 2004 também foi determinante para esse processo de desligamento e especialização. Além disso, tendências consolidadas como o incremento tecnológico, o aumento de escala e as crescentes pressões para a adequação à legislação ambiental têm maior influência na permanência na atividade do que o programa de erradicação.

Avaliação dos impactos sociais

O impacto social do programa foi avaliado como positivo pela metodologia Ambitec-Social (Rodrigues et al., 2005). O aspecto capacitação é o mais importante, tendo em vista as ações desenvolvidas junto aos produtores, aos técnicos das agroindústrias e da extensão rural pública e aos técnicos do órgão de defesa sanitária. Além das visitas às granjas para coleta de material e esclarecimentos, foram realizadas 18 palestras e seminários e dois cursos de treinamento para veterinários e técnicos, aos quais coube a difusão do conhecimento para os suinocultores. Apesar disso, uma das principais dificuldades encontradas foi a falta de mão-de-obra oficial especializada para acompanhar e orientar todos os procedimentos operacionais nas granjas infectadas e para fiscalizar o transporte de suínos para reposição. Também foram considerados importantes os impactos na gestão e administração do estabelecimento suinícola, seja pelos efeitos do programa na dedicação do suinocultor para a atividade, seja pela maior e melhor interação com os órgãos oficiais de defesa sanitária e de extensão rural (Morés et al., 2005). Também merecem destaque os impactos positivos no montante da renda e no valor da propriedade a partir dos investimentos realizados em benfeitorias (ligados à bioseguridade da granja).

 Avaliação dos impactos sobre conhecimento, capacitação e político-institucional

O desenvolvimento do programa trouxe significativos impactos sobre o conhecimento, a capacitação e no âmbito político-institucional. A interação e cooperação entre Embrapa, Cidasc e as áreas técnicas das agroindústrias permitiram capacitar as equipes, aprimorar sua capacidade de formar redes e de estabelecer parcerias, bem como de socializar o conhecimento. Foram 18 palestras e seminários, além de dois cursos de treinamento para implementação dos procedimentos de despovoamento, limpeza, desinfecção, vazio sanitário e repovoamento. Em termos políticoinstitucionais, o programa trouxe mudanças no marco institucional ao dar origem ao Plano Nacional para Erradicação da Doença de Aujeszky (IN 08/2007 do Mapa) e a programas estaduais já implementados no Rio Grande do Sul, Paraná e Mato Grosso do Sul. Além disso, trouxe uma melhora na imagem da Embrapa entre os atores da cadeia produtiva e o sistema nacional de pesquisa agropecuária, bem como demonstrou haver capacidade de captar recursos através de parcerias (ver detalhamento dos custos a seguir) e de implementar programas desta natureza, sobretudo em relação à seriedade no pagamento de indenizações (Morés et al., 2005).

Custos, fontes de recursos e retorno do investimento

O total de recursos financeiros investidos no programa foi de R$ 9,65 milhões³, sendo a principal fonte o Fundo Estadual de Desenvolvimento da Suinocultura, seguida da Cidasc e da Embrapa. A principal finalidade dos recursos foi o pagamento de indenizações e subsídios aos suinocultores, seguido de exames laboratoriais e compra de vacinas (Tabela 2). Além destes valores, estima-se que a Embrapa e a Cidasc tenham incorrido em custos com pessoal (pesquisadores, analistas e técnicos de campo) e administrativos que não foram computados. O programa não gerou receitas financeiras, pois assumiu o caráter de um bem público.

Para calcular o retorno dos investimentos no programa, considerou-se um horizonte de vida útil de 20 anos, três diferentes taxas de desconto (subsidiada, de poupança e Selic) e a estabilização da área de abrangência a partir de 2007. Nessas condições o programa apresenta uma TIR de 9,26% ao ano e se mostra rentável (VPL > 0) para custos de oportunidade subsidiados ou igual à poupança. Quando se considera o custo da dívida pública (Selic) o VPL é negativo. A relação benefício/custo é superior à unidade para os três custos de oportunidade considerados, ou seja, para cada R$1,00 investido são gerados entre R$1,00 e R$1,76 em benefícios (Tabela 3). Estes resultados são modestos quando comparados com a alta rentabilidade das avaliações de investimentos em P&D&I agropecuária no mundo e no Brasil (Ávila et al., 2005).

Entretanto, deve-se considerar que o impacto pode estar subestimado porque alguns benefícios econômicos não foram quantificados, assim como nenhum benefício social, ambiental e organizacional. A estabilização da área de abrangência também é uma hipótese bastante conservadora. Além disso, o caráter de bem público com baixa apropriabilidade dos benefícios remete à necessidade de se avaliar programas desta natureza com taxas de desconto subsidiada ou nulas. Por outro lado, alguns custos da Embrapa e da Cidasc não foram contabilizados, o que poderia reduzir ainda mais a rentabilidade. Entretanto, referem-se a despesas do quadro de pessoal que seriam executadas mesmo sem a implementação do programa (são os chamados custos afundados).

Considerações finais

O Programa de Erradicação da Doença de Aujeszky no Estado de Santa Catarina atingiu o objetivo no ano de 2004 conforme meta inicial. O resultado contribui para o fortalecimento da competitividade e do poder de barganha da cadeia produtiva da carne suína no mercado internacional. Os benefícios sistêmicos se estendem dos suinocultores e agroindústrias para o conjunto da cadeia produtiva e, também, para os órgãos oficiais de defesa animal, pesquisa e extensão. Mesmo considerando-se a estabilização dos benefícios econômicos quantificados nos níveis de 2007, estima-se um retorno positivo dos investimentos feitos no programa, em um horizonte de 20 anos, para taxas de desconto de até 9,26% ao ano. Além disso, são significativos os benefícios sociais e na organização de P&D&I.

Referências

AVILA, A.F.D.; MAGALHÃES, M.C.; VEDOVATO, G.L.; IRIAS, L.J.M.; RODRIGUES, G.S. Impactos econômicos, sociais e ambientais dos investimentos na Embrapa. Revista de Política Agrícola, v. 14, p. 86-101, 2005. GALESNE, A.; FENSTERSEIFER, J.E.; LAMB, R. Decisões de investimentos da empresa. São Paulo: Atlas, 1999. 295p. MORÉS, N.; AMARAL, A.L. do; VENTURA, L.; ZANELLA, J.R.C.; SILVA, V.S. Programa de erradicação da doença de Aujeszky no Estado de Santa Catarina. Concórdia: Embrapa Suínos e Aves, 2005. 8p. (Embrapa Suínos e Aves. Circular Técnica, 44). MORÉS, N.; ZANELLA, J.R.C. Programa de erradicação da doença de Aujeszky no Estado de Santa Catarina. Concórdia: Embrapa Suínos e Aves, 2003. 50p. (Embrapa Suínos e Aves. Documentos, 81). MORÉS, N.; AMARAL, A.L.; VENTURA, L.; ZANELLA, J.R.C.; MORI, A.; DAMBRÓS, R.M.F.; PROVENZANO, G.; BISOLO, E. Relato epidemiológico do vírus da doença de Aujeszky, envolvendo o comércio de reprodutores suínos de reposição. Concórdia: Embrapa Suínos e Aves, 2004. 4p. (Embrapa Suínos e Aves. Comunicado Técnico, 370). PARSONS, T.D.; PITCHER, P.M.; JOHNSTONE, C. Economic analysis of an epizootic of peseudorabies and subsequent production following the institution of a vaccination program in a Pennsylvania swine herd. Journal of the American Veterinary Medical Association, v.197, n.2, p.188-191, 1990. PROTAS, F.S.J.; SOBESTIANSKY, J.; SONCINI, R.A. Custo de um surto da doença de Aujeszky em uma granja de suínos. Concórdia: Embrapa Suínos e Aves, 1987. 2p. (Embrapa Suínos e Aves. Comunicado Técnico, 124). RODRIGUES, G.S.; CAMPANHOLA, C.; KITAMURA, P.C.; IRIAS, L.J.M.; RODRIGUES, I.A. Sistema de avaliação de impacto social da inovação tecnológica agropecuária (ambitec-social). Jaguariúna: Embrapa Meio Ambiente, 2005. 30 p. (Embrapa Meio Ambiente. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 35). SANDRIN, A. Estudo educativo epidemiológico da doença de Aujeszky em Santa Catarina no período de 1983 a 1999. 2000, 62p. Monografia (Pós- Graduação em Sanidade Animal) - Centro de Ciências Agroveterinárias, Universidade do Estado de Santa Catarina, , Lages, SC. ZANELLA, J.R.C.; MORÉS, N., GIROTTO, A.F. Estimativa de impacto econômico anual da doença de Aujeszky para a suinocultura do estado de Santa Catarina. Concórdia: Embrapa Suínos e Aves, 2002. 4p. (Embrapa Suínos e Aves. Comunicado Técnico, 294).

 

 
Autor/s.
Deseja opinar nesta discussão sobre: Avaliação dos Impactos Econômicos, Sociais e Organizacionais do Programa de Erradicação da Doença de Aujeszky no Estado de Santa Catarina?
Engormix se reserva o direito de apagar e/ou modificar os comentários. Veja mais detalhes

Não serão publicados os comentários:

  • Com repetidos erros de ortografia.
  • Anúncios, Web sites ou endereços de e-mail.
  • Perguntas ou respostas irrelavantes para a discussão.
Dizer neste debate, temos de ser parte da Comunidade do Engormix
Comentar
Introdução O reconhecimento de patógenos mais frequente
 
INTRODUÇÃO Outrora considerada uma doença esporá
Olá! Tenho uma pequena criação de suínos (aproximadamente 250 suínos entre fêmea
 
de vez em quando  morre um suino sem causa,do nada aparece morto. o que
Serviços Profissionais
 
   | 
Copyright © 1999-2017 Engormix - All Rights Reserved