CORRELAÇÃO ENTRE A CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS (CCS) E O TEOR DE GORDURA, PROTEÍNA, LACTOSE E EXTRATO SECO DESENGORDURADO DO LEITE

Publicado o:
Autor/s. :
190 0 Estatísticas print
Compartilhar :
Sumário

Este trabalho objetivou avaliar a correlação entre a contagem de células somáticas (CCS) e o teor de gordura, proteína, lactose e extrato seco desengordurado do leite (ESD). Foram utilizadas 12 vacas da Raça Holandesa malhadas de preto, ordenhadas mecanicamente, duas vezes ao dia. Foram coletadas amostras de leite, a cada 16 dias, durante as ordenhas da manhã e da tarde. Este material coletado foi acondicionado em frascos plásticos com conservante (BronopolÒ), mantidos entre 2º e 6 º C, para fins de análise dos teores de proteína bruta, gordura, lactose, extrato seco total, ESD e CCS. Houve correlação positiva entre as variáveis analisadas. Assim, quando se aumenta a CCS, aumenta também os teores de gordura, lactose e ESD, porém não houve diferença significativa entre a CCS e o teor de proteína (P>0,05).

 

Palavras chave: Sistemas de Produção, Qualidade de Alimentos, Higiene de Produtos Lacteos.

 

Introdução.

 

A pecuária leiteira vem passando, nos últimos anos, por modificações estruturais que resultaram em mudanças na gestão técnica e econômica dos sistemas de produção.. Neste contexto, a qualidade do leite é uma ferramenta importante para a gestão dos sistemas e da cadeia de produção de produtos lácteos. Isto se deve a grande importância deste produto (o leite) na alimentação e segurança dos produtos ofertados ao consumidor. É a melhoria da qualidade do leite e derivados produzidos no Brasil que está permitindo a este país, passar da condição de importador para exportador de produtos lácteos. Devido à relevância que a qualidade do leite tem para a indústria de derivados lácteos, qualquer alteração nesta e na composição natural do leite, merecem ressalva. Os principais fatores que afetam a composição natural do leite são a dieta, a constituição genética, a estação do ano, o estágio de lactação, o manejo da ordenha e a sanidade (DÜRR et al. 2000). Devido à complexidade destes fatores, foram desenvolvidos vários métodos de verificação da qualidade do leite. Entre eles, pode-se citar o California Mastitis Test (CMT), Wisconsin Mastitis Test (WMT) e a Contagem de Células Somáticas (CCS) (Cardozo, 1996).

 

A contagem de células somáticas (CCS) do leite indica, de maneira quantitativa, o grau de infecção da glândula mamária (MACHADO et al. 2000). É reconhecida internacionalmente como indicador de saúde da glândula mamária e da qualidade do leite producido (TSENKOVA et al. 2001), além de ferramenta útil na avaliação de mastite subclínica e estimativa das perdas de produção de leite. A CCS já é utilizada há muito tempo em países desenvolvidos, como forma de melhorar a qualidade dos produtos oferecidos ao consumidor. Com isso, o Brasil vem adotando sistemas de pagamento do leite por qualidade e um dos parâmetros analisados é a CCS.

 

Diversos são os fatores que afetam a CCS, entre eles, o nível de infecção da glândula mamária, o método de amostragem durante a ordenha, a época do ano, o estágio da lactação e a idade da vaca. A infecção da glándula mamária é conhecida como mastite. Pode se manifestar na forma clínica ou subclínica (COSTA & WATANABE, 1999). O termo células somáticas do leite é utilizado para designar todas as células presentes no mesmo, incluindo as de origem sangüínea (leucócitos) e as de descamação do epitélio glandular secretor. No entanto, em uma glândula mamária infectada, as células de defesa correspondem de 98 a 99% das células encontradas no leite (PHILPOT & NICKERSON, 1991).

 

Altas CCS ocasionam diversas mudanças na composição do leite, afetando sua qualidade, pois alteram a permeabilidade dos vasos sangüíneos da glândula e reduzem a secreção dos componentes do leite sintetizados na glândula mamária (proteína, gordura e lactose) pela ação direta dos patógenos ou de enzimas sobre os componentes secretados no interior da glândula (Santos, 2002; Machado et al. 2000).

 

A elevação da CCS no leite (acima de 200.000cel/mL) indica a ocorrência de mastite, a qual reduz a quantidade de leite produzido pelo animal e causa redução na concentração dos componentes nobres do leite (gordura, caseína e lactose), assim como aumento nas concentrações de sódio, cloro e proteínas do soro. A presença de altas CCS no leite afeta também a composição do leite e o tempo de prateleira dos derivados, causando enormes prejuízos na indústria de laticínios. (SANTOS & FONSECA, 2007).

 

Diante do exposto, objetivou-se com presente estudo avaliar a correlação existente entre a CCS e os teores de gordura, proteína, lactose e extrato seco desengordurado presentes no leite bovino.

 

Material e métodos.

 

As amostras de leite foram coletadas na Unidade de Ensino, Pesquisa e Extensão em Gado de Leite (UEPEGL) do Departamento de Zootecnia (DZO), da Universidade Federal de Viçosa (UFV), em Viçosa-MG, durante o período de agosto a outubro de 2004. A UEPEGL está localizada na Zona da Mata, Estado de Minas Gerais, a 649 m de altitude, geograficamente definida pelas coordenadas de 20o45’20’’ de latitude sul e 42o52’40’’ de longitude oeste. O clima é do tipo Cwa, segundo a classificação proposta por Köppen, tendo duas estações definidas: seca, de abril a setembro, e águas, de outubro a março. A precipitação média anual é de 1.341,2 mm. As médias de temperaturas máximas e mínimas são 26,1 e 14,0 oC, respectivamente (UFV, 1997).

 

Foram utilizadas doze vacas Holandesas malhadas de preto, puras e mestiças, os animais receberam alimentação "ad libitum" fornecida às 8:00 e às 17:00 horas. As dietas foram formuladas para serem isoprotéicas, de acordo com o NRC (2001) para vacas leiteiras com 600 kg de peso corporal, produzindo 20 kg de leite/dia com 3,5% de teor de gordura no leite.

 

Tabela 1 – Proporção dos ingredientes da ração concentrada, expressa em percentagem da matéria seca.

1 67% de bicabornato de sódio e 33% de óxido de magnésio; 2 Fosfato bicálcico (22,99; 9,16;11,91; 14,12%), calcário calcítico (42,81; 55,04; 50,03; 45,95%), sal comum (32,83; 34,24; 31,21; 28,73%), flor de enxofre (0,95; 1,10; 0,78; 0,52%), sulfato de zinco (0,3424; 0,3421; 0,3389; 0,3361%), sulfato de cobre (0,0515; 0,0981; 0,0999; 0,1012%), iodato de potássio (0,0037; 0,0038; 0,0035; 0,0033%).

 

As vacas foram ordenhadas mecanicamente, duas vezes ao dia. A cada 16 dias, durante 68 dias de experimento, através de dispositivo acoplado a ordenhadeira, foi coletada amostra de leite de aproximadamente 300 mL, na ordenha da manhã e da tarde, fazendo-se a amostra composta proporcionais às respectivas produções. As amostras foram acondicionadas em fracos plásticos com conservante (BronopolÒ), mantidas entre 2º e 6 º C, para fins de análise dos teores de proteína bruta,gordura, lactose, extrato seco total, extrato seco desengordurado e Contagem de Células Somáticas(CCS), segundo métodos descritos pelo International Dairy Federation (1996). As análises de composição do leite foram feitas pelo Laboratório da Qualidade do Leite da EMBRAPA - CNPGL/Juiz de Fora – MG.

 

Foram avaliadas as correlações entre a contagem de células somáticas (CCS) e o teor de gordura, proteína, lactose e extrato seco desengordurado do leite (ESD). Os procedimentos estatísticos foram efetuados utilizando-se o programa Statistical Analysis System - SAS (1988).

 

Resultados e discussão.

 

Houve correlação positiva entre a contagem de células somáticas (CCS) e o teor de gordura, o extrato seco desengordurado e lactose. Assim, nas condições do presente estudo, quando se aumenta a CCS, aumentam-se também os teores de gordura, lactose e ESD, porém não se observa correlação entre a CCS e o teor de proteína.

 

Tabela 2. Análise de correlação entre a contagem de células somáticas (CCS) e o teor de gordura, proteína, lactose e extrato seco desengordurado do leite.

 

Ventura, et al. (2006) avaliando a contagem de células somáticas e seus efeitos nos constituintes do leite, verificou que quando ocorria um aumento nos valores de CCS acarretava em um acréscimo mínimo da porcentagem de gordura (correlação = 0.02999). Essa elevação pode ser justificada por infecção na glândula mamária, o que reduz a produção de leite. O mesmo pode ser visualizado para o componente % de proteína, com correlação igual a 0.25638. Para os componentes % de lactose e ESD, foi encontrado correlações negativas iguais a - 0.43793 e - 0.11672, respectivamente. O aumento dos valores de CCS provoca redução na porcentagem de lactose e ESD. A redução na % de lactose pode ser explicada pela perda de lactose da glândula mamária para o sangue, devido a mudanças na permeabilidade da membrana separatória.

 

Em estudo com vacas Holandesas e Mestiças, Gonzalez et al. (2003) encontraram efeito estatisticamente relevante (p<0,0001), da CCS sobre os teores de proteína e de gordura láctea. Foi observado que com o aumento da CCS, ocorreu diminuição no teor de proteína e aumento no de gordura, embora apenas 0,53% e 3,02% da variação desses sólidos, respectivamente, possam ser creditados à CCS. Já Cunha et al.(2008), analisando vacas de raça Holandesas, observaram correlação positiva entre CCS e porcentagens de gordura e de proteína do leite.

 

Pereira et al. (1999), avaliaram 6112 amostras de leite para CCS, correlacionadas com porcentagem de gordura. Obtiveram aumento do escore linear das amostras mostrando estar relacionado com o aumento da concentração de gordura, aumento este no valor de 6,97%. Rajcevic et al. (2003) observaram correlação negativa entre Log de CCS e porcentagem de lactose, – 0,423.

 

Conclusão.

 

No presente estudo, a contagem de células somáticas apresentou correlação com a porcentagem de gordura, lactose e ESD.

 

Referências bibliográficas.

1. CARDOZO, R.M. Avaliação de testes para diagnóstico de mastites subclínicas em bovino de leite. Revista Unimar, v.18, n.3,p.627-636, 1996.

2. COSTA, E.O.; WATANABE, E.T. Tratamento de mastite In:ENCONTRO DE PESQUISADORES EM MASTITE, 3., 1999. Botucatu. Anais... Botucatu: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, 1999. p.87-101.

3. CUNHA, R.P.L.; MOLINA, L.R.; CARVALHO, A.U.; FACURY FILHO, E.J.; FERREIRA, P.M.; GENTILINI, M.B. Mastite subclínica e relação da contagem de células somáticas com número de lactações, produção e composição química do leite em vacas de raça Holandesa. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. vol.60 no.1 Belo Horizonte Feb. 2008;

4. DÜRR J.W.; FONTANELI R.S.; BURCHARD J.F. Fatores que afetam a composição do leite. In: CURSO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO PARA GADO DE LEITE BASEADO EM PASTAGENS SOB PLANTIO DIRETO. 2000, Passo Fundo. Anais...Embrapa – Trigo.

5. GONZALEZ, S. G.; MULLER, E. E.; RIBEIRO, E. L. A.; FREITAS, J. C.; GODOY, A. L. Influência de fatores raciais e manejo nutricional na contagem de células somáticas e nos constituintes do leite de vacas holandesas e mestiças no Norte do Estado do Paraná, Brasil. Acta Scientiarum. Animal Sciences; Maringá, v. 25, no. 2, p. 323-329, 2003.

6. MACHADO, P.F.M.; PEREIRA, A.R.; SARRIES, G.A. Composição do leite de tanques de rebanhos brasileiros distribuídos segundo sua contagem de células somáticas. Revista Brasileira de Zootecnia, v.29, p.2765-3768, 2000.

7. NATIONAL MASTITIS COUNCIL. Current concepts of bovine mastitis. Madison, 1996. 64p.

8. NATIONAL RESEARCH COUNCIL – NRC. Nutrient requirements of dairy cattle. 7. ed. Washington, DC: National Academic Press, 2001. 381 p.

9. PEREIRA, A.R., SILVA, L.F.P., MOLON, L.K. MACHADO, P.F., BARANCELLI, G. Efeito do nível de células somáticas sobre os constituintes do leite Igordura e proteína Braz. J. Vet. Res. Anim. Sci. vol.36 n.3 São Paulo 1999.

10. PHILPOT, W.N; NICKERSON, S.C. Mastits: counter attack. Babson Bros Co, 1991. 150p.

11. RAJCEVIC, M.; POTOCNIK, K.; LEVSTEK, J. Correlations between somatic cells count and milk composition with regard to the season. Agric. Conspec. Sci., v.68, p.221-226, 2003.

12. SANTOS, M.V. Efeito da mastite sobre a qualidade do leite e derivados lácteos. In:CONGRESSO PANAMERICANO DE QUALIDADE DO LEITE E CONTROLE DA MASTITE, 2., Ribeirão Preto. Anais... Ribeirão Preto: 2002. P.179-188.

13. VENTURA, R. V.; LEME, T A. R. P.; MENDONÇA, L. C.; DIAS, M. S.; AMORIM, M. A. Contagem de células somáticas e seus efeitos nos constituintes do leite.In: II Congresso Brasileiro de Qualidade do Leite. Goiânia. Anais... Goiânia: 2006. P.187-189.

14 SANTOS, M. V.; FONSECA, L. F. L. Estratégias para controle de mastite e melhoria na qualidade do leite. Editora Manole-1ª Edição 2007. Barueri-SP-Brasil.

15. TSENKOVA, R. et al. Somatic cell count determination incow’s milk by near-infrared spectroscopy: a new diagnostic tool. J. Anim. Sci., Savoy, v.79, p.2550-2557, 2001.

16. Universidade federal de viçosa. Departamento de Engenharia Agrícola. Estação meteorológica. Dados climáticos. Viçosa, MG:UFV. 1997b.

O Trabalho foi originalmente publicado pela REVISTA VERDE DE AGROECOLOGIA E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL / GRUPO VERDE DE AGRICULTURA ALTERNATIVA (GVAA) ISSN 1981-8203.

 
Autor/s.
Concluiu doutorado em Zootecnia (Produção e nutrição de ruminantes) pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). É professor adjunto da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), membro titular da comissão de pesquisa (PROPESQ) , comitê de extensão (PROEX), coordenador do laboratório de qualidade do leite (LABOLEITE-UFRN). Revisor científico de várias revistas. Consultor ad hoc do Programa Ibero-Americano de Ciencia y Tecnologia para el Desarrollo, das fundações de apoio a pesquisa (Fapern, Fapesp, Fapesb e Fapes) e SIGproj (Ministério da Educação).
Deseja opinar nesta discussão sobre: CORRELAÇÃO ENTRE A CONTAGEM DE CÉLULAS SOMÁTICAS (CCS) E O TEOR DE GORDURA, PROTEÍNA, LACTOSE E EXTRATO SECO DESENGORDURADO DO LEITE?
Engormix se reserva o direito de apagar e/ou modificar os comentários. Veja mais detalhes

Não serão publicados os comentários:

  • Com repetidos erros de ortografia.
  • Anúncios, Web sites ou endereços de e-mail.
  • Perguntas ou respostas irrelavantes para a discussão.
Dizer neste debate, temos de ser parte da Comunidade do Engormix
Comentar
 
   | 
Copyright © 1999-2017 Engormix - All Rights Reserved